O alvo é a liberdade

Quando jornalistas são agredidos todos os dias por quem está no poder, o alvo é a liberdade

Notas e Informações, O Estado de S.Paulo

28 de fevereiro de 2020 | 03h00

Nenhum governante ou político é obrigado a gostar de jornalistas ou da imprensa. Ao contrário, é natural que se incomodem quando reportagens expõem o que muitos deles, pelas mais variadas razões, gostariam de manter longe do escrutínio público. No entanto, quando jornalistas são sistematicamente vilipendiados pelo presidente da República e por parlamentares que lhe são fiéis, como tem acontecido com frequência preocupante, já não se pode falar em simples antipatia; o que se tem é uma violência que excede, e muito, os limites estabelecidos para a convivência democrática. É agressão pura e simples, própria de ambientes incivilizados, em que os maus modos e a truculência são considerados um valor.

O presidente Jair Bolsonaro, como se sabe, escolheu os jornalistas como alvo preferencial de suas invectivas. A eles já dedicou, mais de uma vez, o gesto ofensivo de uma “banana”, deixando claro seu menosprezo pelos profissionais da informação. Também partiu para o insulto pessoal contra determinados jornalistas, para regozijo da claque que o acompanha. Cada vez que Bolsonaro renova suas agressões aos jornalistas e à imprensa, a democracia brasileira desce mais um degrau.

Sendo o chefe de Estado e, portanto, poderoso e influente líder político, Bolsonaro acaba servindo de exemplo e inspiração para seus seguidores, muitos dos quais nutrem fanática devoção a seu “mito” e se esforçam para demonstrar que são tão agressivos quanto o presidente. O resultado disso é o avanço da injúria como modelo de conduta, multiplicado ao infinito por conta do alcance das redes sociais, nas quais os bolsonaristas têm presença marcante.

Com essa motivação, e sob as bênçãos do Palácio do Planalto, está em pleno funcionamento uma formidável máquina de destruição de reputações. A mais recente vítima dessa violência foi a jornalista Vera Magalhães, do Estado. Em furo de reportagem, Vera revelou que o presidente Bolsonaro havia divulgado em seu WhatsApp a convocação de uma manifestação contra o Congresso, marcada para o dia 15 de março. Bolsonaro não desmentiu a informação, o que mostra que estava essencialmente correta. Mesmo assim, a jornalista foi atacada de diversas maneiras por bolsonaristas, que usaram as redes sociais para ofendê-la, invadir sua privacidade e ameaçá-la. Ou seja, a jornalista não foi criticada por ter dado uma informação errada; ela foi enxovalhada justamente por ter feito bem o seu trabalho.

Até mesmo uma deputada bolsonarista usou o Twitter para fazer piadas de teor sexista contra Vera Magalhães, repetindo, em termos idênticos, a grosseria que o presidente da República havia feito contra outra jornalista, Patricia Campos Mello, da Folha de S.Paulo. Ou seja, Bolsonaro estabeleceu um padrão, zelosamente seguido por seus agressivos simpatizantes.

Não se pode tratar tal situação como um simples caso de falta de educação nem se pode considerar natural que um presidente inspire no País um comportamento tão nocivo, especialmente em relação à imprensa e a seus profissionais. A intimidação e o constrangimento de jornalistas é passo fundamental para a degradação da democracia, o que só interessa aos que pretendem governar sem oposição e sem contestação, consolidando como verdade absoluta apenas a versão oficial dos fatos.

Assim, quando jornalistas são agredidos todos os dias por quem está no poder, o alvo não são esses profissionais, mas a própria liberdade, razão pela qual a ninguém que preze verdadeiramente a democracia é permitido silenciar neste momento desafiador. Bolsonaro e seus apoiadores fanáticos devem saber, da maneira mais clara possível, que os jornalistas continuarão a desempenhar sua função mesmo sob a saraivada de afrontas que os bolsonaristas lhes dedicam, e provavelmente com garra ainda maior. Afinal, se o jornalismo já é importante numa democracia sólida e estável, mais ainda o é numa democracia que está sob ataque de liberticidas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.