Inflação, cereja do bolo da pobreza

Alta de preços tem sido maior para os mais pobres e mais concentrada em bens e serviços essenciais à sobrevivência

Notas & Informações, O Estado de S.Paulo

18 de abril de 2022 | 03h00

Ruim para todos, a inflação é especialmente nociva aos pobres, mais dependentes de cada real para sobreviver e menos capazes, portanto, de ajustar seus gastos sem grandes sacrifícios. No Brasil, os números mostram os pobres em dupla desvantagem diante do aumento do custo de vida. Em primeiro lugar, os preços ao consumidor subiram mais para os menos abonados nos 12 meses terminados em março, variando entre 12,04% para as famílias de renda muito baixa e 9,97% para as de renda alta. Em segundo, as famílias mais necessitadas foram atingidas principalmente pelo encarecimento de itens essenciais, como alimentos, eletricidade e gás de cozinha.

Entre os extremos de 12,04% e 9,97%, os aumentos acumulados no período de um ano foram decrescentes ao longo de uma escala de seis classes de renda, segundo o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). A desigualdade econômica, já muito ampla no Brasil, foi agravada pelos impactos, claramente desiguais, da variação geral dos preços, como se a pobreza atraísse mais dificuldades.

Além disso, cada faixa social foi afetada de forma diferente pelo encarecimento de cada grupo de bens e serviços. As altas de preços de comida e habitação (onde se incluem eletricidade e gás) compuseram mais de metade da inflação das duas classes de renda mais baixas. A televisão mostrou em várias ocasiões, nos últimos meses, donas de casa improvisando, com pedaços de pau ou montes de carvão, meios de cozinhar a modesta e escassa alimentação de cada dia, numa síntese visual das estatísticas do Ipea. Na classe mais pobre, alimentos (3,21%) e habitação (4,01%) produziram, somados, um impacto inflacionário de 7,22% em 12 meses.

O custo dos transportes causou, nesse período, o maior impacto inflacionário, superior a 4%, para as classes de renda média, média-alta e alta. Os gastos foram afetados pelos aumentos de preços da gasolina, do etanol, do diesel e dos serviços por aplicativo. Além das três classes de rendas mais altas – aquelas com maior poder vocal –, foram afetados diretamente os caminhoneiros, tratados com especial consideração por Bolsonaro desde 2018, quando bloquearam estradas e dificultaram, por meio da força, o transporte de mercadorias. Em atenção a esses aliados, ou supostos aliados, o presidente da República pressionou e derrubou chefes da Petrobras.

Os mais afetados pela inflação, os consumidores pobres, têm recebido, por meio de auxílios, algum apoio do presidente Bolsonaro, empenhado em conquistar votos nos grupos mais pobres. Mas o presidente da República tem contribuído, ao mesmo tempo, para desarranjar os preços, promovendo gastos excessivos, dificultando o planejamento dos negócios e, em muitas ocasiões, provocando instabilidade cambial. Além disso, o desemprego se mantém muito acima dos níveis observados internacionalmente, a economia pouco se move e o aumento da pobreza se confirma, no dia a dia, como um dos efeitos mais notáveis do desgoverno instalado em 2019. A inflação acelerada é uma perfeita cereja no alto desse bolo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.