Vendas casadas e tarifas

O vice-presidente de varejo, distribuição e operações do Banco do Brasil (BB), Dan Conrado, admitiu que para ter direito a juros mais baixos, como o de 3,94% ao mês no cheque especial, os clientes têm de aceitar a cesta de tarifas do programa "Bompratodos". Embora o BB afirme que a cesta é opcional, a operação em tudo se assemelha à venda casada. Como tal foi denunciada pela associação de consumidores Pro Teste.

O Estado de S.Paulo

17 Maio 2012 | 07h51

Entre os primeiros trimestres de 2011 e 2012, a receita de tarifas dos quatro maiores bancos de capital aberto (Banco do Brasil, Itaú-Unibanco, Bradesco e Santander) aumentou 17%, segundo reportagem do jornal Valor. O crescimento dessa receita superou o registrado nos dois anos anteriores, de 13% e 14%, respectivamente. "Minha percepção é de que eles (os bancos) vão calibrar mais nas tarifas, salvo em administração de fundos", declarou o analista João Augusto Frota Salles, da consultoria Lopes Filho, do Rio. No Itaú-Unibanco, a concessão de empréstimos com juros mais módicos depende da adesão a pacotes de 26% a 52% mais caros, segundo o jornal.

As tarifas cobradas dos depositantes são uma das mais importantes receitas dos bancos, já divulgadas nos principais sites do setor. O Banco Central (BC) publica os dados desde 2002 e a Federação Brasileira das Associações de Bancos (Febraban), desde 2007.

A relação entre as receitas de serviços e as despesas com pessoal caiu de 138%, em 2009, para 135%, em 2011, mas voltou a elevar-se (a 142%), no último trimestre. Os bancos não estão proibidos de aumentar tarifas, mas, ao fazê-lo em seguida à ofensiva contra os juros, retiraram com uma das mãos o que deram com a outra. Tentaram recuperar, via tarifas, uma parte da receita perdida com o rebaixamento das taxas de juros.

Para assegurar a prestação de serviços básicos sem custos, o BC definiu, em 2008, uma nomenclatura de serviços e proibiu a prestação onerosa de atividades "essenciais", como o fornecimento de cartão de débito, quatro saques mensais no caixa da agência ou em caixa eletrônico; duas transferências mensais de recursos entre contas da mesma instituição; dois extratos por mês; uso do internet banking; compensação de cheques; e fornecimento de até 10 folhas de cheques por mês. Há dois anos, as regras foram alteradas para evitar artifícios.

"O pacote é por adesão, ele não é imposto a ninguém", disse o vice-presidente do BB. "Cada cliente vai analisar sua situação e ver se é bom para ele ou não." O pacote de serviços do BB tem um custo mais elevado (R$ 58,00 mensais, acima da média de tarifas cobradas dos clientes).

Na semana passada, o Banco do Brasil rebateu a acusação da associação de defesa do consumidor ProTeste, que havia acusado o banco de restringir parte dos benefícios anunciados a clientes que aderissem ao "Bompratodos". Em nota, o BB disse que "não pratica venda casada, já que não condiciona o fornecimento de qualquer produto ou serviço à aquisição de outro produto ou serviço, como estabelecido no Código de Defesa do Consumidor". O texto acrescenta que "oferecer condições diferenciadas conforme o grau de relacionamento do cliente é uma prática comercial que não fere preceitos legais". Mas o Pro Teste informou ter enviado ofício ao BC questionando a nota do banco.

A política de vendas casadas é, de fato, mais usual do que o desejado, provocando conflitos entre empresas e consumidores, por exemplo, na prestação de serviços de telecomunicações. No passado, era comum que os tomadores de crédito fossem "convidados" pelos gerentes a adquirir ações dos bancos.

A prática da venda casada é inadmissível numa instituição financeira, hoje. Para que a ofensiva contra os juros tenha um mínimo de êxito, ela não deve ser "compensada" com o aumento de tarifas, sob o risco de se tornar inócua. Ainda mais grave é quando isso se verifica na maior instituição federal, responsável, ao lado da Caixa Econômica Federal, pela execução da política de corte dos custos bancários.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.