Violência de servidores da USP

Com apoio de alunos vinculados a micropartidos de esquerda radical, servidores da Universidade de São Paulo (USP) voltaram a ocupar as dependências da reitoria, na Cidade Universitária, sob a justificativa de exigir reajustes salariais com base nos mesmos porcentuais concedidos aos professores e evitar o desconto dos 36 dias em que estão em greve. Os docentes tiveram um aumento de 6% em maio, outro de 6,57% em junho. Os servidores foram reajustados em 6,57% e defendem o direito à isonomia salarial.

, O Estado de S.Paulo

10 Junho 2010 | 00h00

Depois de agirem com extrema violência, quebrando portões de aço, portas de madeira, janelas e até derrubando paredes da reitoria com golpes de marreta, eles classificaram como "ato de violência" a decisão do reitor João Grandino Rodas, que está no cargo há quatro meses, de cortar o ponto dos grevistas e de não depositar os vencimentos de mil servidores que estão parados desde o dia 5 de maio.

"Greve com pagamento de salário é férias", afirma Rodas, repetindo o que já foi dito várias vezes pelo ex-líder sindical Luiz Inácio Lula da Silva. Essa foi a terceira invasão na gestão de Rodas. As outras duas foram no recém-reformado Centro de Vivência dos alunos, que estava ocupado no dia de sua posse, e na Coordenadoria de Assistência Social, no início de maio.

A greve dos servidores e a ocupação da reitoria, entre os meses de maio e junho, já se tornaram uma triste rotina na maior instituição pública de ensino superior do País. Os líderes sindicais são sempre os mesmos. Os protestos ocorrem com regularidade gregoriana e, invariavelmente, envolvem o recurso a invasões e à violência.

Também o roteiro do protesto é sempre igual. A estratégia é depredar instalações da reitoria, agredir moralmente o reitor, fazer piquetes para impedi-lo de entrar em seu gabinete e esperar o cumprimento da reintegração de posse pela Polícia Militar (PM), com autorização judicial, para então denunciar a "violência" dos dirigentes universitários e acusar o governo estadual de recorrer à força para acabar com a "autonomia" da USP.

"Cortaram os salários e deixaram pessoas morrendo de fome. Nossa medida de força é uma resposta ao corte de salários pelos dias parados", diz o presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Universidade de São Paulo (Sintusp), Magno de Carvalho, defendendo um tipo de greve em que os grevistas podem tudo, menos correr riscos de qualquer sanção.

"Se o reitor chamar a PM, terá de assumir as responsabilidades", afirma Carvalho, que é conhecido por suas bravatas e por seu comportamento autoritário. Os ativistas de que se serve são membros de minorias intolerantes, de escassa representatividade, que não respeitam as mais elementares regras de convívio social, desafiam acintosamente a ordem jurídica e procuram intimidar quem não cede às suas pressões e não repete o mantra do "participacionismo".

A depredação da reitoria este ano teve, porém, uma novidade: a utilização de máscaras pelos vândalos. Eles as utilizaram para não ser identificados, evitando com isso o risco de serem processados judicialmente por dano ao patrimônio público. Esse é um cuidado que tomam os meliantes que conhecem a legislação civil e penal.

Em entrevistas e artigos, o reitor da USP tem dito que a instituição pertence à comunidade, que a sustenta por meio de impostos, e que não pode ser apropriada pelos servidores, conforme suas conveniências políticas, ideológicas e corporativas. Tem afirmado, também, que os recursos orçamentários disponíveis devem ser aplicados em projetos pedagógicos e em pesquisas, e não na ampliação das despesas de custeio ? especialmente com a folha de pagamento.

Uma coisa é a greve, enquanto mecanismo de reivindicação de salários. Outra, muito diferente, é o recurso à violência e o acintoso desprezo à legalidade como instrumento de mobilização e protesto. Além de ser incompatível com a democracia, a truculência do Sintusp é a negação do espírito universitário.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.