Sair do passado, ouvir o Brasil

Outros tempos.

WASHINGTON NOVAES, O Estado de S.Paulo

22 Novembro 2013 | 02h11

Na noite em que as tropas comandadas pelo general Olímpio Mourão Filho marchavam para depor o então presidente João Goulart, jornalistas aflitos, numa reunião informal em São Paulo, tentávamos saber notícias, só acessíveis num radinho de pilha. Que, entretanto, só as captava se sintonizado debaixo de uma mesa onde o autor destas linhas o empunhava e as retransmitia para Paulo Francis, Cláudio Abramo, Hideo Onaga, Tarso de Castro. Irado, Flávio Rangel, o diretor de teatro, recitava trechos de O Grande Ditador. O compositor Antônio Maria descascava na cozinha cebolas para uma sopa, porque isso lhe permitia disfarçar as lágrimas pela perda recente de um grande amor.

Nenhum de nós tinha ideia do que viria nos dias, anos, décadas à frente - e daquilo a que assistiríamos, perplexos, com a ditadura militar, prisões, perseguições, desaparecimentos, suspeitas de assassinatos de ex-presidentes, inclusive Jango. Depois disso tudo, é mais surpreendente ainda ler nos jornais e ver na televisão as homenagens prestadas em Brasília na chegada dos restos mortais do ex-presidente, exumados em São Borja, para serem submetidos a perícias que comprovem - ou não - a tese do assassinato: salva de tiros, comandantes militares batendo continência à passagem do cortejo, a presidente e dois ex-presidentes perfilados, parlamentares, um governador.

Tout lasse, tout casse, tout passe (tudo cansa, tudo se rompe, tudo passa) - costumava repetir, como na máxima francesa, o escritor Otto Lara Resende. É verdade, quase sempre. Mas a lentidão impressiona. Quem se interroga sobre os rumos desse Brasil de hoje se surpreende ao ver que, passadas décadas, grande parte das perguntas que fazíamos continua por aí presente.

Num artigo escrito há 25 anos no Jornal do Brasil (8/4/1988), quando morreu o extraordinário psicanalista e escritor Hélio Pellegrino (hoje nome de avenida em São Paulo), este escriba, referindo-se à "desmesurada capacidade de ouvir" do Hélio, "que o levava a abrir-se até mesmo aos que estavam na margem oposta, no campo contrário ou nos terrenos da extravagância, da inconsequência, da incongruência, sem um gesto de impaciência", um espírito como o dele "bem poderia agora inspirar uma grande sessão nacional de escuta em que, no vigor das convicções de cada um, nos dispuséssemos a ouvir o que os outros têm a dizer". Para romper o impasse. E o ponto de partida talvez fosse "admitir a existência do conflito, para em seguida tratá-lo, afastá-lo, se possível". Com isso "criando mais espaços políticos, econômicos, sociais, humanos", de modo a que "se possam exercitar todas as posições".

Por aí talvez fosse possível "ouvir o Brasil. O Brasil todo. Não apenas um pedaço dele, principalmente o Brasil da maioria dos 80 milhões de deserdados, hoje sem ouvidos que os ouçam" (agora se apregoa, por exemplo, que o número de miseráveis baixou para pouco mais de 10 milhões, como se, recebendo algumas dezenas de reais por mês, dezenas de milhões deles fossem ejetados do patamar inacreditável em que se encontram). Essa grande escuta nacional diria que precisamos começar por admitir a multiplicidade, "para escapar ao engano sobre o qual se assentam nossas políticas: a ilusão da unidade. São muitos países, muitos estratos, muitas culturas, muitas geografias, histórias diferentes". E são muito diversas em cada uma os efeitos das políticas nacionais.

Não estamos cansados de ouvir tantas teses de justiça social enquanto, na prática, vão em frente os princípios introjetados desde 2002 que davam seguimento às políticas conciliadoras discutidas com bancos e entidades financeiras globais e levaram à Carta ao Povo Brasileiro, traduzida depois nas políticas econômicas e financeiras de gestões seguintes? Enquanto ouvimos, não vai à prática também o velho modelo de tudo avaliar pelo crescimento ou recuo do produto interno bruto - um dos índices de avaliação possível, mas que não pode excluir índices sociais como saneamento básico, educação, saúde, renda per capita e índices de sua concentração - para só citar uns poucos?

Não vemos repetirem-se velhas teses enquanto o mundo enfrenta crises globais de escassez de recursos e consumo além da capacidade de reposição - com os países ricos consumindo quase 80% desses recursos? Não vemos a insustentabilidade de modelos energéticos baseados em combustíveis fósseis - com suas emissões (80% do total) levando a mudanças climáticas? Por que não temos uma estratégia que nos coloque em posição privilegiada, com a relativa abundância de recursos que temos (considerando, por exemplo, o índice de conservação ou perda de recursos naturais, como propõe a universidade da ONU)? Enquanto isso, o desmatamento na Amazônia volta a crescer 28%, as emissões de veículos agigantam-se, o Ministério do Meio Ambiente segue com orçamento ínfimo. Felizmente, na Convenção do Clima, nas últimas semanas, retornamos a posições mais adequadas (como as de Kyoto, 1997), propondo que todos os países assumam compromissos de reduzir suas emissões proporcionalmente ao que emitiram ao longo de mais um século, mais o que emitem hoje. Infelizmente, fomos derrotados pela aliança de China, Índia e outros com países "industrializados".

Como já se podia prever há 25 anos, "muitas coisas novas seriam ditas e ouvidas se perdêssemos certezas, ilusões e onipotências e nos dispuséssemos a escutar, como o Hélio". E se, "com humildade e respeito e altivez, conseguíssemos admitir que, sozinho, nenhum de nós dará um passo". O mundo mudou, diria o Otto. As crises de hoje exigem solidariedade no nível mais amplo - ou não superaremos os dramas do clima e da fome que atinge quase 1 bilhão de pessoas no mundo. E exigem que mudemos - todos. Não precisamos ficar debaixo da mesa ouvindo notícias longínquas. Nem precisamos seguir paralisados pelas fórmulas obsoletas das velhas políticas.

JORNALISTA

E-MAIL: WLRNOVAES@UOL.COM.BR

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.