Pânico não é solução para o clima

A longo prazo não há conflito entre preservação e prosperidade. A curto prazo, é preciso ponderar custos e benefícios

Notas&Informações, O Estado de S.Paulo

31 de outubro de 2021 | 00h00

Como todas as Conferências Climáticas da ONU (COP), a 26.ª, que começa hoje, parte de um consenso: o dióxido de carbono aquece o planeta e degrada recursos da natureza, ameaçando a prosperidade da humanidade. Para que o planeta resista, é preciso que os combustíveis fósseis sejam abandonados. O dilema é que eles são letais para o futuro, mas vitais para o presente.

A pandemia foi uma advertência dos desequilíbrios entre o mundo humano e o natural. O aquecimento global é essa catástrofe em câmera lenta. Mas a escalada dos preços da energia indica uma crise na produção e no fornecimento. Políticas energéticas mal calculadas podem acelerar essa crise.

É mais fácil para os ricos exigirem fontes limpas, mas ainda caras. A energia é só uma fração de seus gastos. Para os países ricos, abrir mão de fontes fósseis custa menos. Obrigar os pobres a adotar tecnologias custosas pode drenar recursos de sua subsistência. Uma transição energética precipitada pode empoderar petroestados como a Rússia, a Arábia Saudita, a Venezuela e outras autocracias do cartel da Opep, e depreciações econômicas podem despertar revoltas populares contra a causa ambiental.

A precificação do carbono é a estratégia do Acordo de Paris para pressionar a descarbonização, minimizando impactos econômicos. A degradação das emissões e o combate a ela têm custos, que precisam ser incorporados ao custo dos produtores e repassados aos consumidores, incentivando-os a buscar soluções limpas. Os governos podem ou fixar um imposto sobre as emissões, e os produtores então competiriam para reduzi-las, ou estabelecer tetos, e quem emitir acima compraria créditos de quem emitir abaixo.

Uma tributação progressiva promoveria uma pressão contínua e homogênea. Mas sua eficácia depende de uma coordenação global ainda distante. Um mercado de carbono é mais factível, mas depende de uma atualização recorrente dos tetos e de fiscalizações custosas para evitar disparidades e encargos pesados ou leves demais. Possivelmente um sistema híbrido será a melhor solução. A COP deve avançar nas negociações, mas um acordo é improvável. Previsivelmente, as manchetes manifestarão frustração.

Uma mudança de clima emocional é outro desafio para um ambientalismo sustentável. Quando, há três gerações, os ambientalistas lançaram seus alertas, precisavam vencer o descaso e o desconhecimento. Mas, justamente quando engajaram a maioria da população e das lideranças políticas, econômicas e civis, a sua retórica se tornou mais extrema e apocalíptica. Não surpreendem as pesquisas que mostram que para metade da população as mudanças climáticas devem extinguir a humanidade – embora a ciência assegure que os riscos são grandes, mas manejáveis –, e para a maioria o mundo está piorando – quando os indicadores mostram as últimas gerações menos desiguais e mais sadias, prósperas e escolarizadas do que nunca.

Crescidos nessa atmosfera de catastrofismo, para muitos jovens o aquecimento global é uma obsessão que não conseguem enfrentar com outros recursos senão medo, raiva ou culpa, nem com a razoabilidade com que encaram outros desafios vitais como guerras, fome ou doenças. O pânico não trará soluções ao grande desafio de nosso tempo. Uma das missões da COP deveria ser dissipar a polarização entre negacionistas e alarmistas. A maioria das pessoas está apta a fazer concessões na prosperidade pela preservação e vice-versa, mas não a sacrificar uma pela outra.

O caso do Brasil exemplifica esses dilemas e distorções dos desafios climáticos. O estrago reputacional de seu presidente antiambientalista é incalculável. Mas o Brasil é maior que o governo. O País tem uma agricultura produtiva e sustentável, matrizes energéticas mais limpas, dois terços de cobertura nativa, quatro quintos da Amazônia intactos, e se nos últimos dois anos o desmatamento cresceu, nos últimos 20 caiu expressivamente. O País precisa fazer compromissos ambiciosos como todos, mas tem conquistas como poucos; muito o que ser cobrado, e muito a cobrar; muito a aprender, mas muito mais a ensinar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.