Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

27 de fevereiro de 2021 | 03h00

Petrobrás

A derrocada

Consumada a saída de Roberto Castello Branco da presidência da Petrobrás, a empresa divulga o maior lucro trimestral de sua história. Nada a estranhar. Trata-se do mesmo critério adotado por Jair Bolsonaro desde que assumiu o poder: se for eficiente, demite; caso contrário, mantém. E assim vamos caminhando irremediavelmente para o brejo.

LAIRTON COSTA LAIRTON.COSTA@YAHOO.COM

SÃO PAULO

*

Sem trabalhar...?!

Disseram que Castello Branco não trabalhou nos últimos 11 meses, no entanto, nossa petroleira teve um lucro muito expressivo. Bom seria que uns e outros do governo fizessem o mesmo. Nosso futuro seria mais promissor livre das besteiras diárias proferidas. Oremos.

ITAMAR C. TREVISANI ITAMARTREVISANI@GMAIL.COM

JABOTICABAL

*

Interferência presidencial

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) não vai tomar medidas nos casos Petrobrás, Banco do Brasil e Eletrobrás? O prejuízo foi muito grande para os pequenos investidores, bem como para os novatos em bolsa de valores, que confiaram nessas empresas estatais. Lembrando que os grandes investidores em geral nada perdem, pois se utilizam de meios de proteção. O que aconteceu é prova de que não estamos preparados para ter empresa estatal com capital aberto. Ou se privatiza ou se estatiza de vez!

JORGE DE JESUS LONGATO FINANCEIRO@CESTADECOMPRAS.COM.BR

MOGI-MIRIM

*

Pandemia

Mais de 250 mil óbitos

Menos de 3% da população mundial e 10% das mortes por covid no mundo. Este é o Brasil do capitão da “gripezinha”.

FRANCISCO CANTO PAMPADO.CANTO@GMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Onde vamos parar?

É inacreditável a inércia das autoridades federais diante do quadro da pandemia, que só aumenta. Passamos de 250 mil mortos, infectados encontram hospitais acima do limite de atendimento e o governo federal e o ministro da Saúde fazendo mais confusão do que ação para minimizar os riscos. Até vacina para o local errado conseguiram mandar. São campeões em equívocos. E a sociedade, desalentada. Faltou iniciativa no momento próprio e agora falta coragem. Estamos perdidos. Onde isso vai parar?

MARIO COBUCCI JUNIOR MARITOCOBUCCI@GMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Prejuízos políticos

Pois é, enquanto o vírus se disseminava, galopante, os “responsáveis” pela condução do País só pensavam e discutiam a economia, desdenhando da ciência e dos profissionais de saúde conscientes (sim, pois há os negacionistas). Agora, com a saturação dos leitos hospitalares, o acúmulo crescente de brasileiros mortos e a falta de vacinas, que deveriam ter tido prioridade, bem como de medidas sanitárias adequadas, que foram confrontadas e desestimuladas, correm desesperados contra o quase caos estabelecido, que poderá custar-lhes prejuízos políticos. Enquanto isso, no Congresso Nacional se discutem as melhores maneiras de proteger e livrar da lei os indecentes pares que lá convivem estreitamente. E boa parte do povo se recusa a entender a necessidade de se portar com respeito ao próximo, até mesmo e em especial dentro da sua própria família. Bando de inconscientes, irresponsáveis!

RICARDO HANNA, médico RICARDOHANNA@BOL.COM.BR

SÃO PAULO

*

Corrupção

PEC da blindagem

Se essa PEC da imunidade, ou da impunidade, for aprovada, creio que não nos resta outra atitude senão deixarmos de reeleger quem votar a favor. E se o voto for secreto, então é caso de se pensar numa campanha para não votar em ninguém que faça parte do atual Congresso, porque é um acinte essa gente achar que pode ter tantos privilégios sem nenhuma obrigação de andar na linha! Quem não deve não teme. É aguardar para conferir. Estaremos de olho, podem acreditar!

ELIANA FRANÇA LEME EFLEME@GMAIL.COM

CAMPINAS

*

Peroba neles

Quer dizer que esses deputados e seu presidente, Arthur Lira, foram eleitos para legislar só em causa própria? Imunidades, nepotismo, mordomias, etc., etc... De fato, só nos resta tirá-los em 2022!

TANIA TAVARESTANIATMA@HOTMAIL.COM

SÃO PAULO

*

Rachadinhas e fantasmas

Frequentemente são apresentados números mostrando que nas Casas Legislativas o número de funcionários efetivos, isto é, concursados, é muitíssimo menor que o de comissionados, os quais frequentemente não se sabe o que fazem, se é que fazem. Sem dúvida, há irregularidade nessa área, tais como as rachadinhas e os funcionários fantasmas. Aqui de fora, nós, eleitores, só podemos reclamar. Mas como as reclamações não adiantam nada, a situação só piora ano a ano. Essa não é uma situação própria para investigação pelo Ministério Público? Se for, por favor, não se façam de rogados.

WILSON SCARPELLI WISCAR@TERRA.COM.BR

COTIA

*

Plataformas digitais

O trabalho de hoje

Sucinto, lúcido e brilhante o texto de Pedro Doria que toca num dos problemas mais complexos do mundo atual: como garantir proteção para os trabalhadores de plataformas digitais. Os Tribunais de Justiça oscilam entre tratá-los como autônomos ou como empregados. As leis sobre o tema (embrionárias) mais confundem do que ajudam. A insegurança domina e apavora plataformas, trabalhadores e usuários. Uma solução inteligente terá de ser encontrada, pois é crescente o número de pessoas que trabalham dessa forma. Um intrincado desafio para os legisladores.

JOSÉ PASTORE J.PASTORE@UOL.COM.BR

SÃO PAULO

*

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

PAÍS SURREAL


País surreal o Brasil, nada é o que deveria ser e mais parece um film noir  de terceira categoria. O Executivo, encabeçado por um terraplanista/negacionista, não governa e não está nem aí com as necessidades do populacho que o elegeu, só pensa em se reeleger para continuar governando, governando o que e para que nem sabe. O que importa é submeter todos à sua vontade para que ninguém ouse empurrá-lo, e à sua família, para fora da borda do seu mundinho plano e ele possa continuar a fazer o que está fazendo, nada. O Legislativo legisla em causa própria para que ninguém que surpreenda senadores e deputados com a boca na botija tenha condições de lhes impedir negociar benesses ilegais e crimes, que levariam qualquer cidadão normal para a prisão algemado. O Judiciário, através de juízes e advogados, do alto da suas togas e palavrório rebuscado, não aplica a justiça igualitariamente, favorecendo os mais poderosos e abastados que podem pagar fortunas para advogados sem escrúpulos e que não estão nem aí com a verdade, enquanto o populacho não tem a quem recorrer e muito menos conseguir chegar a um STJ ou STF, coisa corriqueira para os poderosos endinheirados à custa de crimes impunes. As Forças Armadas assistem a toda essa representação grosseira de uma república, inanimadas ou em alguns casos coniventes, mas se locupletando com toneladas de picanha para rivalizar com o STF e suas lagostas acompanhadas de vinhos premiados e fazendo pouco dos milhões de miseráveis deste país. O Brasil não é mais o país do futuro, é um país derrotado pela sanha de seus algozes.

Filippo Pardini filippo@pardini.net


São Sebastião


*

INTERVENÇÃO PERVERSA

Mais um cirúrgico editorial do Estadão (23/02) com o título Uma intervenção desastrosa, quando Jair Bolsonaro intervém na Petrobrás, ao demitir seu presidente Roberto Castello Branco. Também é perversa, porque o presidente joga mais uma vez no lixo as regras de mercado e o respeito a quase 2 milhões de investidores que compraram no País e no exterior ações desta estatal, muitos deles trabalhadores brasileiros. E que viram derreter em dois pregões quase 28% o preço das ações, e a estatal perder R$ 100 bilhões do seu valor de mercado. Como bem descreve o editorial “esse episódio (de intervenção grosseira) combina com o fracasso econômico de sua gestão”. Perfeito! E não é a primeira vez que tenta intervir... Para salvar seu filho senador Flavio Bolsonaro e outros próximos da família, envolvidos nas investigações das rachadinhas, tentou intervir na PF, Receita Federal, no Coaf. Como também no Inpe e, recentemente, no Banco do Brasil.  Ou seja, Bolsonaro, perdido e sem rumo, que despenca nas pesquisas de opinião, não pode continuar governando, como faz, só para seus bajuladores radicais ou milícias.  Pior ainda, quando faz esta intervenção na Petrobrás, só para agradar aos caminhoneiros. Que não estão desempregados, menos ainda precisando de auxílio emergencial, como mais de 40 milhões de brasileiros passando até fome em meio a essa devastadora pandemia...

Paulo Panossian paulopanossian@hotmail.com

São Carlos

*

O PETRÓLEO É NOSSO?

A pergunta retórica foi feita pelo Jair Cloroquina Bolsonaro, aquele que não entende nada de economia! Resultou em pesadas perdas nas ações da Petrobrás, R$ 102 bi desde o dia 19/2; 11% do Banco do Brasil, e alta de 1,27% na cotação do dólar. Colocou um militar no comando da Petrobrás para controlar o preço dos derivados do petróleo independentemente das considerações do mercado. Estamos repetindo o “script” de Hugo Chávez? Que presidente é esse?


Omar El Seoud elseoud.usp@gmail.com


São Paulo


*


PETROBRÁS E O MERCADO

O que me chamou a atenção nessa barbeiragem do atual inquilino do Palácio do Planalto na Petrobrás foi a reação do tal mercado, não pelo uso legítimo de uma prerrogativa presidencial, mas pelo fato de esse mesmo mercado nunca ter se escandalizado diante de um político que exaltava a ditadura militar, elogiava torturadores, batia continência para bandeira estrangeira, fazia pouco-caso da pandemia e de mais de 250 mil brasileiros mortos, ironizava o uso de máscaras, fazia apologia das armas, enfim, sempre se mostrava e despreparado e desqualificado para o cargo, pelo qual esse mesmo "mercado" o apoiou em 2018. A vocês, eu digo: criaram o monstro, agora o embalem.

O Brasil não vive numa ditadura do Supremo nem do Congresso. Vivemos na ditadura do mercado, e o seu principal líder é o ministro da Economia, Paulo Guedes, que tem levado o País ao pior desastre econômico desde o saque da poupança do plano Collor. Creio que sua intenção é sabotar o Plano Real, dolarizando nossa economia, levando-a à ruína, como ocorreu na Argentina, que perdeu sua soberania monetária e nunca mais teve estabilidade econômica.


Sandro Ferreira sandroferreira94@hotmail.com


Ponta Grossa  (PR)


*

A FRAUDE DO ‘MERCADINHO’

O mercado está cometendo a maior ação fraudulenta de todos os tempos no caso da Petrobrás. O futuro presidente da empresa foi sereno ao afirmar que os interesses dos acionistas devem respeitados, mas, no mundo real, a população não pode ser penalizada. A verdade é que, tendo mais de 50% das ações com direito a voto, o povo é o maior acionista. Continuando, as ações perderam valor e o "mercadinho" (sim, é pouca gente, mas poderosa) acena com mais perdas. A fraude está em que Silva e Luna foi muito bem na Itaipu e nada indica – pelo seu passado e pela biografia já escrita que pretende preservar – que aceite ser manobrado por Bolsonaro quanto aos meios, embora precise atingir os fins, isto é, estabilidade nos preços dos combustíveis, essencial para a economia rodoviária que nos move. Isto não tem muito a ver com caminhoneiros-eleitores e sim com sabidos compradores de ações na baixa que venderão na alta que certamente virá. Jogo de cena nojento.


Paulo Melo Santos policarpo681@yahoo.com.br


Salvador


*


VADE RETRO SATÃ

Está certo o presidente Bolsonaro ao intervir na Petrobrás. Os bilhões que esta empresa perdeu na bolsa são perdas para especuladores, que nada produzem e consomem e infernizam a economia brasileira. Os ativos da Petrobrás continuam ativos, produtivos, tecnicamente saudáveis. Que sejam extirpados da estatal os parasitas, os improdutivos, os que só têm garganta para justificarem suas nomeações irresponsáveis. Pergunte a algum trabalhador da Petrobrás que está na plataforma o que é que ele pensa de seu colega que está no celular, no bem bom de Copacabana, vivenciando artimanhas estranhas aos objetivos da empresa!

Carlos Leonel Imenes leonelzucaimenes@gmail.com

Nazaré Paulista

*

SALÁRIOS NA PETROBRÁS

Pessoalmente, considero um rendimento altíssimo receber R$ 2,7 milhões por ano, embora seja uma empresa mista, isto é pública x privada, e também  mantida por seus acionistas, quando comparado aos ganhos anual de mais de 99% dos pobres mortais brasileiros ( Remuneração  de Castello Branco está dentro da realidade Estadão B6 23/02 ). Ele ainda ficou 11 meses em casa, caindo bonitinho essa vultosa  quantia mensalmente, enquanto enfermeiros, médicos em linha de frente no combate à pandemia morrem, sem falarmos em outras profissões.

Em tempo, não sou bolsonarista, estou órfão de candidato para 2022.


Claudio Baptista clabap45@gmail.com


São Paulo


*

PREÇO ABSURDO


Tenho um parente que mora nos EUA. Fui informado que o preço por litro de gasolina, pura e não batizada com álcool , lá custa US$ 0,60. Ao câmbio de R$ 5,50 seria o equivalente a R$ 3,30. A gasolina similar aqui custa R$ 6,00 o litro. Ou 81% a mais. O salário mínimo lá é US$ 1.200, seis vezes maior que aqui. Tem algo errado no reino das bananas. Neste caso Bolsonaro tem razão.


Iria de Sá Dodde iriadodde@hotmail.com


Rio de Janeiro


*

COMO? ONDE? A QUE HORAS?

É importante que o Prefeito de Cotia crie um esquema de divulgação de informações de agendamento e detalhes dos locais de vacinação. Quando se pergunta a alguma UBS sobre a vacinação os funcionários respondem que “não é com eles” e que “as informações estão no site da prefeitura”, onde, definitivamente, NÃO ESTÃO, e os telefones não atendem. Será que vou ter que ir à prefeitura perguntar, a quem? Por favor, alguém dê ao prefeito alguma orientação para divulgação do que há planejado, se houver, de forma a que todos tenham acesso.


Wilson Scarpelli wiscar@terra.com.br


Cotia


*


EIS A DIFERENÇA


Enquanto muitos países do mundo já comemoram os bons resultados das vacinas  contra o coronavírus, nosso mandatário Jair Messias Bolsonaro prega que, se alguém tomar  as vacinas  e se transformar em jacaré, é problema dele. Pobre Brasil.


Virgílio Melhado Passoni mmpassoni@gmail.com

Jandaia do  Sul (PR).


*




DESEMPENHO DO GOVERNO FEDERAL


Avaliando o desempenho do governo federal que já atingiu mais de 250 mil óbitos e só vacinou 2,5% da população, em breve teremos que pedir asilo político para Maduro, lá estaremos melhor.


Aldo Bertolucci aldobertolucci@gmail.com


*

O VENTO DIVINO

Hiroshima e Nagasaki, em 1945, foram bombardeadas, atomicamente, pelos norte-americanos, e morreram mais de 500 mil pessoas entre as duas cidades. Hoje os Estados Unidos da América do Norte, tem 500 mil mortes, bombardeadas pela covid-19, e compadecem de dor. Será que esse brutal exemplo não sensibiliza o nosso governo? Lembrando que amanhã outros ventos soprarão e com certeza a punição chegará mais a frente.

Akira Chinen akchinen@adv.oabsp.org.br

São Paulo

*

GENOCÍDIO CONTINUADO

O ministro da Saúde pede ajuda ao Planalto para comprar as vacinas da Pfizer e da Janssen, fica claro mais uma vez que Eduardo Pazuello é apenas um intendente de ordens, quem manda no ministério da Saúde é o presidente da República. Jair Bolsonaro não quer saber das vacinas, essa postura negacionista e equivocada de Bolsonaro já custou um enorme atraso na vacinação, o País não comprou as vacinas na hora certa e Bolsonaro segue fazendo tudo que pode para dificultar a vacinação. As autoridades competentes, PGR, MP e STF, devem intervir a favor do ministro da Saúde e obrigar o governo a comprar as vacinas, sob pena de se tornarem cúmplices do genocídio praticado pelo presidente da República. O julgamento de Bolsonaro pode esperar, as vacinas não, elas têm de ser compradas agora.

Mário Barilá Filho mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

 

*

STF, BOLSONARO E A CLOROQUINA.


  O STF encaminhou notícia de possível delito ao procurador-geral da República, Augusto Aras, para que atue contra Jair Messias Bolsonaro, presidente da República, sobre suas ações de receitar, sem ser médico, o uso da cloroquina como remédio para a covid-19. Cientificamente se encontra definido que a cloroquina não tem poderes para curar ou interferir beneficamente no tratamento da covid-19, no entanto, o presidente foi insistente na sua indicação, no que foi seguido e obedecido pelo ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello. Aras fará corpo mole e vai prevaricar ou não? Vamos aguardar.


José Carlos de Carvalho Carneiro carneirojcc@uol.com.br

Rio Claro


*

AUTORITARISMO


Não entendo nosso regime democrático em que o presidente da República está desmontando as instituições de Estado e ninguém toma nenhuma atitude para proteger o Brasil de suas atitudes imperiais. Chega!


Luiz Frid  luizfrid@globomail.com


São Paulo


*


IDEOLOGIA ESCONDIDA 


Jair Messias Bolsonaro ganhou as eleições declarando-se liberal. Entretanto, escondeu sua liberalidade e até agora não demonstrou acreditar em sua opção ideológica. O País continua com 418 estatais e, embora o SUS tenha capacidade para vacinar 60 milhões de pessoas por mês, não temos vacina. E ainda troca o presidente da Petrobrás, após tirá-la da falência. Ora, onde enfiou seu liberalismo?


José Carlos de Carvalho Carneiro josecarlosdecarvalhocarneiro@gmail.com


*

SENADOR DO CASO DA CUECA RETOMA MANDATO      

Prezado presidente do Senado sr.  Rodrigo Pacheco, o povo brasileiro aguarda uma atitude do Senado em relação à volta do senador Chico Rodrigues que foi flagrado com dinheiro escondido na cueca! Esse senhor é suspeito de desvios de recursos destinados ao combate à covid em Roraima! Até quando teremos esse tipo de políticos ?

Cleo Aidar cleoaidar@hotmail.com

*

LÍDER DO GOVERNO DEFENDE NEPOTISMO NO SETOR PÚBLICO


É uma pouca-vergonha que se mantenha gente desta espécie no setor público.


Robert Haller robelisa1@terra.com.br


São Paulo




*

É DIFÍCIL QUE SEJA FÁCIL

Um trecho de Dia feliz em plena tormenta (Ignácio Loyola Brandão – Estado 26/2/21) me levou de volta a momentos felizes da minha juventude. “Olhei para a rua e dei com o bonde Avenida 3 vindo, e eu, magro, magro, dentro. Era 1957 e eu desceria no Mappin e seguiria a pé até a Última Hora, no Anhangabaú, meu primeiro emprego em São Paulo.” Nos idos de 1957, com 14 anos, eu morava na Alameda Casa Branca a três quadras da Avenida Paulista e uma das coisas que eu mais adorava era subir correndo até a Paulista e lá esperar o bonde Avenida 3 em direção ao Mappin. Mas tinha de ser o Avenida 3 aberto e nele me deliciava com o vento e os sons característicos do bonde ao chacoalhar nos trilhos e da campainha estridente que pedia parada no próximo ponto. Era uma felicidade! Lembro até hoje desses momentos, eu não queria descer do bonde, ia e voltava. Naquela época as pessoas eram cordiais, os vizinhos se encontravam na rua, as casas ficavam abertas e a vida parecia fácil. Acreditava eu no Brasil e no seu destino grandioso. Hoje, 64 anos depois, aquela minha visão infantil desmoronou completamente ante os absurdos que acontecem sem perspectiva de mudança.

Filippo Pardini filippo@pardini.net

São Sebastião

*

CAIXA DE SURPRESAS

Enfim o Flamengo, quando a própria melhor equipe do Brasileirão desacreditava do título, em campo e nos bastidores, fatos favoráveis aconteceram nas últimas rodadas e, nos minutos finais da competição, aos 48 da prorrogação, a equipe rubro-negra assume a ponta e, surpreendentemente, é premiada com a taça de campeão. O futebol é uma caixa de surpresas...

 

Humberto Schuwartz Soares hs-soares@uol.com.br

Vila Velha (ES)

*



 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.