Temer apresenta-se ao G-20

O presidente Michel Temer deu cara e nome a um vago “Brazilian leader” indicado numa lista de participantes da reunião do Grupo dos 20 (G-20) em Hangzhou, na China

O Estado de S. Paulo

06 Setembro 2016 | 03h19

O presidente Michel Temer deu cara e nome a um vago “Brazilian leader” indicado numa lista de participantes da reunião do Grupo dos 20 (G-20) em Hangzhou, na China. A lista havia sido publicada pelo ministério chinês de Relações Exteriores em 28 de agosto, três dias antes da conclusão, em Brasília, do processo de impeachment de Dilma Rousseff. A relação começava com o presidente argentino, Mauricio Macri, continuava com o “leader” brasileiro sem nome, seguia com o presidente francês, François Hollande, e assim por diante. Numa coleção de fotos no site da reunião, na internet, ainda aparecia a ex-presidente brasileira, sentada ao lado do primeiro-ministro da Austrália, na conferência de cúpula de novembro, na Turquia. Para o Brasil, o resultado principal do encontro na China foi a boa recepção ao novo presidente pelos governantes das principais potências e das grandes instituições multilaterais.

O encontro foi relevante para o País, em segundo lugar, porque o presidente e os ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e de Relações Exteriores, José Serra, puderam falar sobre os planos de recuperação econômica e sobre a posição brasileira diante dos desafios do comércio internacional. Foi uma oportunidade, enfim, para um recado sobre a normalização interna e sobre os novos padrões de ação diplomática, sem as travas do terceiro-mundismo característico da gestão petista.

A apresentação do novo governo brasileiro à comunidade internacional foi o único evento fora dos padrões habituais das cúpulas do G-20. Como sempre, o encontro de governantes das maiores economias serviu para encontros bilaterais e para o costumeiro jogo de pressões fora das sessões plenárias. Representantes da União Europeia pressionaram autoridades chinesas para diminuir a produção de aço e atenuar o excesso global de oferta. Autoridades de vários países cobraram do governo do Reino Unido um Brexit – saída da União Europeia – sem maiores traumas. O presidente François Hollande, especialmente explícito, cobrou rapidez na negociação de saída, para abreviar as incertezas.

O presidente americano, Barack Obama, e o russo, Vladimir Putin, discutiram a situação na Síria, mas sem anunciar qualquer novo entendimento sobre o assunto. O conflito na Síria foi também assunto de conversa entre Putin e o colega turco Recep Erdogan. A reunião serviu ainda para o anúncio de medidas positivas, como a adoção formal, nos Estados Unidos e na China, dos compromissos ambientais assumidos em Paris.

Também como ocorre habitualmente, o comunicado final encampou grandes temas das conversas laterais. O texto menciona a oferta excessiva de aço, mas a cobrança da solução é dirigida à comunidade internacional. Pedem-se providências a todos para reforçar o crescimento econômico mundial, considerado insuficiente. Insiste-se na adoção de estímulos fiscais à dinamização econômica, em mensagem dirigida, naturalmente, a governos com folga orçamentária. Não se deve depender quase exclusivamente, como até agora, de incentivos baseados no afrouxamento monetário. Reafirma-se o compromisso geral de evitar manobras cambiais para ganhar poder de competição no comércio. Aponta-se o Brexit como um fator de incerteza e de risco. Menciona-se, como em outros comunicados, o perigo de instabilidade financeira.

Alguns alertas são novos, assim como algumas cobranças. Há cerca de um ano se vem reconhecendo, em vários foros internacionais, o esgotamento da política monetária como fator de estímulo à recuperação da economia internacional. Isso reforça o apelo aos governos por medidas fiscais mais fortes para fortalecer o crescimento. Como ocorre há muito tempo, a cobrança exclui o Brasil, porque o estado desastroso de suas contas públicas é reconhecido globalmente. Não por acaso a diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional, Christine Lagarde, disse esperar do governo Temer, além da cooperação com os demais países, “a busca de reformas indispensáveis ao País”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.