Investidor segue arredio

Capital externo anda arisco, mas ainda cobre o déficit das transações correntes

Notas & Informações, O Estado de S.Paulo

24 de setembro de 2020 | 03h00

Mais cauteloso que em outros tempos, o investidor estrangeiro anda arisco e isso já se reflete nas contas externas do Brasil. O investimento direto, aquele destinado à atividade empresarial, diminuiu de US$ 9,52 bilhões em agosto de 2019 para US$ 1,43 bilhão em agosto deste ano. O total acumulado em 2020 ficou em US$ 26,96 bilhões. Um ano antes chegou a US$ 46 bilhões. Com a pandemia, os donos do capital têm procurado os destinos mais seguros, mesmo com a perspectiva de ganhos menores. Mas no Brasil há algo mais que a covid-19 e seus efeitos econômicos. O governo também assusta os investidores.

Grandes fundos têm evitado o mercado brasileiro por causa da política ambiental, ou antiambiental, do presidente Jair Bolsonaro. Outros investidores fogem dos ativos locais por causa da insegurança sobre o futuro das contas públicas. De tempos em tempos alguém ligado ao governo reafirma a promessa de seriedade fiscal. A repetição dessa conversa torna mais sensível o ambiente de incerteza. Quem mais justifica a desconfiança em relação ao futuro das finanças públicas é o presidente Jair Bolsonaro, ostensivamente concentrado em seus objetivos pessoais.

Quando aumenta o susto, aplicadores deixam papéis negociados no mercado local e trocam reais por dólares. Esse movimento é visível na forte instabilidade cambial. A moeda brasileira tem sido uma das mais depreciadas neste ano, embora a crise tenha assolado todos os países emergentes. Quem acompanha a rotina do mercado financeiro está acostumado: a abertura dos negócios é precedida, no início de manhã, por algum comentário sobre a tendência do dólar. Esse comentário é com frequência associado à insegurança em relação ao governo.

A inquietação aparece com maior clareza no movimento de capitais de curto prazo, destinados a operações mais especulativas e mais fáceis de reverter. Em agosto entraram US$ 2,36 bilhões – valor líquido – nas carteiras de papéis negociados no mercado interno. Foram US$ 2 bilhões aplicados em títulos de dívida e US$ 357 milhões para compras de ações. O resultado no mês foi positivo, mas houve saídas líquidas de US$ 28,46 bilhões no ano e de US$ 43,40 bilhões em 12 meses.

Capitais especulativos são mais instáveis que investimentos diretos. Além disso, quem os aplica está muito menos comprometido com o desenvolvimento do País. Mas o dia a dia do mercado financeiro e de capitais depende crucialmente de recursos desse tipo. Entradas e saídas desses capitais também mexem com o câmbio. Isso pode afetar custos de produção e, no limite, a inflação enfrentada pelo consumidor, como se tem observado recentemente no Brasil.

Apesar do menor ingresso de recursos e da instabilidade cambial, as contas externas permanecem razoavelmente seguras. Mas seria um erro atribuir esse fato ao vigor e à eficiência da economia nacional. Ao contrário: a situação do balanço de pagamentos é em grande parte explicável pela pandemia e pela recessão.

Em agosto, houve superávit de US$ 3,72 bilhões nas transações correntes. Foi o quinto mês consecutivo com resultado no azul, uma anomalia. As transações correntes são formadas pela balança comercial de bens, pela conta de serviços (com destaque para fretes, viagens e seguros) e pelas contas de rendas, divididas em primárias (como lucros, dividendos e juros) e secundárias (principalmente remessas pessoais).

O comércio de bens encolheu, mas o saldo aumentou para US$ 31,87 bilhões em oito meses, porque as importações diminuíram mais que as exportações. O superávit continuou sustentado pelo agronegócio, o setor mais eficiente, com vendas externas ainda crescentes. As demais contas também foram afetadas pela pandemia e pela recessão, com menos viagens ao exterior, por exemplo, e menor remessa de lucros.

Feito o balanço geral, nos 12 meses até agosto o déficit em transações correntes ficou em US$ 25,445 bilhões e foi facilmente financiado com investimento direto de US$ 54,46 bilhões. Um ano antes, esse investimento, já em queda, havia chegado a US$ 79,13 bilhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.