Pressões sobre os salários

Depois de negociações bem mais difíceis e demoradas do que nos anos anteriores, nos primeiros três meses deste ano algumas categorias profissionais conseguiram fechar acordos com os empregadores que preveem aumento real de salários. Mas acordos com reajuste maior do que a inflação são cada vez mais raros num cenário marcado por queda da produção e das vendas e, sobretudo, por forte pressão sobre o nível de emprego. Em algumas empresas, em troca da estabilidade temporária, os trabalhadores aceitaram até mesmo a redução do salário. Por isso, nos próximos meses, acordos com aumento real de salários poderão ser ainda mais raros.É um quadro muito diferente do observado nos últimos anos, quando os acordos entre empregados e empregadores previram aumentos reais para a grande maioria das categorias profissionais. Desde o início do primeiro governo Lula, o pior ano foi 2003, quando apenas 19% das categorias obtiveram aumento real de salário. Em 2007, o melhor ano do período para os trabalhadores, 88% dos acordos previram reajustes superiores à inflação. No ano passado, já como reflexo da crise que se instalou a partir de setembro, o índice caiu para 78%.Em 2009, o resultado não deve ser pior do que o de 2003, previu o coordenador de relações sindicais do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), José Silvestre Prado de Oliveira, em declarações para o jornal Valor. Mas esse resultado só será alcançado se, nos próximos meses, aumentar de maneira substancial o número de acordos com aumentos reais, o que ainda parece incerto apesar dos últimos sinais de recuperação.Entre as categorias que conseguiram aumento real estão os vigilantes do Rio de Janeiro (3% mais do que a inflação), os empregados do setor de alimentação de São Paulo (aumento real de 1,18%), os calçadistas do município gaúcho de Sapiranga (0,98%) e os moveleiros de Bento Gonçalves, também no Rio Grande do Sul (0,82%). Em todos os casos, as negociações foram mais complicadas do que em 2008. No caso dos vigilantes do Rio de Janeiro, por exemplo, os trabalhadores ameaçaram fazer greve durante o carnaval, o que ameaçava a segurança no Sambódromo durante a realização de um dos eventos que mais atraem turistas para a cidade.Outras categorias com data-base nos quatro primeiros meses do ano apresentaram aos empregadores reivindicação de aumentos reais altos, mas, no decorrer das conversações, tiveram de reduzir seus pedidos e, em alguns casos, de aceitar a simples reposição da inflação. Os trabalhadores na indústria de couro de Franca, o principal polo calçadista de São Paulo, por exemplo, queriam 10% de aumento real, mas, depois de 20 reuniões com os empregadores, aceitaram os 6,5% da inflação passada. Entenderam que, na crise que afeta toda a indústria, não perder nada pode ser vantajoso.Os metalúrgicos do sul fluminense tiveram negociações difíceis com as montadoras da região, uma das quais, a Peugeot Citroën, demitiu 250 trabalhadores recentemente, e a outra, a Volkswagen Caminhões, suspendeu o contrato temporário de 500 funcionários. Mesmo assim, conseguiram a correção integral dos salários. Mais difíceis, seguramente, serão as negociações com a Companhia Siderúrgica Nacional, cuja data-base é 1º de maio. Desde dezembro, a empresa já demitiu 1,3 mil empregados, segundo o sindicato.Em Santa Catarina, os metalúrgicos da cidade de Joinville iniciaram as negociações pedindo 2% de aumento real, mas a categoria fechou há algum tempo um acordo com uma grande empresa, a Embraco, no qual aceitou redução de salário e de jornada, em troca da estabilidade temporária.Já prevendo que não conseguirão aumentos reais para suas bases, as diretorias de alguns sindicatos catarinenses que renovarão os acordos salariais no primeiro semestre pensam em outras saídas. Uma delas é a introdução de cláusulas sociais que compensem a renúncia ao aumento real. Outra é adiar a discussão sobre ganhos reais para o segundo semestre, quando, acreditam, haverá menos dúvidas sobre a recuperação da economia. Se agirem desse modo, demonstrarão realismo, sem abandonar seu papel, que é o de defender o interesse das categorias profissionais que representam.

, O Estadao de S.Paulo

21 de abril de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.