Uma eleição, dois vencedores

São raros os líderes mundiais que hoje têm de administrar um “problema” como o que paira sobre a mesa da chanceler Angela Merkel

O Estado de S.Paulo

26 Setembro 2017 | 03h05

São raros os líderes mundiais que hoje têm de administrar um “problema” como o que paira sobre a mesa da chanceler Angela Merkel. A Alemanha registrou superávit fiscal em conta corrente de € 263 bilhões no ano passado, aproximadamente 8,5% do PIB, e saldo orçamentário nas contas públicas de € 24 bilhões apenas no primeiro semestre deste ano, o maior desde a reunificação do país, em 1990. Com números tão vistosos e situação de quase pleno-emprego, o governo precisa decidir entre o corte de impostos e o aumento dos gastos públicos.

Com as contas da Alemanha bem administradas, era previsível a recondução da chanceler Angela Merkel para o seu 4.º mandato à frente da maior economia europeia. Entretanto, o que poderia ter sido um triunfo acachapante na eleição de domingo passado foi ofuscado pela ascensão da extrema direita ao Bundestag, a Câmara dos Deputados, pela primeira vez desde o final da 2.ª Guerra.

A União Democrata-Cristã (CDU), partido de Angela Merkel, saiu do pleito com 32,9% dos votos, porcentual suficiente para dar-lhe a vitória, mas 8,6% menor do que o obtido nas eleições de 2013 e o pior desempenho eleitoral da legenda desde 1949.

Com 20,6% dos votos, o Partido Social-Democrata (SPD), que compõe a coalização centrista com a CDU, também obteve um resultado 5,1% menor do que o registrado nas últimas eleições.

Tão marcante como a vitória da CDU e a recondução de Merkel para mais um mandato, tida como certa, foi a substancial ascensão da Alternativa para a Alemanha (AfD), movimento nacionalista criado há pouco mais de quatro anos. A AfD quase triplicou seu desempenho eleitoral em relação ao pleito de 2013, saltando de 4,7% dos votos naquele ano para 13% na eleição de domingo.

O desempenho da AfD pode dar novo alento aos partidos nacionalistas europeus, como a Frente Nacional da francesa Marine Le Pen, que também obteve uma votação expressiva nas eleições de maio, quando recebeu cerca de 35% dos votos, ante os 65% dados ao presidente Emmanuel Macron.

Como líder do partido com o maior número de votos, a chanceler Angela Merkel deverá formar o novo governo e, assim, poderá igualar os 16 anos de poder de seu mentor político, o ex-chanceler Helmut Kohl. Não será uma tarefa fácil. Além da ascensão da AfD ao Parlamento, Merkel terá de lidar com a defecção do SPD, antigo aliado na coalizão que governa o país desde 2005. Martin Schulz, o líder social-democrata, declarou que irá migrar para a oposição.

Resta a Angela Merkel tentar compor uma heterogênea aliança entre a CDU, o Partido Verde, de centro-esquerda, e o Partido Liberal-Democrático (FPD), que trará à mesa de negociação para a formação do novo governo um pacote de profundas divergências.

“Naturalmente, esperávamos um resultado melhor. Mas nós temos a tarefa de formar um novo governo e contra nós nenhum governo poderá ser formado”, discursou Merkel na sede de seu partido, em Berlim, pouco após o anúncio do resultado das eleições.

O discurso um tanto resignado da vencedora contrasta com a confiança demonstrada por Alice Weidel, vice-líder da AfD. “Estaremos em condições de governar em 2022. Queremos agradecer aos milhões de eleitores que nos confiaram a missão de uma oposição construtiva”, disse.

O sucesso eleitoral da AfD, formada como um movimento antieuro em 2013, está fortemente amparado pela enérgica crítica que o partido fez durante a campanha à política de abertura da Alemanha aos refugiados da África e do Oriente Médio encampada pelo governo de Angela Merkel. A Alemanha é o país europeu que mais acolheu refugiados de guerra e de crises econômicas. “Se a Europa fracassar na questão dos refugiados, sua estreita relação com os direitos civis universais estará destruída”, defende a chanceler.

A vitória de domingo coloca sobre os ombros de Merkel o desafio de constituir não só o novo governo alemão, mas o de reforçar o seu papel como líder do chamado mundo livre.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.