Sob o império da lei

As decisões tomadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF) na quinta-feira passada têm o claro efeito de opor dificuldades à tramitação do impeachment da presidente da República. A notícia foi recebida com regozijo por um governo impopular e com tristeza pela maioria dos brasileiros, que querem ver Dilma Rousseff pelas costas. Mas, em respeito ao Estado de Direito, impõe-se acatar o que foi decidido. Ceder à tentação de acusar a Suprema Corte de ter-se deixado levar por motivação política equivaleria a adotar a mesma reprovável postura dos petistas que, no julgamento do mensalão, rejeitaram a condenação de seus correligionários promovidos a “guerreiros do povo brasileiro”, porque teriam sido sentenciados “sem provas”. Verdadeiros democratas aprendem a lutar por seus direitos e convicções nos limites estritos da lei, o que não elide a possibilidade de mudar a lei.

O Estado de S.Paulo

22 Dezembro 2015 | 02h55

Por outro lado, é tentador o apelo a teorias conspirativas, mas também elas não contribuem para o saudável dissenso que é indispensável à dinâmica e à construção dos avanços de uma sociedade livre. Ademais, a sessão de quinta-feira do STF demonstra que teorias conspirativas baseadas no retrospecto de comportamentos individuais – no caso, dos ministros – correm alto risco de se revelarem completamente infundadas.

As repercussões das decisões da Suprema Corte nos círculos jurídicos têm levantado ampla controvérsia sobre a possibilidade de os ministros togados terem em alguma medida avançado sobre área de competência exclusiva dos congressistas, ao definirem em pormenores o rito do processo de impeachment. Por exemplo, o tipo de votação, aberta ou secreta, para a formação das comissões que, primeiro na Câmara e posteriormente, se for o caso, também no Senado, devem decidir sobre a admissibilidade do processo de impeachment.

O que importa, de todo modo, é que do desfecho do processo de impeachment de Dilma Rousseff, a ser alcançado na área estritamente política, depende a superação do impasse que mantém o governo paralisado, agravando a crise econômica. É hora, portanto, de olhar para a frente. O destino de Dilma Rousseff continua dependendo, exclusivamente, dos deputados e senadores que o povo brasileiro elegeu para serem os intérpretes de seus anseios.

E depois que a Suprema Corte, a partir de ação motivada pelo caso específico contra Dilma Rousseff, convalidou todo o rito do procedimento do impeachment, ninguém mais – principalmente os governistas – poderá alegar que o recurso a esse preceito constitucional equivale a um “golpe” urdido pelos “inimigos da democracia”, com o objetivo nefasto de promover o “terceiro turno” das eleições presidenciais de 2014.

Há um consenso nacional de que é indispensável pacificar urgentemente o campo político e que duas questões vitais precisam ser resolvidas: o impeachment de Dilma e a controvérsia criada na Câmara pela delicada situação de seu presidente, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Diante disso, torna-se inevitável indagar a razão pela qual, diante de uma preciosa oportunidade de avançar significativamente na questão, o ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato, adiou para depois do recesso do Judiciário a apreciação do pedido de suspensão do mandato de Eduardo Cunha feito pela Procuradoria-Geral da República. É inegável que o tempo antes do início do recesso era curto, mas a enorme relevância do assunto exigia um tour de force do STF ou, no mínimo, uma decisão liminar monocrática.

O resultado prático da decisão protelatória do ministro Teori Zavascki foi que Eduardo Cunha garantiu mais dois meses de mandato e Dilma, o mesmo tempo para continuar se escondendo atrás dele, que é provavelmente seu maior inimigo político, mas também – pelas artes da política – seu melhor trunfo para escapar do impeachment.

Dois meses podem ser tempo demais para instituições que esgotam rapidamente as suas reservas de decência.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.