Queda do dólar desafia superávit recorde

O saldo positivo da balança comercial atingiu US$ 3,9 bilhões em junho e o recorde de US$ 23,6 bilhões no primeiro semestre, tornando mais provável o superávit anual de US$ 50 bilhões previsto pelo Banco Central, por consultorias econômicas e pelas autoridades do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic). Dúvidas recentes quanto ao vulto e à tendência do saldo no médio e longo prazos decorrem da valorização do real, que desestimula as exportações, e dos efeitos sobre o comércio global da saída do Reino Unido da União Europeia, mais difíceis de avaliar.

O Estado de S. Paulo

08 Julho 2016 | 03h00

Junho foi apenas o terceiro melhor mês do ano para as exportações pelo critério de média por dia útil, de US$ 761 milhões, inferior em 9% à média diária de US$ 836 milhões em maio. As vendas dependeram de produtos semimanufaturados, como açúcar em bruto, ouro e óleo de soja em bruto.

Em relação a junho de 2015, caíram tanto as exportações de manufaturados (óleos combustíveis, motores, aviões, automóveis, autopeças, óxidos e hidróxidos de alumínio) como de produtos básicos (petróleo em bruto, café em grãos, soja em grãos e farelo, fumo em folha e minérios de ferro e de cobre). O aumento das exportações para México, Canadá, Comunidade Andina e Oceania não compensou a queda de vendas não só para a Ásia em geral (-22,1%) e a China em particular (-16,2%), como para os Estados Unidos, o Mercosul (para a Argentina a queda foi de 9,5%), União Europeia, África e Oriente Médio. Quedas menores foram registradas entre os primeiros semestres de 2015 e 2016, quando cresceram, por exemplo, as vendas para a China e o Japão.

O recuo das importações decorrente da recessão continua sendo o grande responsável pelo superávit. Mas, ao contrário das exportações, as importações reagiram em junho: a média por dia útil foi de US$ 580 milhões, 9,5% acima da de maio, de US$ 530 milhões. O maior aumento foi de bens de capital, ou seja, importou-se mais para investimento.

A desvalorização do dólar de 9,8% no segundo trimestre e de 21,3% no primeiro semestre pode ter efeito mais rápido sobre as importações, principalmente de itens de consumo. Sinal disso, as compras de alimentos e bebidas para consumo doméstico cresceram 19,8% entre junho de 2015 e junho de 2016.

As exportações reagem com mais atraso às oscilações cambiais. O Banco Central parece atento para o risco de valorização excessiva do real.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.