Que nos sirva de alerta

Perplexa e revoltada diante da chocante brutalidade da tragédia do Realengo, a sociedade brasileira se pergunta: por quê? O assassinato frio e premeditado de 12 crianças, dentro de uma escola no Rio de Janeiro, por um psicopata suicida de 23 anos, deflagrou na mídia, até pelo ineditismo do ocorrido no País, uma compreensível busca por explicações para o trágico acontecimento que inscreve o Brasil na galeria internacional dos massacres de que são vítimas jovens estudantes - da qual a chacina de Columbine, nos EUA, em abril de 1999, se tornou tristemente emblemática. Autoridades governamentais, especialistas em segurança pública, psicólogos especializados em conflitos interpessoais no ambiente escolar, enfim, toda sorte de profissionais em atividades de alguma forma relacionadas com as possíveis razões e as prováveis consequências da tragédia têm sido convocados a expor seu pensamento diante de microfones e câmeras e ganham generoso espaço na mídia impressa.

, O Estado de S.Paulo

09 Abril 2011 | 00h00

Desde logo algumas explicações óbvias afloram, na tentativa de diagnosticar as causas do fenômeno. Parece haver consenso sobre pelo menos duas questões: uma seriam as deficiências no aparato de segurança, que podem ser debitadas tanto ao poder público, no âmbito geral, quanto à direção das unidades escolares, no que se refere ao controle do acesso de estranhos às suas instalações. A outra, certamente mais complexa e polêmica, seria a ausência ou insuficiência de controle sobre o comércio de armamento. "Precisamos desarmar a população", costumam bradar os governantes nessas ocasiões, como se apressou a fazer o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, que prometeu, é claro, providências enérgicas para tornar permanente a Campanha de Desarmamento e incentivar maior controle sobre a venda e o porte de armas.

Por outro lado, perquirem-se as causas psicológicas, psiquiátricas e psicossociais por detrás da violência urbana. O ataque em Realengo, segundo a opinião do sociólogo Michel Misse, da UFRJ, citado pelo diário carioca O Globo, "foge ao padrão da violência urbana" e "não é explicável pelos parâmetros geralmente usados para analisar eventos cotidianos de violência", pois "tem mais a ver com um quadro grave de perturbação mental", uma vez que "o assassino, provavelmente, já não distinguia a realidade da fantasia".

Todas essas considerações são pertinentes, devem ter de alguma forma contribuído para o desfecho trágico do ataque em Realengo e apontam problemas que de alguma maneira podem e devem ser enfrentados pelo poder público e pelos cidadãos para evitar sua repetição. Mas, sejam quais forem as causas imediatas dessa hecatombe humana, não pode haver dúvidas de que ela tem suas raízes mais profundas no fenômeno moderno da falência dos valores humanos em seu embate permanente com o pragmatismo da sociedade de consumo que o processo de globalização só tem feito acentuar. Nesse sentido, é tão ilustrativo quanto chocante o relato de Lucia Guimarães, correspondente do Estado em Nova York, publicado ontem neste jornal: ""Ninguém teve a ideia de fazer um bom videogame com um massacre escolar." A queixa é do mentecapto que atende pelo apelido Pawnstick e cuidou de preencher esta lacuna nos anais da glorificação escatológica." O absurdo videogame, "School Shooter" (Atirador Escolar) convida o jogador a reviver a experiência dos serial killers, ou seja, matar o maior número possível de estudantes. E é defendido sem nenhum constrangimento por seu criador, conforme registra o artigo: "É só um jogo e o objetivo é ser divertido".

Na direção oposta do cinismo do mentecapto criador de videogames, vai o depoimento da professora Telma Vinha, da Unicamp, publicado na mesma edição do Estado: "(...) a escola não é uma prisão. Ela deve ser um espaço para falar de conflitos, não para contê-los". E as escolas só serão realmente assim "quando forem mais generosas, acolhedoras e não pensarem na ética como um remédio punitivo, mas como vacina". Vale para a escola. Vale para uma sociedade doente, desumanizada. Vale para todos e cada um de nós.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.