A indústria se moveu

Os sinais vitais da indústria melhoraram um pouco em abril. Foi um respiro animador

Notas & Informações, O Estado de S.Paulo

05 de junho de 2019 | 03h00

Os sinais vitais da indústria melhoraram um pouco em abril, com volume de produção 0,3% maior que o do mês anterior. Foi um respiro animador, depois de um primeiro trimestre desastroso. Houve expansão em 20 dos 26 segmentos pesquisados e aumento em 2 das grandes categorias – bens de capital e bens de consumo. Mas a produção havia caído 1,4% em março. A reação, portanto, não foi suficiente para levar o setor de volta à condição anterior a essa queda. Além disso, o total produzido no mês ainda ficou 1,1% abaixo do contabilizado em dezembro, quando a atividade já era muito fraca. Um impulso mais forte dificilmente virá do consumo, exceto se o governo providenciar algum estímulo. Mas qualquer novo incentivo às compras só deverá vir depois de aprovada a reforma da Previdência, segundo tem dito o ministro da Economia, Paulo Guedes.

O dinheiro extra para o consumo deverá ser providenciado por meio de uma ação já conhecida, a liberação de recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e, provavelmente, do PIS-Pasep. Até lá, o desemprego elevado e o risco de novas demissões continuarão freando as despesas familiares. Os últimos dados do IBGE apontaram 13,2 milhões de desocupados no trimestre móvel terminado em abril. Num cálculo mais amplo, o relatório apontou 28,4 milhões de subutilizados.

Graças a exportações, algumas indústrias conseguiram atravessar em segurança tempos difíceis, mas o número de empresas nessas condições é muito limitado. Além disso, o resultado das vendas externas do setor foi decepcionante no acumulado do ano. Como a divulgação da balança comercial antecede amplamente a publicação dos dados setoriais de produção, já se conhece o valor faturado até maio. Nesse mês, as exportações de industrializados, no valor de US$ 10,25 bilhões, foram 25,2% maiores que as de um ano antes. Mas o total exportado em cinco meses, de US$ 46,19 bilhões, foi 0,6% menor que o de janeiro a maio de 2018. No caso dos manufaturados (um dos itens do conjunto) houve recuo de 1,5%.

Nesse período, as exportações para a Argentina, um dos mais importantes mercados para produtos industriais brasileira, somaram US$ 4,27 bilhões e foram 42,1% inferiores às de igual período de 2018. A recessão argentina e a perda de vigor do mercado global limitam severamente uma das fontes de receita da indústria.

Emparedada entre um mercado interno muito retraído e um mercado externo cheio de problemas, a indústria exibe um desempenho pior que o da primeira fase depois da recessão. Em abril deste ano, a produção foi 3,9% menor que a de um ano antes. O resultado de quatro meses foi 2,7% inferior ao de janeiro a abril de 2018. Em 12 meses o volume produzido encolheu 1,1%. Nos 12 meses de 2017 o resultado superou por 2,5% o do ano anterior. Em 2018 o crescimento ficou em 1%, com o setor travado pelo bloqueio de rodovias e, depois, pela incerteza política.

Mesmo depois da eleição presidencial, a indústria pouco se moveu, apesar das manifestações de esperança dos empresários. Os primeiros três meses do novo governo foram marcados por muitas dúvidas quanto à reforma da Previdência, por frequentes confusões no Executivo e por falhas seguidas na mobilização e na articulação da base parlamentar.

Sem vigor para uma recuperação mais forte e até para manter a ascendente, a indústria ainda ficou, em abril, 17,3% abaixo do pico de produção alcançado em maio de 2011. De fato, o setor começou a enveredar pela crise já no ano seguinte, afundou dramaticamente na recessão de 2015-2016 e no ano passado perdeu o impulso da fase inicial da recuperação.

Sem estímulos ao consumo, algum impulso poderia provir de investimentos em infraestrutura, se o governo conseguisse mobilizar em pouco tempo recursos privados. Reativar o programa habitacional também ajudaria, mas a equipe econômica prefere adiar as ações de alívio aos desempregados. Quanto ao presidente, cuida de assuntos, como normas de trânsito, muito distantes do drama econômico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.