Novo acerto em novo recuo

Ao recuar da intenção de mexer no teto de gastos, Jair Bolsonaro repetiu um quase ritual. Mudar de ideia é elogiável, mas mais prudente é pensar antes de falar

Notas & Informações, O Estado de S.Paulo

06 de setembro de 2019 | 03h00

Recuando mais uma vez, o presidente Jair Bolsonaro decidiu defender a manutenção do teto de gastos, em vez de propor o afrouxamento da regra orçamentária. Romper o teto seria “abrir uma rachadura no casco do transatlântico”, afirmou ele, ontem de manhã, em sua conta no Twitter. Como em outras ocasiões, o recuo foi acertado. No dia anterior, quarta-feira, o porta-voz da Presidência, general Otávio Rêgo Barros, havia dado à imprensa uma informação diferente. Segundo ele, o governo estudava medidas para mexer na restrição e aumentar as despesas sem elevar impostos. O presidente, segundo informou o Estado, tinha ido ao Ministério da Economia para conversar sobre o assunto com o ministro Paulo Guedes. A mensagem postada na manhã seguinte mostrou, sem acrescentar explicação, uma saudável mudança de propósito.

O ministro Paulo Guedes vinha resistindo, como já se havia noticiado, a pressões da Casa Civil e da cúpula militar a favor de um relaxamento da regra do teto. Essa regra, criada por emenda constitucional no governo do presidente Michel Temer, só permite corrigir pela inflação a despesa orçamentária. Ainda na quarta-feira, o presidente havia de novo reclamado, diante de jornalistas, em Brasília, do aperto previsto na proposta de Orçamento para 2020. Horas depois a decisão de mudar o limite seria informada pelo porta-voz.

A solução para as finanças públicas, disse o presidente na mensagem de ontem cedo, é reduzir despesas e combater fraudes e desperdícios. “O Brasil vai dar certo. Parabéns a nossos ministros pelo apoio às medidas econômicas do Paulo Guedes”, acrescentou.

De fato, a solução deve incluir a redução das despesas, mas falta o presidente esclarecer suas ideias sobre o assunto. Diminuir gastos com eletricidade é uma das ações mencionadas pelo Twitter. Além disso, o governo insiste em fundir Ministérios. A nova ideia é juntar os do Meio Ambiente e do Turismo, os da Cidadania e dos Direitos Humanos e os da Infraestrutura e do Desenvolvimento Regional. A economia deverá ser marginal, se todos os setores envolvidos continuarem operando normalmente, e os ganhos de eficiência são pouco claros. As limitações desse tipo de ação já foram comprovadas com as fusões implantadas no começo do mandato. O Ministério da Cidadania, reunindo políticas de desenvolvimento social, esporte, cultura e controle de drogas, é um exemplo de ornitorrinco administrativo.

Em quase nove meses de mandato o presidente Jair Bolsonaro nunca deu sinal de alguma competência administrativa. Seus atos mais vistosos têm denotado, de forma repetida, uma grave confusão entre governar e dar ordens como um chefete voluntarioso. Mostram também uma persistente mistura entre vida pessoal e vida político-administrativa.

Se tivesse noções um pouco mais claras de como administrar, e, portanto, de como governar, ele teria evitado uma porção de recuos. Teria de fato escolhido ministros dando mais peso à competência do que ao alinhamento ideológico e religioso. Teria consultado assessores antes de opinar, de prometer e de tomar decisões.

Seguindo esse padrão, teria conversado seriamente com Paulo Guedes antes de insinuar qualquer mexida na regra do teto. Teria sido cauteloso, em vez de anunciar a mudança da embaixada em Israel para Jerusalém. Acabou recuando nesse caso, alertado, finalmente, do risco de comprometer exportações para países muçulmanos. Teria evitado, nos Estados Unidos, acusar de más intenções a maioria dos imigrantes, para depois se retratar. Nem teria cogitado de mencionar, como em janeiro, a possível instalação, no Brasil, de uma base militar americana.

A recuar da intenção de mexer no teto de gastos, o presidente repetiu um quase ritual. Acertou, como em outras ocasiões. Mudar de ideia, quando necessário, é elogiável. Mas por que recuar tantas vezes? Também elogiável, e muito mais prudente, é pensar antes de falar, consultar quem conhece cada assunto e, no caso de um governante, distinguir os verbos mandar e governar e jamais confundir autoridade com autoritarismo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.