Reforço contra a corrupção

É pouco razoável se falar em ameaças à Lava Jato hoje, três anos após a deflagração da maior operação anticorrupção da história recente do País, sobretudo diante dos inéditos e significativos resultados alcançados

Impresso

12 Julho 2017 | 03h07

O desmembramento da equipe que compõe a força-tarefa da Polícia Federal (PF) no âmbito da Operação Lava Jato em Curitiba, anunciado na semana passada pelo diretor da instituição, Leandro Daiello, é mais um episódio que demonstra a influência que a chamada “pós-verdade” pode ter no debate público de temas relevantes da vida nacional. É oportuno lembrar que se define “pós-verdade” como a circunstância em que os fatos objetivos têm menos importância do que a emoção e as crenças pessoais na formação da opinião. No caso específico, o que se tratou de uma mera decisão operacional da direção da PF foi recebido por muita gente – inclusive por setores da imprensa – como uma ação deliberada para enfraquecer ou até mesmo acabar com a Lava Jato.

É pouco razoável se falar em ameaças à Lava Jato hoje, três anos após a deflagração da maior operação anticorrupção da história recente do País, sobretudo diante dos inéditos e significativos resultados alcançados. Diante dos olhos atônitos dos brasileiros, desvelou-se um sofisticado esquema de tomada e saque de órgãos e empresas do Estado para benefício privado de um grupo no poder e seu projeto político, além do enriquecimento ilícito de próceres e apaniguados dos partidos de maior expressão nacional. Algumas das mais altas autoridades da República foram investigadas, processadas e presas por crimes como corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa, os tais “crimes de colarinho branco” que raramente levavam seus autores às barras da Justiça, que dirá à cadeia. O mesmo aconteceu com empresários que em outros tempos integravam uma casta de intocáveis que parecia flutuar acima da lei, como se imune estivesse tão somente por sua condição econômica e pelas fecundas relações que estabeleceu com o Estado. Isto é um fato.

Mas não se pode dizer que a confusão seja incompreensível. A realidade política e institucional brasileira por vezes pode se apresentar tão mirabolante que os cidadãos têm dificuldade em receber algumas decisões de cunho meramente administrativo exatamente como elas são: decisões administrativas, atos comezinhos da função pública. Quando a monotonia da realidade parece ser de difícil compreensão, torna-se mais reconfortante o recurso à fantasia, um sismo que sem a devida intervenção de uma imprensa confiável e analítica pode propagar ondas conspiratórias sem fim.

Ao contrário do que apregoam os criativos roteiristas do caos, não só a Operação Lava Jato saiu reforçada da reorganização funcional empreendida pela direção da PF, mas a estrutura de combate à corrupção como um todo. Os delegados e agentes que se dedicavam exclusivamente aos trabalhos da força-tarefa em Curitiba agora passarão a atuar também em outros casos investigados pela Delegacia de Combate à Corrupção e Desvio de Verbas Públicas (Delecor). De fato, há muito o foco de investigação da Lava Jato não estava mais concentrado na capital paranaense, onde teve origem. Em nota, a direção da PF ressaltou que “as investigações decorrentes da Operação Lava Jato não se concentram somente em Curitiba, mas compreendem o Distrito Federal e outros dezesseis Estados”.

Houve os que, imbuídos de má-fé, atribuíram ao presidente Michel Temer o “desmonte” da Lava Jato a partir do desmembramento da força-tarefa de Curitiba. Ora, a criação da Delecor, especializada no combate à corrupção e desvio de dinheiro público, deu-se exatamente após a posse de Temer como presidente da República, em 2016. Com a reestruturação feita pela direção da PF, a equipe do delegado-chefe da Delecor, Igor Romário de Paula, passará a contar com 84 policiais, sendo 16 delegados. Destes, 4 são oriundos da força-tarefa da Lava Jato.

O fortalecimento da Delecor, com a transferência de policiais federais antes vinculados unicamente a uma só operação, é uma evidência de que o combate à corrupção e ao desvio de dinheiro público não deve ser objeto de uma operação específica, mas uma ação perene dos órgãos de investigação do Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.