Risco chinês na mineração

O investimento chinês em mineração no Brasil poderá ser um mau negócio para o País, alertam empresários do setor siderúrgico e dirigentes da Confederação Nacional da Indústria (CNI). De posse do minério, argumentam, grupos chineses poderão vendê-lo a preços especiais - e não de mercado - às siderúrgicas da China, aumentando seu poder de competição internacional e de ocupação também do mercado brasileiro. Seria mais uma distorção num sistema de preços pouco transparente, numa economia ainda muito sujeita à interferência governamental. A preocupação exibida por empresários dos setores do aço e da mineração acompanha o anúncio de negócios no valor de US$ 7 bilhões por investidores chineses.

, O Estado de S.Paulo

17 de agosto de 2010 | 00h00

A investida chinesa no agronegócio motivou reação semelhante. Companhias chinesas têm-se movimentado para comprar terras no Brasil, como já fizeram em vários países da África. A China é grande importadora de alimentos e de matérias-primas para a indústria. Conseguir acesso a recursos naturais é uma questão de segurança e parte da estratégia de longo prazo do governo de Pequim. Não se trata apenas de uma caça de oportunidades por empresas de mercado, mas de um assunto de Estado.

Justificam-se, pois, todas as dúvidas sobre como procederão as companhias chinesas e sobre o grau de interferência do poder público de seu país nas decisões de produção e comercialização.

O investimento estrangeiro é bem recebido no Brasil também para operar na mineração. Não há distinção entre empresas de capital nacional e empresas de capital externo constituídas legalmente no País, exceto para atuação em faixas de fronteira ou em terras indígenas, como lembra o Ministério de Minas e Energia. Também segundo o Ministério, o governo não estuda restrições a investimentos na mineração. Não há resposta simples, portanto, ao problema exposto por empresários dos setores de mineração e de siderurgia. Mas nem por isso se deve ignorá-lo.

Negociar reciprocidade com a China é uma resposta sugerida pelo presidente executivo do Instituto Aço Brasil, Marco Polo de Mello Lopes. O governo chinês impõe restrições ao investimento em mineração, argumenta, e seria justo igualar as condições. A ideia parece interessante, mas resta saber se a exploração de minérios na China e no Brasil envolve benefícios e interesses equivalentes.

Outra proposta é apresentada pelo vice-presidente da Federação das Indústrias de Minas Gerais, Marco Antônio Castello Branco, ex-presidente da Usiminas. Segundo ele, uma solução seria limitar o poder do investidor chinês, impondo-lhe participação minoritária em associação com um grupo brasileiro. Não poderia haver financiamento do BNDES e, além disso, seria obrigatória a compra de equipamentos de fornecedores locais.

A posição chinesa minoritária deveria limitar a influência do governo chinês. Mas, de fato, nem essa restrição seria garantida. O resultado dependeria, afinal, do interesse do investidor brasileiro.

Pelo artigo 176 da Constituição, não há como distinguir a empresa mineradora nacional da estrangeira, quando a companhia for constituída sob as leis nacionais e tenha sede e administração no Brasil. Nesse artigo não se leva em conta, no entanto, a diferença entre as empresas guiadas tipicamente por objetivos de mercado e aquelas subordinadas a interesses de Estado.

Na prática, essa distinção é crucial quando se trata do investimento chinês. Grupos tipicamente capitalistas compram ativos no Brasil e os passam adiante de acordo com estratégias voltadas para o mercado e vinculadas, portanto, à busca de ganhos privados. Podem até distorcer preços para atender a interesses de matrizes, mas isso ocorre ocasionalmente e é possível interferir nesse jogo. No caso de grupos chineses, toda a atuação será provavelmente orientada por estratégias de Estado. Além disso, qualquer interferência das autoridades brasileiras será técnica e politicamente mais complicada. O problema é real e o governo deveria dar-lhe mais atenção.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.