Pressão contra o Irã

O presidente americano, Barack Obama, usou a 67.ª Assembleia-Geral da ONU para advertir o governo iraniano de que os Estados Unidos "farão o que for necessário para impedir que o Irã obtenha uma arma nuclear". Foi um dos mais duros recados dados por Obama numa tribuna internacional sobre a disposição de abandonar a diplomacia caso o regime de Teerã resolva construir um arsenal atômico. A intenção de Obama era ser levado a sério não somente pelos aiatolás, mas principalmente pelos eleitores americanos, já que ele tem sido criticado pela oposição republicana em razão de sua aparente frouxidão na condução da questão iraniana.

O Estado de S.Paulo

28 Setembro 2012 | 03h10

Mesmo assim, a clareza do discurso, se não soou como um ultimato ao Irã, como queria Israel, serviu para relembrar que os Estados Unidos, ainda que cautelosos e cansados de guerra, não titubearão na defesa de seus interesses e valores no Oriente Médio - com o respaldo de uma "coalizão de países", segundo Obama, dispostos a fazer o Irã cumprir seus compromissos internacionais por meio de sanções.

O Brasil não está nessa "coalizão", por acreditar que as sanções ao Irã são "extremamente perigosas", nas palavras da presidente Dilma Rousseff durante recente encontro dos Brics. O governo brasileiro prefere ainda acreditar na possibilidade de costurar um acordo com os iranianos para evidenciar o "caráter pacífico" de seu programa nuclear. Agora mesmo, nos corredores da Assembleia-Geral, o chanceler Antonio Patriota retomou as conversas com os diplomatas turcos para reviver o constrangedor acordo de maio de 2010 com o Irã.

Naquele compromisso, festejado pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva como "vitória da diplomacia", o Brasil foi usado pelos iranianos para sair de seu intenso isolamento internacional. O acordo, batizado de "Declaração de Teerã", previa que o Irã enviasse 1.200 quilos de urânio para serem enriquecidos no exterior, de modo a garantir que esse material não seria beneficiado a ponto de poder ser usado na fabricação de uma bomba atômica. Contudo, os 1.200 quilos representavam apenas a metade do estoque iraniano, e a comunidade internacional exigia o cumprimento de acordo anterior, devidamente rasgado por Teerã, no qual os iranianos haviam prometido enviar ao exterior 3/4 de seu estoque de urânio. Diante disso, pouco depois da animada missão de Lula em Teerã, o Conselho de Segurança da ONU, ciente de que o novo compromisso assinado pelo governo iraniano não valia o papel em que estava escrito, aprovou uma nova rodada de sanções contra o Irã, com apoio inclusive da recalcitrante China.

Pois é justamente a "Declaração de Teerã" que o Brasil quer retomar, acreditando que, agora, esse acordo teria mais aceitação. No entanto, o cenário que condenou aquele compromisso ao lixo permanece o mesmo. O último relatório da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), órgão ligado à ONU cuja missão inclui monitorar o cumprimento do Tratado de Não Proliferação Nuclear, afirma que o Irã, a despeito das resoluções do Conselho de Segurança, "não suspendeu suas atividades relacionadas ao enriquecimento" de urânio. Além disso, afirma o relatório, "apesar do intenso diálogo" da AIEA com o Irã, "todos os esforços para resolver as questões de fundo pendentes não tiveram resultados concretos". A agência diz que o Irã ignorou as questões levantadas pelos inspetores e impediu a entrada deles em determinadas instalações - ou seja, está longe de se mostrar cooperativo.

Na ONU, Obama acrescentou que "o tempo da diplomacia tem limite", deixando no ar a possibilidade de guerra contra o Irã, uma opção que é criticada pelos próprios americanos - pesquisas recentes indicam rejeição de 70% a uma ação militar mesmo respaldada pelas Nações Unidas.

Por outro lado, apostar numa diplomacia ingênua, que trata os dirigentes iranianos como parceiros confiáveis, como faz o governo brasileiro, atrapalha os esforços da comunidade internacional para forçá-los a cooperar e, no limite, ajuda o regime de Teerã a ganhar precioso tempo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.