Preço da autossuficiência

Tem um caráter exemplar a condenação da ex-prefeita de São Paulo e atual ministra da Cultura, Marta Suplicy, à perda de seus direitos políticos por improbidade administrativa pelo período de três anos, além do pagamento de multa no valor de cinco vezes a remuneração que recebia como prefeita, por atos praticados quando governava a capital paulista. Independentemente do desfecho final do caso - a condenada já anunciou que vai recorrer -, essa é uma decisão importante, porque se segue a várias outras que demonstram estarem os poderosos, quaisquer que sejam eles, finalmente ao alcance da Justiça.

O Estado de S.Paulo

22 Janeiro 2014 | 02h10

A sentença do juiz Alexandre Jorge Carneiro da Cunha Filho, da 1.ª Vara da Fazenda Pública - que atinge com a mesma dureza Maria Aparecida Perez, que era secretária municipal de Educação quando ocorreram os fatos que levaram à condenação -, é de novembro de 2013, mas só foi publicada pela Justiça paulista na última sexta-feira. A Justiça aceitou denúncia do Ministério Público Estadual (MPE), que apontou uma série de graves irregularidades na contratação, pela Prefeitura paulistana, de uma ONG - o Grupo de Trabalho e Pesquisa de Orientação Sexual (GTPOS) - para assessorá-la em ações referentes a planejamento familiar, métodos contraceptivos e educação sexual nas subprefeituras de Cidade Ademar e de Cidade Tiradentes.

Foram tantos e tão elementares os erros cometidos pela ex-prefeita e atual ministra e sua ex-secretária de Educação que eles deixam a nítida impressão de que ambas agiram com a certeza de tudo poderem fazer, sem se submeter aos princípios que pautam a conduta dos administradores públicos. É como se tais regras não tivessem sido feitas para elas. Por exemplo: não se levou em conta a conhecida proximidade de Marta Suplicy com o GTPOS e dispensou-se a realização de licitação para determinar quem executaria contrato no valor de R$ 372 mil.

Os argumentos apresentados pelo MPE e as razões alinhadas pelo juiz Cunha Filho constituem um bom resumo da conduta que deve ser adotada pelos administradores públicos em tais casos, assim como uma advertência sobre o que não se deve fazer e as consequências de contrariar tais regras. Segundo o MPE, não foram apresentados elementos capazes de justificar a dispensa de licitação e houve desrespeito ao princípio de igualdade e concorrência, porque não houve a pesquisa de preços de mercado.

O magistrado, por sua vez, lembra que todo administrador deve ter sempre presente que a licitação é a garantia de que "os recursos públicos serão utilizados da melhor maneira possível", porque permite escolher a oferta mais vantajosa à população. Sobre a alegação de que o GTPOS teria competência para fazer o que a Prefeitura desejava, acrescenta ele que isso não bastava para que a licitação fosse dispensada. Afinal, outras entidades ou empresas dispunham da mesma competência e poderiam ser contratadas por preço menor dentro de um processo licitatório.

A seu ver, não procede, pela mesma razão, o argumento da Prefeitura de que o GTPOS tem renome e acervo técnico, além da razoabilidade de seu preço. Tudo isso mostra que a falta de licitação representa "violação do princípio da isonomia, que deve pautar a relação entre particulares e prestadores de serviço e o Poder Público com o qual pretendem contratar".

Para o magistrado houve também violação do princípio da impessoalidade, porque "a entidade contemplada com o contrato questionado fora fundada pela chefe do Executivo em cujo mandato se deu a celebração" desse acordo. Essa ligação muito próxima, ainda que informal, de Marta Suplicy com o GTPOS foi apontada como um erro grave, desde que começou a discussão a respeito do contrato. Ou seja, não faltaram advertências à ex-prefeita e atual ministra da Cultura sobre a inconveniência e os riscos do que pretendia fazer. Ela está, portanto, colhendo o que plantou.

Por meio de seus advogados, Marta Suplicy comunicou que recorrerá da sentença que a condenou. Mas desde já está claro que sua autossuficiência vai na contramão dos avanços conseguidos pelo País para conter os abusos dos governantes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.