A posse de Bolsonaro

Os discursos feitos ontem pelo presidente Jair Bolsonaro foram atos de campanha, e não atos de governo – como era de esperar de um veterano político que assumia a Presidência da República com promessas de “reconstruir” o Brasil

Notas e Informações, O Estado de S.Paulo

02 Janeiro 2019 | 03h00

Os discursos feitos ontem pelo presidente Jair Bolsonaro, no Congresso Nacional e no parlatório do Palácio do Planalto, foram atos de campanha, e não atos de governo – como era de esperar de um veterano político que assumia a Presidência da República com promessas de “reconstruir” o Brasil. Bolsonaro repetiu os chavões da campanha, em vez de apontar soluções efetivas para os problemas do País. Insistiu em alguns diagnósticos genéricos, mas nos dois discursos não se vislumbrou ao menos um pálido esboço de plano de governo para enfrentar tais problemas. E, se a preleção no Congresso não deu razões para o otimismo, o segundo discurso de ontem, no parlatório, resvalou num populismo rasteiro – um claro sintoma de que não se deu conta dos desafios que terá de enfrentar nem do real papel que terá de exercer como presidente da República.

No plenário do Congresso, o presidente Jair Bolsonaro prometeu “governar com vocês”, referindo-se aos parlamentares. Que a promessa seja de fato cumprida, pois cabe ao Congresso aprovar as reformas estruturantes de que o País tanto precisa. Mas o máximo que pôde dizer é que aproveitava o “momento solene e convoco cada um dos congressistas para me ajudar na missão de restaurar e reerguer a nossa pátria, libertando-a definitivamente do julgo da corrupção, da criminalidade, da irresponsabilidade econômica e da submissão ideológica”. Não pôde ou não soube propor medidas concretas para sanar os males do País. Ou seja, não disse o que os brasileiros que depositaram suas esperanças no “mito” queriam ouvir.

Mas não lhe faltaram palavras para explorar – para quê? – o atentado que sofreu e que, como disse, foi executado pelos “inimigos da pátria, da ordem e da liberdade”. Na verdade, o crime foi obra de uma única pessoa, como mostram as investigações criminais. Depois, no parlatório, Bolsonaro teve a desfaçatez de dizer que o País estava, naquele momento, se libertando do socialismo e, tirando a bandeira nacional do bolso, num gesto teatral, garantir que aquele símbolo nunca seria manchado de vermelho – exceto o sangue derramado para garantir a pureza da pátria. A que caminhos o presidente pretende levar a Nação, com afirmações tão fora da realidade?

E o mais estranho é que, depois desse rompante aparentemente sem propósito, Bolsonaro declarou ter montado “nossa equipe de forma técnica, sem viés político, que tornou o Estado ineficiente e corrupto”. De fato, é preciso que o novo governo atue de forma técnica, não ideológica. Mas é inegável que, nos últimos meses, alguns indicados para os Ministérios têm manifestado parca consistência do caráter técnico e isento de ideologias que deveriam ter na atuação governamental. Num arroubo que lembrou a última experiência de governo do PT, Bolsonaro sugeriu “um pacto nacional entre a sociedade e os Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário na busca de novos caminhos para o novo Brasil”. E deixou a proposta no ar, como se não fosse tarefa intransferível dele dar-lhe contornos e conteúdo sólidos.

A realização das reformas estruturantes – “essenciais para a saúde financeira e sustentabilidade das contas públicas”, como lembrou Jair Bolsonaro – é uma obra conjunta dos Três Poderes. Foi o que acertadamente lembrou o presidente do Senado, Eunício Oliveira, em seu discurso de encerramento da sessão do Congresso. “É no Parlamento que o diálogo bem executado leva a boas soluções”, lembrou.

O presidente do Senado também ressaltou que o novo presidente não encontra um país devastado. “Vossa Excelência está recebendo o País com diversos ajustes feitos aqui nessa Casa”, disse Eunício. Ao relembrar o muito que se fez desde o impeachment da presidente Dilma Rousseff para retirar o País da crise econômica gerada pelo lulopetismo, o presidente do Senado fez merecida homenagem à “perseverança política e pessoal do presidente Michel Temer”. É de justiça que Jair Bolsonaro reconheça que suas tarefas serão muito mais amenas em razão do trabalho feito ao longo dos últimos dois anos.

Além de descer do palanque, o presidente Bolsonaro precisa colocar os pés na realidade. O discurso populista é comprovadamente incapaz de assegurar os bons resultados que o País demanda. O Brasil, já dissemos nesta página, tem esperanças no governo Bolsonaro. Mas cabe a ele, e só a ele, transformar essas esperanças num Brasil próspero e sem divisões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.