Terapia de curto alcance

Diante da recuperação ainda lenta da economia brasileira, o governo decidiu prolongar a terapia usada até agora e destinada principalmente a estimular o consumo, como se a retração do mercado interno fosse o maior entrave ao crescimento. Como se previa, a notícia foi recebida com aplausos por alguns setores da indústria e do comércio varejista, já beneficiados pelo corte de impostos. Também foram prorrogados incentivos fiscais e de crédito ao setor de máquinas e equipamentos e à construção de residências. No mesmo dia, os juros básicos foram cortados pela nona vez consecutiva, agora de 8% para 7,5% ao ano, pelo Comitê de Política Monetária do Banco Central. De modo geral, as autoridades anunciaram o famigerado "mais do mesmo". Nenhuma figura do primeiro escalão parece ter perguntado, nos últimos dias, por que esse conjunto de medidas produziu até agora efeitos tão modestos para o conjunto da produção industrial.

O Estado de S.Paulo

31 Agosto 2012 | 03h13

Não houve surpresa na prorrogação dos benefícios fiscais. A opinião pública só hoje vai conhecer os números globais do segundo trimestre, com a divulgação das novas estimativas do Produto Interno Bruto (PIB), mas os dados já disponíveis indicam um nível geral de produção ainda baixo. O pior desempenho tem sido o da indústria de transformação. No mês passado, segundo informou ontem a Fiesp, o nível de atividade da indústria paulista foi 0,3% superior ao de junho, com ajuste sazonal, mas 5,2% inferior ao de julho do ano passado. De janeiro a julho, foi 6,4% mais baixo que o de igual período de 2011.

A manutenção dos incentivos era esperada, também, por causa da conhecida inclinação do governo para atender aos reclamos da indústria automobilística, um dos segmentos mais beneficiados pelo corte do IPI e pelo protecionismo comercial. A maior parte do setor manufatureiro, no entanto, continua em marcha lenta.

O governo tem-se mostrado disposto, no entanto, a incluir algo novo no receituário. O anunciado plano de investimentos em transportes, com participação do setor privado, é promissor, mas falta cuidar do processo de concessões e de parcerias. O Executivo federal tem tropeçado com frequência nas licitações e na administração de projetos.

Outra novidade potencialmente importante é a promessa de redução de encargos sobre a conta de eletricidade. Se confirmada, a iniciativa será boa tanto para os consumidores residenciais como para as indústrias e, portanto, para o crescimento econômico. A energia elétrica é um insumo absurdamente caro no Brasil. O País dispõe de abundantes fontes de geração, mas a oferta cresce lentamente, porque o investimento é emperrado, e, além disso, a conta é onerada por impostos pesados e taxas injustificáveis.

As duas promessas - de mais ação na política de transportes e de barateamento da eletricidade - indicam a disposição do governo de cuidar de questões estruturais e importantes para o crescimento no longo prazo. Também o repertório das autoridades começa a mudar. Durante reunião do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, ontem, a presidente Dilma Rousseff indicou a preocupação com ações de alcance mais que conjuntural. Foi além disso e tocou no desafio da competitividade. Até há pouco tempo, esse tema era quase ignorado em Brasília, sendo lembrado quase exclusivamente quando se falava sobre a indesejável valorização do real e sobre os juros internos muito altos.

A atenção deslocou-se lentamente para fatores estruturais de competitividade, como os encargos sobre a folha de salários, as deficiências logísticas e o custo da eletricidade, uma lista ainda curta. Implantar estratégias de longo alcance, no entanto, é mais complicado, politicamente, do que oferecer benefícios fiscais restritos e ampliar a oferta de crédito, principalmente para o consumo. Mas essa política fácil é duplamente limitada - por seus efeitos, de curto alcance, e por suas consequências orçamentárias. A presidente parece estar descobrindo a urgência de ampliar o arsenal da política econômica. É esta, por enquanto, a novidade mais importante.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.