A charada do crescimento

O País ganharia muito mais se a equipe econômica se concentrasse num plano de mobilização de recursos para sustentar a retomada e os empregos

Notas & Informações, O Estado de S.Paulo

05 de outubro de 2020 | 03h00

Só crescimento gera empregos de forma sustentável, mas o enorme desemprego ocasionado pela pandemia tende a frear o crescimento. O Brasil enfrenta de novo essa velha charada, sempre repetida, em todo o mundo, depois de uma grande crise. A desocupação chegou a 13,8% da força de trabalho, no trimestre maio-julho, com 13,1 milhões de pessoas procurando uma vaga. Se a esse grupo se juntarem os afastados por desalento e os muitos trabalhadores subutilizados, chega-se a um total de 32,9 milhões. É um contingente maior que a população do Peru, 32,5 milhões, incluídos velhinhos e criancinhas.

A reativação dos negócios, a partir de maio, foi puxada principalmente pelo consumo. O poder de compra das famílias foi em boa parte sustentado – e até ampliado, em alguns casos – pelo auxílio emergencial. O último levantamento oficial indicou 67,7 milhões de beneficiários. Esse auxílio foi reduzido de R$ 600 para R$ 300 a partir de setembro e será extinto em janeiro, se nenhuma forma de financiá-lo for encontrada pelas autoridades.

A crise devastou o poder de compra da população. O rendimento médio habitual até subiu 4,8% em relação aos três meses anteriores e 8,6% em relação a igual período de 2019. Nas mesmas comparações, no entanto, a massa de rendimento habitual de todos os trabalhos caiu 3,8% e 4,7% e foi reduzida a R$ 203 bilhões, com perda real de R$ 8 bilhões em três meses e de R$ 10 bilhões em um ano. A redução do emprego mais que anulou, no conjunto, o avanço registrado na média.

A ajuda emergencial possibilitou a retomada do consumo e as vendas do comércio varejista retornaram ao nível pré-pandemia. Com a redução do auxílio e, depois, com a sua extinção, a continuação da retomada será muito menos segura. O horizonte fica ainda mais nebuloso quando se considera a hipótese de maior deterioração nas condições de emprego.

Empresários têm-se mostrado mais otimistas, ou menos pessimistas, segundo a Confederação Nacional da Indústria e a Fundação Getúlio Vargas. A melhora do humor é compreensível, embora vários setores nem sequer tenham voltado às condições de fevereiro. Além disso, economistas do governo e do mercado têm melhorado suas expectativas em relação ao resultado final de 2020.

Em quatro ou cinco semanas a contração econômica estimada para este ano passou de mais de 6% para cerca de 5%. Projeta-se para 2021 crescimento na faixa de 3,2% a 3,5%, insuficiente para o retorno ao nível de 2019. Os números mostram, de toda forma, uma aposta na continuação da retomada.

A melhora das expectativas pode contribuir para a recuperação sustentada, pelo menos por alguns meses. Mas empresários ainda exibem muita cautela quanto à contratação de pessoal e aos investimentos produtivos.

Em agosto houve contratação líquida de 249.388 trabalhadores com carteira, segundo o Ministério da Economia. Foi uma rara notícia positiva, mas no mercado formal ainda se perderam, no ano, 849.387 postos de trabalho. Além disso, as condições gerais do mercado, com trabalhadores formais, informais, desalentados e subutilizados, aparecem mais claramente nos dados do IBGE.

A velha charada – como impulsionar o crescimento mesmo com o desemprego elevado – tem sido resolvida, com frequência, por meio de estímulos fiscais e monetários excepcionais. O BC poderá manter os estímulos monetários por um bom tempo, se nenhuma grande incerteza forçar uma alta de juros. O Ministério da Economia, no entanto, continua devendo pistas de como poderá contribuir para a sustentação da retomada.

A discussão sobre como financiar a Renda Cidadã, ainda sem solução, refere-se às preocupações eleitorais do presidente. O País ganharia muito mais se a equipe econômica se concentrasse num plano de mobilização de recursos, apesar das limitações orçamentárias, para sustentar a retomada e abreviar a recuperação do emprego. Seriam medidas temporárias, ao contrário de um novo programa social, mais administráveis e mais palatáveis para o mercado. Seriam, além de tudo, ações típicas de um governo de verdade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.