Oportunidades para a ciência

Ciência mais aberta e dinâmica beneficiará uma sociedade mais sustentável

Notas & Informações, O Estado de S.Paulo

20 de fevereiro de 2021 | 03h00

Mais do que qualquer crise recente, a pandemia acentuou a importância da ciência e inovação na prevenção e reação a futuras crises. A mobilização da comunidade científica, apoiada por agências públicas, fundações privadas e entidades filantrópicas, foi sem precedentes. Mas a pandemia também tensionou os sistemas de pesquisa e inovação até seus limites. O choque econômico pode afetar severamente os investimentos públicos e privados, com risco de danos de longo prazo à pesquisa e inovação num momento em que são necessárias como nunca para enfrentar a emergência climática, promover o desenvolvimento sustentável e acelerar a transformação digital.

Este é o cenário abordado no Panorama da Ciência, Tecnologia e Inovação da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que traz o sugestivo subtítulo: Tempos de Crise e Oportunidades.

Nos primeiros três meses da pandemia, organizações de pesquisa investiram cerca de US$ 5 bilhões em pesquisas sobre a covid-19. Entre janeiro e novembro, foram produzidas 75 mil publicações científicas sobre a doença – mais de 75% sem restrições de acesso, enquanto em outros campos biomédicos a média não chega a 50%. Essas mudanças sinalizam uma possível aceleração rumo a um fazer científico mais aberto e dinâmico.

Além das pesquisas, os cientistas foram chamados a fornecer opiniões e dados – muitas vezes incompletos em um cenário em constante mutação – às autoridades e ao grande público. “Mas por várias razões”, alerta a OCDE, “o aconselhamento científico aos gestores e ao público tem sido crescentemente contestado, mesmo com os governos enfrentando novas ondas da pandemia. Isso exige que o poder público comunique cuidadosamente as incertezas, forneça uma apresentação equilibrada de possíveis cenários e seja transparente sobre seus erros.”

As centenas de testes, medicamentos e vacinas desenvolvidos pelas parcerias entre a indústria biofarmacêutica e a academia ou por startups acadêmicas mostram uma promissora sinergia entre o mundo empresarial e o universitário. A OCDE nota ainda o fenômeno das “inovações frugais” improvisadas ante a escassez de equipamentos médicos e outros produtos emergenciais. A necessidade de tais inovações persistirá ante o desafio da produção e distribuição de vacinas.

Tecnologias emergentes como a bioengenharia tiveram um papel fundamental na velocidade sem precedentes com que as vacinas foram desenvolvidas, e outras, como a robótica, podem ter um papel igualmente fundamental para promover a resiliência dos sistemas de saúde, seja auxiliando a pesquisa laboratorial ou a reabilitação clínica, seja aprimorando tratamentos e diagnósticos.

As respostas à crise também despertaram o potencial inovador para os negócios, notadamente no uso das tecnologias digitais para viabilizar o trabalho, a educação ou o comércio a distância. No entanto, a crise pode exacerbar lacunas entre as grandes empresas e as pequenas e médias (PMEs), assim como entre setores diversos da economia. “Grandes esforços de políticas públicas serão necessários para impulsionar a adoção e difusão de ferramentas digitais, em particular para as PMEs.”

A pandemia é um lembrete da necessidade de transição para sociedades mais sustentáveis, equitativas e resilientes, e a ciência será essencial para promovê-las. Como aponta a OCDE, isso exigirá mais cooperação das iniciativas privada e pública, nacional e multilateral, no desenho de novos mecanismos de financiamento e governança, que, diferentemente dos atuais, encorajem mais pesquisas interdisciplinares de alto risco, compartilhamento de dados e mobilidade de carreira entre a academia e outros setores.

Muitas incertezas – como a evolução da pandemia; as preferências e valores sociais; o ritmo e direção da digitalização; as relações internacionais; ou a escala e distribuição dos impactos sociais – persistirão, mas, se os sistemas de pesquisa e inovação transformarem esses desafios em oportunidades, podem fornecer um imenso impulso à solução de grandes problemas sociais. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.