O ranking das universidades

Um ranking internacional de qualidade do ensino superior revela grata surpresa

Notas & Informações, O Estado de S.Paulo

25 de dezembro de 2019 | 03h00

Mais um ranking internacional de qualidade do ensino superior acaba de ser publicado. Trata-se do Leiden Ranking 2019, um levantamento anual promovido pelo Centro de Estudos de Ciência e Tecnologia de Leiden, na Holanda, com base nos artigos catalogados e indexados pela Web of Science, um banco de dados que reúne o conteúdo de periódicos científicos do mundo todo. A diferença desse levantamento em relação aos demais é que ele dá mais ênfase a dados qualitativos do que quantitativos.

Os rankings tradicionais valorizam, entre outros indicadores, o número de artigos científicos publicados pelas universidades. Já o Leiden Ranking 2019 tenta medir o impacto desses artigos na comunidade acadêmica e sua importância para o desenvolvimento da ciência, identificando o número de vezes que foram citados por outros artigos científicos.

No caso das instituições brasileiras, esse critério revela uma grata surpresa. Além da USP, Unicamp e Unesp, que por serem as maiores universidades do País sempre se destacaram pelo alto número de publicações nas mais variadas áreas do conhecimento, outras universidades menores, que atuam em áreas mais específicas, também foram bem avaliadas. Essa é uma informação importante, que cala dirigentes governamentais que teimam em afirmar que as universidades federais são locais de “balbúrdia”.

As 23 universidades brasileiras classificadas no Leiden Ranking 2019 produziram, entre 2014 e 2017, mais de 71 mil publicações científicas catalogadas pela Web of Science. Com 5,5 mil professores e quase 100 mil alunos, a USP produziu 17 mil artigos, cerca de 25% do total, seguida pela Unicamp, com 5,5 mil artigos. Juntas, as três universidades públicas paulistas - USP, Unicamp e Unesp - foram responsáveis por mais de 40% dos artigos das instituições brasileiras de ensino superior contabilizadas pelo ranking. Pelo indicador relativo ao número de vezes que um artigo científico foi citado, contudo, várias universidades federais - inclusive algumas de porte médio - saíram-se proporcionalmente melhor.

Dos 17 mil artigos produzidos pela USP, pouco mais de mil ficaram entre as publicações como sendo de “alto impacto”, ou seja, com maior número de citações - 6% do total. Já as Universidades Federais da Bahia (UFB), do Ceará (UFC), da Paraíba (UFPB), de Viçosa (UFV/MG), de São Carlos (UFSP) e de Santa Catarina (UFSC) produziram um número bem menor de artigos indexados pela Web of Science do que as universidades paulistas. Em termos porcentuais, porém, nas áreas do conhecimento em que se especializaram tiveram um número de citações igual ou até maior do que as congêneres paulistas. É o caso da UFPB, a que mais publicou artigos científicos de “alto impacto” em matemática. A UFB e a UFC se destacaram nas áreas de matemática e ciência da computação. A UFSC saiu-se bem nas áreas de ciências físicas, de engenharia e de ciências da vida e da terra, tendo atingido “alto impacto” em química e ciência dos alimentos.

Por seu lado, graças a 14% dos artigos indexados produzidos por seus professores e cientistas, a UFV/MG - uma instituição de médio porte - foi uma das universidades brasileiras com melhor aproveitamento nas áreas de ciências da terra, ciências sociais e humanidades no Leiden Ranking 2019. Os artigos mais citados são de caráter interdisciplinar e versam sobre os efeitos das mudanças climáticas sobre a economia rural.

Além do número de citações dos artigos científicos, o Leiden Ranking 2019 leva em conta, entre outros indicadores, o número de acordos de colaboração internacional e a difusão de conhecimento disponível para leitura gratuita. Evidentemente, a posição nos levantamentos de qualidade do ensino superior deve ser consequência do trabalho acadêmico e científico e não um objetivo em si. É esse o papel dos rankings - ajudar a aprimorar práticas e atividades a partir da qualidade dos resultados, por um lado, e a identificar instituições de excelência.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.