Sinais de desaceleração

O comportamento do mercado de trabalho, no qual o governo fundamentou suas projeções otimistas - e desmentidas na prática - para o crescimento da economia em 2013, continua a justificar previsões oficiais igualmente otimistas para 2014. Dados recentes, porém, mostram que pode estar se esgotando o vigor desse mercado. Se, mesmo pujante em 2013, não foi suficiente para impulsionar mais a atividade econômica, parece pouco provável que, tendo perdido parte de seu dinamismo, o mercado de trabalho continue a manter a demanda interna em nível elevado, estimulando a produção, como espera o governo.

O Estado de S.Paulo

01 Fevereiro 2014 | 02h07

Os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) sobre desocupação e renda nas seis principais regiões metropolitanas continuam positivos. O desemprego médio de 2013 ficou em 5,4%, a menor taxa desde 2002, quando esses dados passaram a ser tabulados (a desocupação em dezembro, de 4,3%, também foi a menor taxa mensal desde o início da pesquisa). O resultado de 2013 é 0,1 ponto porcentual inferior ao de 2012 e 7 pontos porcentuais abaixo do resultado de 2003 (desemprego de 12,4%).

Igualmente positivos são os dados referentes ao número de trabalhadores com carteira assinada no setor privado, que, na média de 2013, passou da metade das pessoas ocupadas (50,3%), fato que ocorre pela primeira vez desde que a pesquisa começou a ser feita. Também importante indicador da evolução das relações de trabalho é o crescimento do porcentual de trabalhadores que contribuem para a Previdência. No ano passado, 74,4% das pessoas ocupadas eram contribuintes da Previdência, índice bem superior ao verificado em 2003 (61,2%).

Mas importantes indicadores mostram desaceleração e alguns começam a piorar. O crescimento do número de trabalhadores com carteira assinada no ano passado, de 3%, foi o menor desde 2009. Também a variação da população desocupada (queda de 1,5% em relação a 2012) foi a pior desde 2009. Já a população ocupada em dezembro do ano passado foi 0,5% menor do que a constatada em dezembro de 2012. O rendimento real médio continua a crescer (aumentou 1,8% no ano passado), mas a um ritmo menos intenso (o crescimento de 2013 foi o menor desde 2005).

A pesquisa do IBGE mostra a persistência do processo de encolhimento do mercado de trabalho na indústria. Em 2013, do total de ocupados no País, o setor manufatureiro empregava 15,8%, índice inferior aos de 2012 (16,1%) e de 2003 (17,6% do total). Vem crescendo, em contrapartida, a fatia dos empregos na área de serviços prestados às empresas, atividades imobiliárias, intermediação financeira e outros serviços.

Essas mudanças no comportamento do mercado de trabalho não foram suficientes para reduzir o peso que o governo atribui a ele em suas previsões para 2014. E, para ampliar os fundamentos de suas projeções, o governo lança mão de dados externos. Além da evolução do emprego e da renda média dos trabalhadores, o governo aponta, como fatores que impulsionarão a economia brasileira, alguns sinais positivos que vislumbra no exterior. Mas ignora as rápidas transformações que já ameaçam as economias emergentes.

As novas projeções para o crescimento mundial são citadas pelos economistas do governo para explicar seu otimismo. Com base na recuperação da atividade produtiva e da evolução do comércio internacional no segundo semestre do ano passado, o Fundo Monetário Internacional prevê que a economia mundial crescerá 3,7% em 2014 e 3,9% em 2015.

O Brasil seria muito beneficiado pela reativação da economia mundial. Mas, ao aquecimento da produção no exterior e à maior expansão do comércio internacional, agora se junta o crescente temor dos investidores internacionais com relação à estabilidade das economias emergentes.

No caso brasileiro, o temor vem se acentuando por causa da persistência da inflação, das expectativas pessimistas do empresariado - que não acredita nas projeções do governo - e, mais recentemente, do temor de contaminação da economia brasileira pela crise argentina.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.