O dinheiro das ‘fake news’

A disseminação de ‘fake news’ não é uma atividade caseira. Ela envolve muito dinheiro

Notas & Informações, O Estado de S.Paulo

22 de março de 2020 | 03h00

Ao se referir ao financiamento da disseminação de fake news, o presidente da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) das Fake News, senador Angelo Coronel (PSD-BA), disse que “tem gente gastando pesado”. Segundo o senador afirmou ao Estado, este é o principal ponto a se investigar na CPMI: “Quem são os financiadores nas redes sociais para difamar alvos e atacar a conduta das pessoas?”.

É preciso apurar quem está financiando esses crimes virtuais, que tanto mal causam à democracia, às instituições e à honra das pessoas. A disseminação de fake news não é uma atividade caseira e despretensiosa, feita por pessoas isoladas. Trata-se de uma operação sofisticada, que se vale de ferramentas tecnológicas avançadas, com a finalidade de interferir e deturpar, de forma significativa, o debate público. Tudo isso envolve muito dinheiro. 

Em depoimento prestado à CPMI em dezembro do ano passado, a deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) disse que um único disparo feito por robôs custa, em média, R$ 20 mil. “De maneira, digamos, legal, comprovável imediatamente, (são destinados) praticamente R$ 500 mil, de dinheiro público, para perseguir desafetos.” No caso, a deputada referia-se ao “gabinete do ódio”, formado por assessores especiais da Presidência da República. “Nós estamos falando de crime. Caluniar, difamar e injuriar são crimes previstos no Código Penal”, lembrou Joice Hasselmann.

De acordo com parlamentares que acompanham os trabalhos da CPMI das Fake News, uma estrutura similar à do “gabinete do ódio” custa cerca de R$ 1,5 milhão por mês, segundo apurou o Estado.

Ao comentar, no início de março, os ataques às democracias liberais, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que “nada disso custa pouco. Um robô custa US$ 12 por mês”. Para cada disparo são utilizados milhares de robôs, cuja função é inflar artificialmente a relevância e o compartilhamento das agressões e notícias mentirosas.

No mês anterior, Rodrigo Maia havia afirmado não ter “nenhuma dúvida” de que os ataques pelas redes sociais “têm um sistema de financiamento por trás, que será descoberto em algum momento”. O presidente da Câmara disse existir “um grupo na internet (...), com pessoas que não são democráticas, que quer generalizar problemas que existem no Parlamento, no Supremo Tribunal Federal, no Superior Tribunal de Justiça e em qualquer área, desqualificando e diminuindo a importância desses Poderes. (...) Precisamos ter coragem para enfrentá-lo”.

De fato, é necessário coragem para enfrentar os criminosos difusores de fake news. Não bastasse a convicção de sua impunidade – confiam em suas artimanhas digitais para não se sujeitarem ao rigor da lei –, eles não têm maiores escrúpulos em destruir, com seus robôs e armas do mundo virtual, a honra e a reputação de todo aquele que dificulte a realização de seus objetivos criminosos. Não é mera coincidência que o presidente da Câmara, que há algum tempo vem alertando para a gravidade dos ataques baseados em fake news, tenha se tornado alvo preferencial dos ataques das milícias virtuais.

É preciso identificar e cortar as fontes de financiamento das fake news. A difusão massiva de desinformação é uma atividade criminosa que, além de disseminar informações equivocadas e destruir a honra de seus alvos, mina o ambiente de confiança e de diálogo indispensável para o desenvolvimento sadio de uma sociedade. A atual pandemia do coronavírus revela, em tons dramáticos, a importância da informação confiável e de qualidade, seja para assegurar o cumprimento das medidas de prevenção, seja para evitar situações artificiais de pânico, criadas pelos oportunistas de plantão.

As fake news não são notícias com um conteúdo equivocado. São mensagens de texto, de áudio ou de vídeo feitas e difundidas, à custa de muito dinheiro, com o intuito de distorcer e destruir. É preciso identificar e punir com rigor quem atua com tamanho despudor contra o País e o interesse público. A população não pode ficar à mercê desses manipuladores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.