Fórum dos Leitores

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

05 de setembro de 2020 | 21h00

ESTADO DA NAÇÃO

ETERNA DESILUSÃO

Presidente grosseiro, destratando tudo e todos, que troca a governança pela busca da reeleição. Governador afastado por decisão judicial monocrática. Deputada federal mandante de crime protegendo-se na imunidade parlamentar. União, Estados e municípios se desintegrando economicamente porque obrigados a remunerar suntuosamente um batalhão de servidores. Eleições cuja prática democrática se restringe a nos permitir uma única participação: votar para eleger. Depois os eleitos podem aumentar sua remuneração, ter passagens aéreas (sem cotação), aluguel, escritórios, auxiliares (alguns para rachadinhas), carros, motoristas e outras ajudas de custo que saem do nosso bolso. E nós não temos como intervir tempestivamente, graças a uma legislação eleitoral construída pelos próprios beneficiados, que se abrigam em antros partidários, também sustentados por nós, via fundos partidário e eleitoral. E assim se vai esvaindo, dia a dia, a nossa esperança de um futuro promissor, permanecendo a continuada desilusão.

Honyldo Roberto Pereira Pinto honyldo@gmail.com

Ribeirão Preto


MARCHAS E CONTRAMARCHAS

Projetos que nunca são aprovados, apenas mudam de nome, juristas de reputação ilibada deixando seus cargos, rachadinhas mal explicadas e tantos outros fatos difíceis de entender e aceitar e que nos remetem ao ano de 2022, quando o sofrido povo brasileiro deverá escolher o novo mandatário da Nação. A pergunta que se impõe é: novamente teremos de nos lembrar, envergonhados, da célebre e sempre atual frase “cada povo tem o governo que merece”? Ou já teremos amadurecido e abdicado de esquerdas e direitas e mostraremos que o voto é uma oportunidade única e civilizada de mudar para melhor, mesmo afetando interesses mesquinhos e pessoais? Não sei por quê, mas sempre que ouço, leio e vejo os noticiários percebo atitudes pontuais e outras nem tanto que me fazem lembrar de tempos passados...

Vera Augusta Vailati Bertolucci

vbertolucci@yahoo.com.br

São Paulo


REFORMA ADMINISTRATIVA

PUXADINHO DECEPCIONANTE

Depois de ficar engavetada pela Presidência da República, eis que finalmente foi apresentada a esperada reforma administrativa, que enquadraria a casta privilegiada na vida normal da população trabalhadora. E que decepção! Ela está mais para puxadinho que para reforma, pois somente será aplicada aos novos funcionários, permanecendo intocáveis os privilégios dos atuais servidores públicos. Conseguiram fazer uma proposta cujos benefícios só serão vistos daqui a uns 20 anos! Isso se for aprovada por três quintos do Congresso, em dois turnos de votação, por se tratar de alteração da Constituição. E se não for modificada por pressão de entidades do funcionalismo. Para um país que está à beira da bancarrota, e precisa achar dinheiro para pagar a esses mesmos servidores públicos, investir em infraestrutura, educação e saúde, essa proposta com retorno apenas no longo prazo é inócua. Lembrando o que disse John M. Keynes, no longo prazo estaremos mortos...

Ademir Alonso Rodrigues rodriguesalonso49@GMAIL.COM

Santos


ABUSOS VÃO CONTINUAR

A partir de quando, mesmo, essa reforma administrativa surtirá efeito na economia? Meus netos e tataranetos vão continuar pagando os privilégios dos servidores públicos. Faltou ao governo Bolsonaro a coragem de mexer no alto escalão dos servidores que recebem muito além dos salários da iniciativa privada. Infelizmente, os abusos vão continuar, nos mesmos moldes da reforma da Previdência, quando várias categorias se aproveitaram e aumentaram os seus rendimentos.

Adalberto Amaral Allegrini adalberto.allegrini@gmail.com

Bragança Paulista


GASTADORES PÚBLICOS

Membros do Legislativo e do Judiciário manterão os benefícios. É sempre assim. Reforma é bom quando não mexe no bolso da classe política e dos altos escalões do governo e do Congresso. Como se o rombo nas contas públicas fosse dos servidores que sobrevivem do seu salário e respondem por 12% do movimento da economia. Basta do privilégio da gambiarra jurídica que fizeram os militares na reforma da Previdência. Basta da farra dos parlamentares, que aprovaram R$ 900 milhões para o fundo partidário e ainda querem que o povo acredite que estão preocupados com as verbas públicas. Quando o assunto são eleições ou gastos de gabinete, os infindáveis assessores, gente não concursada, rachadinhas e as possibilidades de corrupção, aí não existe, na verdade, a menor preocupação com os gastos públicos nem com as receitas da União.

Geder Parzianello gederparzianello@yahoo.com.br

São Borja (RS)


DIREITOS ADQUIRIDOS

Em 45 anos de trabalho na iniciativa privada, o direito adquirido que tive foi o de suar, vestir a camisa, defender quem me empregou, a quem sou extremamente grato. Cada qual de nós cumpriu as suas obrigações, eu de empregado e ele de empregador. Nesse período, regras mudaram quantas vezes foram necessárias e foram aceitas por ambas as partes. É o jogo, nada mais justo.

Paulo Cesar Zorzenon ipecampos@uol.com.br

Ipeúna                                               


DESMONTE DA LAVA JATO

INIMIGO PÚBLICO

Com o objetivo de agradar ao “PR”, de olho numa vaga no Supremo Tribunal, o procurador-geral da República, Augusto Aras, submete-se a qualquer papel, aniquilando a Lava Jato, arquivando processos, suavizando os caminhos da família Bolsonaro perante a lei. Vai ficando cada vez mais transparente o motivo por que o chefe do clã o escolheu para o cargo, ignorando a lista tríplice. É triste constatar que nosso país jamais deixará de ser uma republiqueta bananeira. E vivam a ilegalidade e a corrupção!

Heleo Pohlmann Braga heleo.braga@hotmail.com

Ribeirão Preto


O ESVAZIAMENTO DA LAVA JATO

Impressiona como a Operação Lava Jato, que pretendia ser um divisor de águas no Brasil, separando joio e trigo, maus caracteres e patriotas nacionalistas, e que foi encampada pelo presidente Jair Bolsonaro para se eleger, simplesmente não desperta, agora, maiores atenções quando, esganada lentamente, morrendo aos poucos sob o peso dos politiqueiros de mil caras, é, de pronto, colocada de lado como incômodo político para o establishment, simplesmente porque iria cobrar do País a moralidade pública jamais alcançada.

Marcelo G. Jorge Feres marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com

Rio de Janeiro

*

SANGRANDO

Existe uma ação tri-institucional, formada pelos Três Poderes, com a intenção de anular a Operação Lava Jato ou sangrá-la fortemente, como faziam os toureiros da Espanha, antes de enfrentarem seus touros vítimas, que inescapavelmente morriam nas arenas. O procurador-geral da República, Augusto Aras, foi escolhido fora da lista tríplice por Jair Bolsonaro com essa determinada intenção, que se confirma com a negociada saída do procurador Deltan Dellagnol da força-tarefa da operação em Curitiba, apesar da coincidência com problemas familiares. No Congresso Nacional, existem denúncias contra os dois presidentes das Casas e uma infinidade de parlamentares envolvidos com a operação, até a cabeça. Já no Supremo Tribunal Federal (STF) a coisa é mais discreta, mas não se pode dizer que, pelo menos, Dias Toffoli, Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski morrem de amor pela vitoriosa e democrática operação.

Abel Pires​ Rodrigues ablrod@terra.com.br

Rio de Janeiro

*

A LAVA JATO NA MIRA DOS PODEROSOS

A quem interessa o enfraquecimento da Lava Jato? E a quem não interessa o combate à corrupção? Será que tudo isso faz parte de um triângulo não amoroso entre presidente, procurador-geral da República versus Sergio Moro, e por ciúmes descobriram o DNA da Lava Jato e querem destruir o material genético juntamente com o pai da criança? Estão tentando proteger/blindar alguém dando um habeas corpus preventivo para proteger de algo que está por vir? Certeza de que, se tem, é que não estão interessados no bem da coletividade/sociedade. Quem viver verá!

João Batista Romao joao96682353@gmail.com

São Paulo

*

SEM PIEDADE

Incrível como no meio de uma pandemia tão letal como esta da covid-19 políticos sejam capazes de se articular em quadrilhas para roubar os cofres da viúva. Pior, são covardes, porque se aproveitam de fracos, doentes que têm nesses projetos de tratamento a esperança de sua sobrevida. O que move um ser humano desta laia? Sente-se superior a ponto de achar que seu poder lhe dá imunidade? Ou será se mostrar mais esperto que outros para tripudiar? Ou simplesmente a ganância de amealhar dinheiro? Uma combinação de tudo isso? Não importa, se desviam um ou dez. Devem pagar pelos erros que cometem. E é em função deste contexto que a existência e as punições levadas a efeito pela Lava Jato se justificam. Nada explica seu enfraquecimento num país onde a crueldade se faz presente sem complacência.

Sergio Holl Lara jrmholl.idt@terra.com.br

Indaiatuba

*

A PRESIDÊNCIA DO STF

Sobre a despedida de Dias Toffoli, já vai tarde, ministro!

Robert Haller robelisa1@terra.com.br

São Paulo

*

BOLSONARO

Foi eleito com a esperança de mudar velhas práticas. Não tendo base congressual, aliou-se a tudo o que prometera combater. Com auxílio do Judiciário e do Legislativo, nomeou Augusto Aras, defenestrou Sergio Moro, nomeou André Mendonça, escorraçou Deltan Dallagnol e secou a Lava Jato para instalar o “governo de coalisão”. Foi o “preço” para “governar”. A Nação pagará. Não será necessário Fabrício Queiroz depositar algum para ajudar...

A.Fernandes standyball@hotmail.com

São Paulo

*

PERDA DE TEMPO

Já se torna ocioso e cansativo criticar um Bolsonaro indiferente, que durante 20 meses de governo não desperdiçou ocasião para demonstrar falta de compostura e pouco apreço pela Nação. Nem bem eleito, desmentiu um de seus postulados, o de não candidatar-se à reeleição, fato que viria a nortear suas ações de governo. Esperar dele um estadista, nem por osmose, supondo que compreenda que o futuro está na educação, em pesquisas e inovações tecnológicas, que a saúde pública é coisa séria, que existem graves questões sociais pendentes a resolver, que segurança pública não é tiro-ao-alvo, que o meio ambiente é um ativo de toda a população e tem de ser cuidado, que a imagem externa do Brasil também é um ativo nacional a ser preservado, que as Forças Armadas são órgãos de defesa do Estado e não capturáveis, para brincar com submarinos e guerras de trincheira em gabinetes. Que democracias sérias se assentam sobre leis, com instituições livres, fortes, independentes e não subjugadas a serviço do governo de plantão. Que ganhar popularidade junto de beneficiários do auxílio emergencial é parte do jogo, assim como obtê-la com um consistente programa Renda Brasil. O que é inadmissível é lançar programas com o exclusivo propósito de satisfazer a obsessões eleitorais à revelia do equilíbrio fiscal, postergando reformas essenciais ao projeto nacional, repetindo as práticas que antes condenava, para ilusão dos incautos. Saber que esse tipo de atitude, de antepor os interesses pessoais aos da Nação, é responsável por ter tornado este o país eternamente do futuro. Por fim, resta esperar que os Poderes Legislativo e Judiciário deixem de lado suas querelas e interesses menores e cumpram com o que deles se espera, impondo limites a este desgoverno.

Alberto Mac Dowell de Figueiredo amdfigueiredo@terra.com.br

São Carlos

*

OS ‘GUARDIÕES’ DE BOLSONARO

Onde procurar os apoiadores de Jair Bolsonaro? É fácil: na folha de pagamento dos funcionários públicos. Está tudo escancarado, eles são pagos por nós. Brasil acima de tudo, Deus acima todos!

Sérgio C. Rosa sergiorosa@uol.com.br

Belo Horizonte

*

FORA DA REALIDADE

A entrevista concedida ao Estadão pelo ministro general Augusto Heleno é um engodo (‘É possível melhorar a preservação da Amazônia’, diz general Heleno, 4/9). Nela, Heleno, nada humilde, trata as duras e merecidas críticas que o Brasil recebe de líderes mundiais sobre o meio ambiente como de “interesse ideológico”.  Para nossa indignação – e também de investidores e ambientalistas –, o general infelizmente tem dificuldade de reconhecer o recorde de desmatamento na Floresta Amazônica em função do descaso deste governo que ele representa. Diferentemente do também general e vice-presidente, Hamilton Mourão, que, além de trabalhar para recuperar a confiança de governos que suspenderam até a ajuda financeira a fundo perdido que era direcionada para a fiscalização da nossa floresta, sensato, reconhece este grave problema, inclusive afirmando que o acordo comercial do Mercosul com a União Europeia pode fazer água.  Augusto Heleno em nada contribui tentando desvirtuar a realidade dos fatos.

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

FALTA AGIR

Mais uma “profunda” conclusão governamental sobre o desmatamento e o garimpo ilegal na Amazônia legal. Como se já não bastassem as declarações do vice-presidente Hamilton Mourão, agora se juntou o general Augusto Heleno, ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI). Ora, ambos reconhecem que o desmatamento e o garimpo ilegal aumentaram, mas creem que há “interesses ideológicos” na Amazônia. Mesmo assim, ambos permanecem imóveis e não combatem o que já ficou reconhecido pela dupla. Como já dizia aquela senhorinha de Taubaté, pior cego é aquele que não quer enxergar.

Júlio Roberto Ayres Brisola jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

A MENTIRA OFICIAL

É mentira que a Amazônia esteja prestes a ser invadida por exércitos estrangeiros, essa mentira vem sido repetida há 50 anos. Quem está destruindo a Amazônia é o Brasil mesmo, o País sempre foi incapaz de estudar, entender e gerir a fabulosa riqueza de sua biodiversidade. O Brasil permite e, agora, estimula uma exploração tosca da maior floresta do planeta. Derrubar a floresta, sua árvores milenares, matar seus animais exóticos, para criar gado, isso é uma atividade que só faz sentido para quem é ignorante de quinta geração. Destruir a floresta, envenenar os maiores rios do planeta, para garimpar uns poucos quilos de ouro só faz sentido para um imbecil. Todo o ouro garimpado na Amazônia não paga a despoluição dos rios contaminados. O Brasil precisa criar vergonha na cara, parar de repetir as mesmas mentiras de sempre e buscar ajuda estrangeira para criar um plano de ocupação e exploração racional e sustentável para a Amazônia, algo que em 500 anos o País nunca passou nem perto de fazer.

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

COVID-19 NO BRASIL

Mesmo vendo as mortes na Europa em dezembro, só pensávamos em carnaval. Os que trouxeram o vírus para o País se isolaram e, agora, aglomeram. Seus subalternos ou subempregados contaminados ganharam um “danem-se” do chefe da rachadinha da Nação, que quer vender cloroquina, que mata, mas é contra a vacina que salva. As mil mortes diárias não vão cair enquanto muitos se acharem imunes. Caiu outra fachada do brasileiro. Depois do pacífico e bom de bola, a do solidário.

João Bosco Egas Carlucho boscocarlucho@gmail.com

Garibaldi (RS)

*

NINGUÉM PODE OBRIGAR NINGUÉM

Governo diz que 'ninguém é obrigado a tomar vacina', mas lei autoriza aplicação compulsória (Estado, 1/9). O melhor português não seria: ninguém pode obrigar alguém a tomar vacina? Mas o melhor, mesmo, seria o presidente Bolsonaro não ter falado, porque a sua fala é um absurdo causador de muitos danos à população brasileira. Aliás, vejam a incoerência: se ele mesmo sancionou preceito legal estimulando o uso da vacina, como justificar ou insinuar o seu não uso? Pelo visto, enquanto estava quietinho, subiu nas pesquisas, mas vai descer novamente, porque as suas falas quase sempre acarretam desgostos, dúvidas e insegurança. Qual é o seu melhor caminho?

José C. de Carvalho Carneiro carneirojcc@uol.com.br

Rio Claro

*

NÃO TOMAR VACINA

A ignorância irresponsável é a mãe de Bolsonaro.

Cecilia Centurion ceciliacenturion.g@gmail.com

São Paulo

*

VACINA PARA O CLÃ PRESIDENCIAL

População humana será vacinada contra o coronavírus. Manada Bolsonara será vacinada contra a raiva. Ninguém pode obrigar ninguém a tomar vacina errada.

Paulo Sergio Arisi paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

VACINAÇÃO

O Supremo Tribunal Federal (STF) vai decidir sobre a obrigatoriedade de tomar vacina ou não. Está provado cientificamente que a vacina é medicina preventiva e, portanto, todo cidadão consciente e responsável é a favor da vacinação, sem a necessidade de a Suprema Corte intervir. Além disso, existem leis que impõem a vacinação, como é o caso do ECA, do artigo 268 do Código Penal e da Lei n.º 13.979/2020.

José A. Muller josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

*

PARADOXAL

“A saúde é o direito de todos e o dever do Estado”: o presidente Bolsonaro é um paradoxo constitucional. Há uma corrida pela vacina, porém ainda prevalece o espírito de porco. O bom de tudo isso é ver o símile de Bolsonaro (Donald Trump) estar com os dias contados. Sim, há limites para a loucura.

Leandro Ferreira silvaaleandro619@gmail.com

Guarulhos

*

COMPETIÇÃO INSANA

Sem qualquer sensatez, tirando partido até da pandemia, as ideologias buscam supremacia. Vacinas chinesa, cubana, russa, de Oxford e outras competem entre si numa corrida louca para chegar primeiro. Traria muito mais benefícios para a humanidade se todos os cientistas, de todas as nações, se unissem na descoberta de uma só vacina. A cupidez pelo poder é enorme.

Marcelo de Lima Araújo marcelodelimaaraujo@yahoo.com.br

Rio de Janeiro

*

LEITURA CORRETA

O respeitado infectologista Ricardo Zimmermann afirma que “outras gripes mataram mais do que a covid-19 está matando, sem contudo ter envolvido tal mobilização de isolacionismo social”. Portanto, precisamos ter a leitura correta do momento, ou de nada terá valido tal sacrifício socioeconômico que estamos sofrendo.

Francisco José Sidoti fransidoti@gmail.com

São Paulo

*

PREVENIR E EDUCAR SEMPRE

É assim, chocante, triste, doloroso e revoltante, mas infelizmente é mais comum do que pensamos. Quando um caso de violência sexual contra crianças é divulgado na imprensa, centenas de outros acontecem bem perto de nós. Dados do Ministério da Saúde mostram que a cada seis horas, em média, uma menina entre 10 anos e 14 anos chega a um hospital com quadro de aborto após abuso, quase sempre praticado por alguém de dentro de casa, por um familiar ou pessoa amiga da família. A notícia de que uma criança de apenas 10 anos estava esperando um bebê, após um estupro, no Espírito Santo, deixou todos no País indignados e muita gente abismada, ainda mais porque o suspeito era alguém da família da vítima. As estatísticas mostram que a menina de 10 anos que virou notícia vive situação parecida com a de outras tantas crianças que não estão seguras dentro de sua própria residência. Pelo menos 73% dos crimes sexuais cometidos contra menores aconteceram dentro de casa, segundo levantamento de 2019 do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos. Agora, se é dentro do ambiente em que a criança deveria se sentir mais segura que a violência ocorre, em qual local ela poderia ser orientada sobre o que é certo e errado em relação à sua intimidade e a seu corpo? Esse é um dos motivos pelos quais muitos especialistas apoiam e lutam por inserir a educação sexual nas escolas. O tema tem sido motivo de briga política e discussões ideológicas nos últimos anos, porém é preciso entender que a educação sexual não é ensinar o menor a praticar sexo, e sim a se defender de seus agressores.

Turíbio Liberatto turibioliberatto@hotmail.com

São Caetano do Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.