Uma provocação bem-sucedida

Se Dilma Rousseff, assessorada pelo notório Marco Aurélio Garcia, entende que a ida de uma comitiva de senadores brasileiros comandada por Aécio Neves (PSDB-MG) à Venezuela foi “uma provocação”, está absolutamente certa. Foi uma provocação que alcançou plenamente o duplo objetivo de expor o caráter antidemocrático e truculento do regime chavista e a tibieza cúmplice do governo brasileiro diante dos atentados à liberdade reiteradamente cometidos por Nicolás Maduro, presidente do país “aliado” que o lulopetismo ajudou a contrabandear para dentro do Mercosul.

O Estado de S. Paulo

20 Junho 2015 | 03h00

Esquece-se a presidente que, por fazer parte da união aduaneira regida por uma cláusula democrática, o comportamento interno do governo venezuelano afeta diretamente os superiores interesses do Brasil.

A iniciativa do grupo de parlamentares oposicionistas surgiu no momento em que as atenções da comunidade internacional se voltam para a Venezuela, onde o governo tenta controlar por meio de repressão frequentemente violenta as manifestações de protesto da oposição institucional e da população em geral contra o caos econômico decorrente do delirante “bolivarianismo” imposto ao país pelo regime chavista. A intenção anunciada pelo grupo brasileiro era exatamente a de visitar opositores venezuelanos encarcerados por razões políticas.

Dias atrás esteve em Caracas o ex-primeiro-ministro espanhol, o socialista Felipe González, cuja posição serenamente crítica ao governo de Maduro teve ampla repercussão na mídia internacional. Nos próximos dias a Venezuela deve ser visitada por uma missão oficial da União Europeia. Por outro lado, à sombra do governo petista promoveu-se a ida a Caracas, simultaneamente à visita da comissão de senadores, de um grupo de brasileiros simpatizantes do “bolivarianismo”, liderado, à falta de alguém com maior expressão política, pelo escritor Fernando Morais. Esse grupo não esbarrou em nenhum tipo de dificuldade para cumprir sua missão chapa-branca.

O constrangimento do governo brasileiro diante da falta de cerimônia com que os parceiros de Caracas sabotaram a visita dos senadores – entre eles Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado – se refletiu na nota oficial em que o Itamaraty registrou protocolarmente lamentar “os incidentes”. Não restava alternativa à Chancelaria, uma vez que o grupo de senadores viajava em missão oficial. Assim, depois de relatar todas as providências de natureza diplomática adotadas em relação ao episódio, informa a nota: “À luz das tradicionais relações de amizade entre os dois países, o governo brasileiro solicitará ao governo venezuelano, pelos canais diplomáticos, os devidos esclarecimentos sobre o ocorrido”. Mas só no dia seguinte, diante da repercussão do episódio, o Itamaraty anunciou a decisão de convocar a embaixadora venezuelana em Brasília para explicações.

Na área política, a reação dos petistas, como o líder da bancada no Senado, Humberto Costa (PT-PE), foi de criticar a “atitude provocativa” de Aécio Neves.

Esse lamentável episódio coloca mais uma vez em evidência os problemas que o governo brasileiro terá enquanto teimar em alinhar sua política externa aos interesses dos regimes ditos “bolivarianos” empenhados em impor ao Continente o “socialismo do século 21” proclamado pelo caudilho Hugo Chávez. No momento em que, por ironia, o regime cubano, referência maior para o esquerdismo latino-americano, amplia os primeiros passos para a abertura de sua economia e sua reinserção no mercado globalizado, os governos “esquerdistas” sul-americanos insistem na crescente intervenção estatal na atividade econômica, delírio sepultado sob a utopia do socialismo real. 

O pragmático Lula alinhou-se à esquerda latino-americana para dar algum sentido ideológico a seu populismo. Mas praticou a economia de mercado, que lhe rendeu bons frutos. Dilma, esquerdista de rico currículo, tentou uma guinada intervencionista e se deu mal, embora talvez ainda não tenha percebido exatamente por quê. Não há de ser bajulando regimes que estão caindo de maduro que ela vai sair da UTI.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.