Somos cordiais, somos selvagens

Ao contrário do que se pode pensar, “cordial”, no Brasil, não tem a conotação de simpatia, acolhimento ou solidariedade. Representa nossa dificuldade em forjar regras e instituições e nossa relutância em separar interesse públicos de conveniências privadas

Luís Eduardo Assis*, O Estado de S.Paulo

23 Janeiro 2017 | 05h00

Comemoraram-se – pouco – no ano passado os 80 anos da publicação de Raízes do Brasil, de Sergio Buarque de Holanda. Foi neste livro que o autor, um dos maiores pensadores brasileiros do século 20, introduziu a ideia do brasileiro como um homem “cordial”. Ao contrário do que se pode pensar, “cordial”, aqui, não tem a conotação de simpatia, acolhimento ou solidariedade. Representa, antes, nossa inclinação para rejeitar relações impessoais, nossa dificuldade em forjar regras e instituições, nossa relutância em separar interesse públicos de conveniências privadas.

Em artigo recente no Financial Times (A Brazilian bribery machine, 28/12/2016), Joe Leahy mostra em detalhes como Marcelo Odebrecht transformou uma grande empreiteira numa fantástica operação cuja atividade principal gravitava em torno de práticas criminosas. Eis, aqui, um homem “cordial”.

Nossa cordialidade também não nos faz generosos. A Charities Aid Foundation publica anualmente uma pesquisa que compara práticas de solidariedade social entre 140 países. A síntese deste trabalho é o cálculo de um “índice de generosidade” baseado em três medidas: doação de dinheiro, disposição de ajudar pessoas estranhas e tempo dedicado para trabalhos voluntários. O Brasil não está bem na foto. Na última enquete, de 2015, ficamos em 68.º lugar na classificação geral. Note-se que este ranking de generosidade guarda pequena relação com a renda per capita de cada país. Entre os dez países mais generosos há países ricos, como Estados Unidos, Austrália, Nova Zelândia, Reino Unido e Irlanda. Mas deste grupo também fazem parte Birmânia (o grande campeão, pelo segundo ano consecutivo), Sri Lanka e Indonésia. Os economistas muitas vezes fazem uso do índice de Spearman para medir a correlação ordinal entre duas séries (quanto mais próximo de 1 o valor do índice, maior a correlação). No caso entre o índice de generosidade e a renda per capita, a correlação é muito baixa, de apenas 0,267.

Não somos generosos e somos violentos. Dados do Banco Mundial indicam que o índice de homicídios no Brasil alcança 24,6 para cada 100 mil habitantes. Para um conjunto de 68 países, estamos na 64.ª posição. Mais violentos que o Brasil, apenas Colômbia, El Salvador, Guatemala e Honduras. Neste caso, há uma clara correlação com a renda. Países mais ricos tendem a ser menos violentos. A renda per capita média dos dez países menos violentos é de US$ 41,67 mil, contra apenas US$ 11,28 mil na média dos dez países com maior taxa de homicídio. A correlação ordinal entre renda e homicídio é relativamente alta: 0,67.

Crescimento econômico. Mais que pesquisas e índices de correlação, as cenas de selvageria e os massacres nos presídios brasileiros estão a demonstrar que fracassamos na construção de uma sociedade justa e fraterna. O crescimento econômico não é a chave para a resolução de todos os males, mas as coisas ficam ainda mais difíceis quando empobrecemos. A recessão deve acabar em 2017, mas não está no radar a volta de altos índices de crescimento. A retomada será gradual e dolorosa. O desemprego vai ainda subir. Pelas estimativas do mercado, chegaremos a 2020 com uma renda per capita menor que a de 2010.

Uma década caminhando para trás certamente não contribuirá para enfrentarmos as mazelas de uma sociedade marcada pela violência e pela falta de solidariedade. O governo pode fazer sua parte avançando, como for possível, nas reformas econômicas. Mas, se quisermos construir uma sociedade próspera e mais solidária, teremos de deixar nossa cordialidade para trás.

*Economista, foi diretor de Política Monetária do Banco Central e professor da PUC-SP e da FGV

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.