O alto custo da baixa política

Enquanto o presidente cuida de interesses pessoais e familiares, os mais destacados em sua agenda, o governo segue sem rumo

Notas & Informações, O Estado de S.Paulo

03 de março de 2021 | 03h00

Emperrado por um governo inepto e irresponsável e agora ameaçado também pelo fisiologismo triunfante no Congresso, o Brasil continua perdendo espaço na economia internacional, enquanto a pandemia se agrava e a mortandade supera os piores momentos do ano passado. Perdido o primeiro trimestre, é preciso muito otimismo para ainda apostar num crescimento, embora pífio, na faixa de 3% a 3,5%. É a glória do bolsonarismo – do negacionismo, do atraso na compra de vacinas, da exaltação da morte e do desvario administrativo, comprovado mais uma vez na decisão de subordinar a Petrobrás, a maior estatal brasileira, aos interesses de uma categoria profissional, a dos caminhoneiros.

O carnaval passou, a Semana Santa começará no fim do mês e o ministro da Economia, Paulo Guedes, continua à espera de verbas para um novo auxílio emergencial. Enquanto isso, parlamentares tentam cavar mais R$ 18,4 bilhões para suas emendas. Se conseguirem, o total chegará a R$ 34,7 bilhões, soma igual, talvez pouco superior, àquela necessária para socorrer as famílias mais desamparadas, mais uma vez, e dar algum impulso ao consumo.

Se passar, a expansão das emendas será mais um desarranjo num Orçamento ainda nem aprovado e muito atrasado. Ficará mais difícil arrumar as contas federais, já muito esburacadas, controlar a dívida pública e ao mesmo tempo reanimar os negócios e a criação de empregos. Mesmo em condições políticas mais favoráveis seria difícil combinar estímulo econômico e ajuste das finanças oficiais.

Enquanto o presidente cuida de interesses pessoais e familiares, sempre os mais destacados em sua agenda, o governo segue sem rumo e o País mal consegue manter a recuperação iniciada em maio do ano passado e já enfraquecida. Esses dados bastariam para compor um quadro preocupante.

Mas a isso é preciso adicionar inegáveis pressões inflacionárias, claramente perceptíveis nos preços por atacado. No varejo os consumidores encontram, como no segundo semestre de 2020, alimentos caros e ainda sujeitos a novas altas. O câmbio instável é um poderoso combustível para o aumento de preços. Nos últimos dias o dólar voltou a atingir – e até a superar – a cotação de R$ 5,60.

O dólar tem oscilado em níveis elevados, no Brasil, principalmente por causa da insegurança ocasionada pelo quadro político de Brasília, marcado pelo voluntarismo do presidente Jair Bolsonaro, por sua insistência em conflitos desnecessários e por suas decisões erráticas e fora de quaisquer padrões compatíveis com a racionalidade administrativa. A incompetência gerencial do presidente ficou clara desde os primeiros dias de seu mandato.

Essa incompetência se manifesta, com frequência, em ordens absurdas, porque ele tende a confundir a função presidencial com o mero exercício do poder de mando, concretizado sem respaldo técnico, sem atenção a detalhes legais e com base em opiniões estritamente particulares e infundadas. Essa tendência o levou, em 2019, a intervir na publicidade veiculada pelo Banco do Brasil, numa desastrada interferência na gestão de uma empresa de capital aberto.

A política econômica, apesar da expectativa otimista manifestada por analistas e investidores, seguiu o padrão de qualidade bolsonariano. O Produto Interno Bruto (PIB) cresceu menos em 2019 que em 2018 e encolheu no primeiro trimestre de 2020, antes do choque da pandemia. O crescimento projetado para 2021 será insuficiente para a retomada do nível pré-crise. Além disso, o País já crescia menos que outros emergentes antes de 2020, e continuará em desvantagem na recuperação.

Fraquezas econômicas acumuladas em vários anos e agravadas a partir de 2019 são parte do problema. Mas o Brasil ainda carrega desvantagens associadas à pandemia. Com maior contágio, mais mortes, vacinação lenta, sem coordenação federal das ações de saúde e com o presidente estimulando o risco da contaminação, a retomada econômica será mais difícil e insegura. Investidores nacionais e estrangeiros sabem disso, mas o presidente insiste em viver num mundo próprio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.