Congelamento na Argentina, de novo

Governo argentino insiste no inútil e desastroso controle artificial de preços, mau exemplo que pode ser contagioso

Notas & Informações, O Estado de S.Paulo

22 de outubro de 2021 | 03h00

Repetindo um erro bem conhecido, o governo argentino impôs mais um congelamento de preços, numa tentativa de conter uma das maiores ondas inflacionárias da atualidade. Os preços ao consumidor subiram 37% neste ano, até setembro, e podem fechar o ano com aumento de 48,2%, segundo projeção do mercado. Nos últimos três anos as taxas foram de 47,6%, 53,8% e 36,1%. Na América do Sul, só a Venezuela tem apresentado números piores, mas o desarranjo econômico venezuelano é um caso fora de todos os padrões.

A intervenção no sistema de preços é um velho costume do poder público argentino. Essa prática foi abandonada em outros países da região, depois de muitas experiências fracassadas e desastrosas. Na Argentina, as más experiências parecem ter pouco afetado os critérios da administração central.

As formas de controle podem variar, mas o intervencionismo é quase uma norma. De vez em quando, o governo proíbe ou dificulta exportações de carnes e de outros alimentos, para reforçar o abastecimento. O resultado mais visível é a perda de receita comercial, com pouco efeito sobre os preços domésticos.

Em algumas ocasiões o controle se concentra em supermercados e em grandes lojas, mas produtores e comerciantes se adaptam ao jogo e desviam as vendas por outros canais. Em qualquer caso, o resultado é algum desarranjo no sistema de produção e de comercialização. No período dos Kirchners – Néstor e sua mulher, Cristina –, a encenação de política anti-inflacionária incluiu a intervenção nas estatísticas, com escandalosa sonegação de informações ao público. As causas da inflação, enraizadas no desarranjo das contas públicas, na dívida pública interna e externa e no desajuste cambial, foram raramente atacadas com vigor.

Os programas de ajuste apoiados pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) têm resultado, há vários anos, em pouco avanço. Muito desarranjada, a economia argentina encolheu 2,6% em 2018, 2,1% em 2019 e 9,9% em 2020. O crescimento de 7,5% estimado para este ano será insuficiente para levar a atividade ao nível pré-pandemia. A inflação continua disparada, a pobreza aflige 40% da população e as perspectivas de recuperação econômica duradoura são escassas.

Pela nova política de congelamento, os preços têm de voltar ao nível de 1.º de outubro. Esse padrão deve permanecer como limite máximo até 7 de janeiro. Além disso, as empresas devem aumentar a produção até o “nível máximo de sua capacidade” e usar os “meios a seu alcance” para garantir a distribuição de produtos e evitar o desabastecimento. O empresariado já advertiu: se houver perdas, os produtores deixarão de fabricar as mercadorias com preços congelados e o varejo será afetado, mas o governo promete estrito controle do cumprimento de suas ordens.

O fracasso de mais essa manobra autoritária é previsível, mas o exemplo argentino pode ser tentador para algumas autoridades brasileiras, visivelmente dispostas, por exemplo, a interferir nos preços de combustíveis e, talvez, de outros bens. O mau exemplo pode ser contagioso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.