O resgate da democracia

Joe Biden lembrou em seu pronunciamento que a disputa eleitoral é o momento em que o povo é soberano para escolher seu governante.

Notas & Informações, O Estado de S.Paulo

06 de novembro de 2020 | 03h00

Em discurso de estadista, o candidato democrata à presidência dos Estados Unidos, Joe Biden, disse que “ninguém vai nos tirar nossa democracia, nem agora nem nunca”. Foi um pronunciamento destinado a relembrar que a disputa eleitoral, numa democracia, não é uma guerra em que o adversário deve ser aniquilado, mas o momento em que o povo é soberano para escolher seu governante. 

Para que esse processo seja legítimo, enfatizou Joe Biden, “todo voto tem de ser contado”. Parece uma obviedade, mas não é: quando o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, tudo faz para interromper a contagem que indica sua derrota e denuncia, sem qualquer prova, uma suposta fraude nos votos já contados, é preciso lembrar do que é feita a democracia, conceito que é estranho a Trump e, infelizmente, a muita gente nos Estados Unidos – como mostra a expressiva votação que o atual presidente obteve.

Por isso, fez muito bem o candidato Joe Biden ao enfatizar que, se confirmada sua eleição, ganhará “como democrata”, em referência a seu partido, mas governará “como presidente”. E declarou: “Temos que nos ouvir uns aos outros, respeitar e cuidar uns dos outros, nos unir como nação. Sei que não será fácil. Sei como são profundas as diferenças, mas sei que, para progredirmos, precisamos parar de tratar os oponentes como inimigos”.

Trata-se de uma mensagem poderosa, uma brisa de bom senso em meio à tormenta autoritária que tomou os Estados Unidos desde a eleição de Donald Trump, há quatro anos. Nada disso significa, contudo, que o horizonte político norte-americano se desanuviará no curto prazo, pois as condições que possibilitaram a ascensão do populismo destrutivo de Donald Trump se mantêm.

Há uma imensa massa de norte-americanos que se consideram esquecidos pelo establishment político e econômico. São cidadãos ressentidos, predispostos a crer que são vítimas do “sistema” representado por Washington e Wall Street e que se sentem desrespeitados por minorias que desafiam seus valores conservadores para ganhar espaço político e impor sua agenda.

Esses eleitores foram seduzidos por Donald Trump e seu discurso insolente em relação às instituições democráticas, que ele trata abertamente como adversárias. Seu slogan, “América primeiro”, não faz referência à América de todos os norte-americanos, mas à América imaginada por reacionários desconfortáveis com a democracia. 

Nesse lugar imaginário, em que se vive sob constante ameaça de “inimigos” inventados por teorias da conspiração disseminadas pelas redes sociais, só podem viver os que aceitam seus valores truculentos – aos demais resta viver como exilados dentro de seu próprio país.

Nenhuma nação democrática resiste a um ambiente intoxicado de rancor como esse. Nenhum governo construído sobre bases tão desagregadoras será visto como legítimo pelo conjunto dos cidadãos. 

É por esse motivo que um político experiente como Joe Biden, mesmo sem ter assegurada sua eleição, percebeu que era necessário apresentar-se a seus compatriotas como um líder capaz de “ouvir” o que os eleitores de seu adversário têm a dizer. É disso que depende a saúde da democracia norte-americana, que um dia já foi exemplo para o mundo, mas agora, sob Trump, se tornou fonte de vergonha e decepção – menos, é claro, para os que consideram o histrião que hoje está na Casa Branca como o “salvador do Ocidente”, como o classificou o chanceler brasileiro, Ernesto Araújo.

Enquanto Biden pregava união e respeito pela decisão soberana dos eleitores, o presidente Trump tuitava: “Parem a contagem!”. Ou seja, o presidente de todos os norte-americanos defendeu que os votos de milhares de seus compatriotas não fossem considerados, alegando fraudes generalizadas. Nada que surpreenda, pois Trump há tempos avisou que colocaria em dúvida o resultado da eleição se não lhe fosse favorável, pela simples razão de que não aceita a derrota.

Felizmente, a democracia, ultimamente tão vilipendiada, tem seus mecanismos de defesa, e isso ficou muito claro nos Estados Unidos. A Trump, bem como a seus aduladores mundo afora, resta espernear.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.