Sustos encomendados

O fim de ano pode ser próspero... em sustos. Após vários meses de alívio, a aparente calma na economia global será testada. Depois das eleições americanas de hoje, estaremos caminhando nos EUA para o abismo fiscal e o teto da dívida, a menos que haja um acordo rápido entre democratas e republicanos (não parece). Na Europa, dúvidas sobre o fim do euro podem voltar se a Espanha continuar evitando pedir auxílio, impedindo o Banco Central Europeu (BCE) de intervir comprando os títulos "tóxicos" soberanos, ou se a Grécia não conseguir renovar o seu programa de ajuste.

Ilan Goldfajn,

06 Novembro 2012 | 02h06

A saga continua na economia mundial. Desde a crise de 2007/8, a necessidade de ajuste fiscal ronda os países desenvolvidos. Ajustes difíceis, muitas vezes recessivos, são as opções disponíveis. Políticos tentam evitar o inevitável. Eleitores trocam ou não de líderes, mas a dura realidade permanece.

Nos EUA, diversos incentivos fiscais do passado - cortes de impostos, benefícios de bem-estar social - terminam até 31 de dezembro deste ano. E novos cortes de gastos serão ativados automaticamente no ano que vem se não houver acordo político. Juntos, esses ajustes fiscais equivalem a um impacto de 3,7% do produto interno bruto (PIB) e têm potencial de provocar uma recessão nos EUA e no mundo, por consequência. Se há um bom acordo e apenas um terço das medidas não são renovadas (com contração fiscal equivalente a 1,2% do PIB), estimamos que o crescimento do PIB nos EUA caia para 1,8% (sem contar o impacto do furacão Sandy, que pode alterar essa previsão). No pior caso, se todo o abismo fiscal se materializar, os EUA podem voltar à recessão, com o PIB se contraindo 0,3% no ano que vem.

O ideal é fazer o ajuste fiscal para reduzir o déficit nos EUA ao longo da(s) próxima(s) década(s). Parte desses estímulos deve de fato ser prorrogada. Mas republicanos e democratas têm programas fiscais diferentes e pouco incentivo para ceder rápido. Há sinais de que os democratas vão querer endurecer na negociação, prevendo que a culpa do impasse recaia sobre os republicanos, que serão forçados a aceitar um ajuste baseado em mais impostos e menos cortes de gastos.

Vários estimam que as negociações após as eleições se arrastem pelo menos até fevereiro ou março do ano que vem. É quando outra negociação deve precisar ser feita: o aumento do limite do teto da dívida americana. Sem o aumento o Tesouro americano não poderá emitir títulos e será forçado a parar de gastar, paralisando o governo. Paul Krugman, Prêmio Nobel de Economia e colunista do jornal The New York Times (NYT), considerado democrata "de carteirinha", acha que endurecer a negociação é a estratégia ideal para os democratas: afinal, o abismo fiscal é apenas um "declive fiscal", dá para aguentar. Para o resto de nós, é bom ter em mente que quanto mais longo o impasse, maior será o susto para a economia global neste fim de ano.

Na Europa, quando há um tempo a gastar, ele é totalmente utilizado. Os políticos europeus parecem sempre reagir à piora, dificilmente se antecipando a ela. Esse tem sido o padrão usual nesta crise, que novamente se repete: sem piora a Espanha prefere esperar, enquanto os líderes europeus progridem pouco em direção à maior integração financeira e fiscal.

Aparentemente, a Espanha só pedirá assistência do fundo de crise, conhecido como Mecanismo de Estabilização Europeu (ESM, na sigla em inglês), se o preço dos seus títulos voltar a cair muito e a dificuldade de emitir títulos retornar. Sem a ajuda do ESM o BCE não poderá comprar títulos espanhóis - por meio do programa de Transações Monetárias Diretas, já anunciado.

Em termos de integração, os líderes progrediram pouco na última cúpula da União Europeia. Eles concordaram num calendário que avança a união bancária na zona do euro, mas recuaram no compromisso de recapitalização direta dos bancos, que agora só vale para problemas bancários futuros, deixando todo o legado passado a continuar sendo um entrave.

Na Grécia a situação permanece delicada. Credores oficiais aceitam que o país precisa de mais tempo para se ajustar. A dívida grega, no entanto, outra vez se tornou claramente insustentável. O Fundo Monetário Internacional (FMI) reconhece isso e pressiona governos a aceitarem alguma forma de redução da dívida. Mas autoridades europeias consideram isso politicamente inaceitável, ao menos por enquanto.

A relutância da Espanha em pedir ajuda, o suspense na Grécia e a dificuldade de avançar para maior integração na região do euro criam incertezas e pioram a perspectiva para a economia. Essa situação pode gerar um susto no mercado no fim do ano.

Para o Brasil é preferível um fim de ano sem sustos globais. Afinal, o ritmo da retomada da economia brasileira ainda é incerto. Após um terceiro trimestre mais forte (crescimento anualizado em torno de 4,5%), há dúvidas quanto ao ritmo de crescimento neste último trimestre do ano. Os estímulos do governo contribuíram para a retomada, mas é necessário que o seu impacto se difunda pelo restante da economia. Em última instância, a retomada sustentável vai depender do comportamento do investimento, que decresceu nos últimos trimestres e ainda não mostra sinais de recuperação, apesar de certa melhora na confiança do empresário. O ritmo de crescimento mais forte neste fim de ano será essencial para ajudar a manter a confiança em alta e a retomada da economia em 2013.

Seria ótimo um fim de ano sem maiores turbulências, dando sequência aos meses de relativa calmaria no mundo. Prever isso me daria tranquilidade. Mas não há como ignorar que, diante de opções ruins e negociações muito difíceis, os líderes na Europa e nos EUA venham a usar um pouco além do tempo que têm disponível. Para o resto de nós, esse tempo extra poderá significar novos sustos globais no fim deste ano.

* ECONOMISTA-CHEFE DO ITAÚ UNIBANCO E SÓCIO DO ITAÚ BBA

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.