Hora de modernizar o ensino técnico

A reforma do ensino médio deu novo alento à formação profissionalizante. Mas preconceitos culturais e desafios práticos ainda precisam ser enfrentados

Notas & Informações, O Estado de S.Paulo

22 de março de 2022 | 03h00

O ensino profissional e técnico no Brasil é desprestigiado, defasado e deficitário em relação à demanda dos jovens e do mercado de trabalho. A reforma do ensino médio, estabelecida em 2017, e que entra em vigor em 2022, criou possibilidades de revitalizar o ensino profissionalizante, reintegrando-o ao ensino médio. Mas, caracteristicamente, ele recebeu menos atenção no debate público e entre os gestores da educação, e ainda pairam muitas incertezas sobre sua implementação.

Segundo a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), apenas 9% dos alunos que concluem o ensino médio no Brasil estão em cursos profissionalizantes, enquanto nos países que integram a Organização (o “clube dos ricos”) são 38%.

Não se trata de falta de interesse dos jovens ou de necessidade das empresas, mas de estímulos e ofertas. Levantamentos promovidos pela Fundação Roberto Marinho e Itaú Educação e Trabalho mostram que, entre os alunos do 9.º ano do ensino fundamental à 1.ª série do ensino médio, 62% considerariam essa possibilidade, mas mais da metade não conhece nenhuma escola de educação profissional e tecnológica (EPT) e 77% dizem ter baixo ou nenhum conhecimento sobre essa modalidade de ensino. A falta de qualificações técnicas foi apontada por 66% das empresas como a principal dificuldade na contratação de cargos de nível médio. Metade delas declara que poderia contribuir com o ensino técnico, por meio de formação aos jovens, oferecimento de vagas de estágio ou aprendizagem.

O estigma do ensino técnico no Brasil tem raízes culturais profundas. Historicamente, os currículos do ensino médio foram condicionados pelo bacharelismo. Curiosamente, a tendência foi reforçada por correntes marxistas, que acusam a formação técnica de ser um mecanismo burguês para manter a alienação das massas trabalhadoras.

Se a dicotomia que associa formação acadêmica a ofícios intelectuais (mais “nobres”) e a formação técnica a trabalhos braçais (menos “nobres”) já é em si duvidosa, na Revolução Industrial 4.0 é francamente enganosa.

Apesar disso, a educação de nível superior é persistentemente vista não só como uma via importante de ascensão social, mas a única. Como disse o educador Alexandre Sayad, por décadas a universidade foi “uma miragem para a população mais pobre, um oásis para quem tinha recursos”. Mas 80% dos alunos do ensino médio não têm acesso à universidade. As ilhas de excelência, como o Sistema S ou Paula Souza, não conseguem atender a toda a demanda das classes baixas e acabam servindo a uns poucos das classes médias, para os quais, muitas vezes, são só um trampolim para cursos universitários longos, onerosos e de baixa qualidade.

A reforma de 2017 abriu a possibilidade de reintegrar o ensino técnico ao ensino médio, aproximando o Brasil do mundo desenvolvido. Mas, apesar de algumas boas iniciativas estaduais, as dificuldades práticas na sua implementação ainda não foram devidamente enfrentadas pelo poder público.

A Base Nacional Curricular Comum ainda não definiu com suficiente clareza os itinerários formativos. Ainda não há um sistema nacional de avaliação e certificação complementar ao Enem. Por fim, é preciso investir em canais que viabilizem interações criativas entre as escolas, as instituições de formação profissional e as empresas. A solução natural seria instituições como o Senai ou o Senac oferecerem o currículo técnico e a escola, o acadêmico. Mas ainda falta uma articulação bem planejada.

“Se as instituições de formação profissional souberem aliar-se às escolas públicas para oferecer uma ampla gama de cursos, trata-se de uma solução do tipo ‘win-win’”, apontam os pesquisadores S. Schwartzman, C. Gomes, C. Castro e J. Oliveira, em estudo sobre a Reforma do Ensino Médio. “Ganham as escolas, ao tornarem seus programas menos áridos. Ganham estas instituições, por expandir seu mercado. Ganha o setor produtivo, ao receber mão de obra com uma gama variada de iniciação profissional. Ganham os estudantes, por seguirem cursos que sejam de seu real interesse.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.