Uma boa chance perdida

A mais recente derrapada verbal do ministro Joaquim Levy, na qual manifestou a opinião de que a presidente Dilma Rousseff é bem-intencionada, mas nem sempre "da maneira mais efetiva", é, em si, irrelevante, mas as repercussões que teve sugerem algumas conclusões a respeito do caótico impasse político em que o governo está mergulhado. A primeira delas é a de que Dilma perdeu a excelente oportunidade de aproveitar a deixa involuntariamente oferecida por seu ministro para obter aquilo que nem mesmo todo o seu aparato publicitário tem conseguido: aparecer bem na foto.

O Estado de S.Paulo

31 Março 2015 | 02h04

Talvez mais do que os erros que vem cometendo, o que tem contribuído decisivamente para a queda vertiginosa da popularidade e da credibilidade da presidente da República é sua absoluta incapacidade de admitir as próprias falhas. Dilma parece movida por uma soberba muito semelhante à que acomete personagens que tiveram histórico de vida igual ao dela. Tendo, na juventude, colocado a própria vida em risco na luta contra a ditadura militar - que queria substituir pela ditadura do proletariado -, esses personagens se sentem agora ungidos pelo dom da verdade e credores da fidelidade cega de seus compatriotas, por quem no passado teriam se sacrificado.

Fosse diferente, em vez de mandar Aloizio Mercadante dizer a Levy que ficara "indignada" e "irritada" com seu depoimento, Dilma poderia perfeitamente tomar a iniciativa de fazer uma autocrítica, reconhecendo que o ministro da Fazenda apenas dissera o óbvio. Afinal, ninguém é perfeito, nem mesmo a presidente da República - e o que lhe cumpre é se esforçar para errar o mínimo possível.

Refeitos da surpresa, os repórteres se apressariam em anunciar aos quatro ventos que Dilma decidira afinal calçar as sandálias da humildade. E estaria dando o primeiro passo, quem sabe, para a construção da nova imagem de uma chefe de governo até aqui considerada, principalmente por seus subordinados, intolerante e arrogante.

Chama a atenção também a enorme discrepância entre as versões recolhidas e publicadas pelos jornalistas junto a fontes palacianas a respeito desse episódio. Após a divulgação, no sábado, das declarações de Levy em palestra fechada realizada em São Paulo na terça-feira da semana passada, nem o Palácio do Planalto nem o Ministério da Fazenda se manifestaram oficialmente.

Mas o Estado obteve de fontes palacianas a informação, publicada na edição de segunda-feira, de que o ministro-chefe da Casa Civil, Aloizio Mercadante, fora encarregado por Dilma de conversar com Joaquim Levy sobre o assunto e que a presidente estava muito "indignada" e "irritada" com o episódio. Ou seja: coube ao chefe da Casa Civil a relevante e delicada missão de transmitir ao ministro da Fazenda a bronca da chefe. Já de acordo com o jornal Valor, em matéria publicada também na segunda-feira, fontes palacianas informaram que a Presidência e o Ministério da Fazenda estão trabalhando para minimizar a repercussão do episódio, sem nenhuma menção a indignação ou irritação.

O ministro Joaquim Levy, por sua vez, logo após a divulgação de suas declarações, no sábado, distribuiu a íntegra do controvertido trecho de sua fala para demonstrar que a referência à falta de efetividade de Dilma como presidente fora mal interpretada porque "extraída do contexto" em que havia sido colocada.

Como era de esperar, a controvérsia foi explorada pela oposição e também pela ala do PT que resiste às medidas de ajuste fiscal propostas pelo ministro da Fazenda. Resta agora a expectativa do primeiro contato de Dilma com jornalistas quando, informa-se, ela voltará ao assunto. A presidente deverá, então, ter em mente que prolongar essa questão poderá deixá-la em posição pouco confortável, porque uma palavra mal colocada certamente dificultará ainda mais a aprovação do ajuste fiscal pelo Congresso. E ela não é habilidosa com palavras.

Finalmente, é preciso aceitar que mais esse episódio de ruído na comunicação entre a presidente da República e seu ministro da Fazenda, com toda certeza, não será o último. Para evitar impropriedades e mal-entendidos é necessário que os membros do governo tenham algum traquejo político. Algo que não se pode cobrar de Joaquim Levy. E muito menos esperar de quem tenha o temperamento e o perfil autoritário de Dilma Rousseff.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.