Projeções menos ruins para as contas públicas

Qualquer melhora no campo fiscal deve ser comemorada, ainda que sejam projeções, como as reveladas no primeiro Prisma Fiscal de 2018

O Estado de S.Paulo

19 Janeiro 2018 | 03h12

A expectativa de que o déficit primário de 2017 tenha sido inferior ao esperado - os números serão conhecidos no fim do mês - já é dominante e a publicação Prisma Fiscal, elaborada pela Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Fazenda e divulgada há alguns dias, mostra que os agentes econômicos estão menos pessimistas quanto a 2018 e a 2019. 

A mediana das previsões para 2018 passou de um déficit primário de R$ 155 bilhões para R$ 153,944 bilhões, inferior ao teto admitido de R$ 159 bilhões. Para 2019, os analistas projetam resultado negativo de R$ 120,96 bilhões, inferior à previsão anterior de R$ 125,513 bilhões. O compromisso para 2019 é de déficit primário máximo de R$ 139 bilhões.

Um dos pontos centrais do Prisma Fiscal diz respeito às estimativas para a dívida bruta do governo geral em 2018, que caíram de 77,21% para 76% do Produto Interno Bruto (PIB). Para 2019, a estimativa era 79,46% do PIB e caiu para 78,39%. A relação dívida/PIB é acompanhada com atenção.

Nem todas as projeções do Prisma Fiscal, ressalte-se, são positivas. Foi revisada para baixo, por exemplo, a previsão de receitas federais em 2018, de R$ 1,450 trilhão para R$ 1,446 trilhão. Para 2019, a estimativa para a arrecadação federal foi apenas mantida em R$ 1,556 trilhão.

Uma ligeira melhora foi constatada na estimativa para as receitas líquidas do governo central em 2018, que aumentaram de R$ 1,214 trilhão para R$ 1,217 trilhão. Para 2019, as projeções foram um pouco mais favoráveis, com ampliação de R$ 1,306 trilhão para R$ 1,311 trilhão.

Quanto às despesas totais, a projeção do governo central para 2018 é de um aumento de R$ 1,365 trilhão para R$ 1,367 trilhão. Para 2019 também houve leve acréscimo, de R$ 1,424 trilhão para R$ 1,425 trilhão.

As projeções fiscais relativas ao curto prazo, ou seja, para o primeiro trimestre de 2018, são menos desfavoráveis. Para janeiro, por exemplo, a previsão de superávit passou de R$ 15,927 bilhões para R$ 16,911 bilhões, enquanto para fevereiro a estimativa de déficit primário caiu levemente de R$ 21,412 bilhões para R$ 21,320 bilhões. Já para março a previsão de déficit passou de R$ 9,215 bilhões para R$ 9,836 bilhões.

Qualquer melhora no campo fiscal deve ser comemorada, ainda que sejam projeções, como as reveladas no primeiro Prisma Fiscal de 2018.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.