Fórum dos Leitores

Cartas de Leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

27 de dezembro de 2021 | 03h00

 

Mito do atraso

Equipe imbatível

Assim como o financeiro, o capital político leva tempo para ser amealhado, mas, tal qual aquele, este pode ser perdido em pouco tempo, caso não seja administrado com zelo. Surpreende-me que, diante de tantas infâmias, baixarias e resultados medíocres, protagonizados e colhidos pelo presidente da República em três anos de mandato, ele ainda possui algo em torno de 25% de eleitores. No entanto, é preciso destacar que foi eleito com mais de 55%, ou seja, sua impostura presidencial, comportando-se ora como garoto mimado, ora como Napoleão de hospício, decisões tresloucadas e a forma caótica de governar já lhe custaram 30% de eleitores. De quebra, reabilitou a oposição, em especial o PT e Lula, que, jogando praticamente parados, emergiram novamente à ribalta. O paradoxo é que a pandemia ofereceu uma oportunidade ímpar aos líderes mundiais de unirem seus povos e se destacarem fazendo apenas o que era vital. Mas aqui o presidente fez a opção pelo erro, o atraso e mais que a indiferença, pelo sadismo cínico e genocida, que matou mais de 620 mil brasileiros. Na reta final de seu fatídico mandato, sem dúvida, o pior da nossa história, o “mito” virou mico, ou como se diz na política, um “pato manco”. O feito é de mérito dele e de Paulo Guedes, ambos hoje os melhores cabos eleitorais de Lula.

Sandro Ferreira

sandroferreira94@hotmail.com

Ponta Grossa (PR)

*

Estratégias de governo

Desmonte do Iphan

Caberá ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) André Mendonça relatar um pedido de investigação contra o presidente Bolsonaro a respeito das demissões no Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) feito pelo senador do Amapá Randolfe Rodrigues. Algum problema quanto a essa notícia? Não, apenas que Mendonça até ontem era funcionário do governo federal e foi escolhido por Bolsonaro por ser “terrivelmente evangélico”. Em muitos países, em situações como essa, aquele designado como responsável pelo processo, se tiver qualquer proximidade com o investigado, renuncia à tarefa alegando impedimento moral. Não se duvida aqui do conhecimento jurídico do ministro, mas ele poderia renunciar ao caso, porque, mesmo que prove de forma absoluta a inocência do investigado, sempre haverá suspeita de favorecimento.

Laércio Zannini

zannix813@gmail.com

São Paulo

*

Ajuste de salários

Mais uma patacoada do presidente. O editorial (Quitanda eleitoral de Bolsonaro, 24/12, A3) mostra o quão minúsculo é o despresidente deste País, fazendo estrago após estrago nas estruturas do Estado brasileiro. Sem qualquer chance de reeleição, deverá traçar uma outra estratégia. Ou ele voltará ao baixo clero parlamentar, de onde nunca deveria ter saído, ou irá para a cadeia, único lugar que lhe é apropriado, valessem os ditames republicanos e de justiça.

Adilson Roberto Gonçalves

prodomoarg@gmail.com

Campinas

*

Consulta pública

Vacinação de crianças

É simplesmente lamentável a postura do presidente Bolsonaro e do seu capacho ministro Queiroga, que, aliás, por sua postura, não consigo entender como conseguiu se eleger presidente do Conselho Brasileiro de Cardiologia. É notória a intenção de ambos de que a vacinação das crianças não ocorra ou que seja retardada ao máximo, então pergunto onde anda o Conselho Federal de Medicina que está totalmente omisso? Espero que haja uma união de todos os governadores para agilizar ao máximo a vacinação das crianças com os mesmos requisitos/procedimentos das vacinas da gripe, varíola, etc.

Luiz Roberto Savoldelli

savoldelli@uol.com.br

São Bernardo do Campo

*

Vacinas necessárias

Apesar de estar sob o pior governo de sua história, o povo brasileiro, ao contrário do desgoverno negacionista e antivacina, aderiu em massa às vacinas anti-covid em todo o País. Vai chegar a hora de nos vacinarmos contra a idiotice no poder, anticorrupção dos políticos e dirigentes de estatais e nas grandes empresas prestadoras de serviço, contra a ignorância e contra a eleição dos piores no poder, a caquistocracia.

Paulo Sergio Arisi

paulo.arisi@gmail.com

Porto Alegre

*

 

________________________________________________________

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

*

 

PERFIL DE BOLSONARO

A cada semana fica mais caracterizado o caráter de Bolsonaro: obscuro, canhestro e atabalhoado. Suas atitudes são desprovidas do menor bom senso,  argúcia, racionalidade, empirismo, margeando a loucura ou total alucinação. Apoiá-lo só se coaduna como contrapartida material, sem o menor laivo de lucidez. Daí o porquê de sua permanente queda nas pesquisas eleitorais, desqualificando-o para a reeleição e a perpetuação no poder, seu único objetivo plenamente perceptível. 

Lairton Costa

São Paulo

*

DIZEM-SE CRISTÃOS

Na contramão mundial da ciência, mentiu e lucrou com a cloroquina, sabotou a vacinação e provocou a morte de mais de 600 mil mortos. Faliu o País e trouxe a fome de volta aos pobres. Agora quer mais mortes entre as crianças. Torra o nosso dinheiro sem trabalhar, há três anos, mas agrada a sua minoria néscia e trambiqueira.

João Bosco Egas Carlucho

boscocarlucho@gmail.com

Garibaldi (RS)

*

PLEBISCITO DA VACINA

Chegamos ao cúmulo do absurdo do negacionismo imposto por um ministro da Saúde, um médico cardiologista consagrado, por um presidente irresponsável, psicopata e criminoso. O ministro Marcelo Queiroga impôs ao País, por meio de uma espécie de plebiscito, um questionário para ser preenchido aleatoriamente pela internet, sem o menor controle e transparência, a respeito da vacinação em crianças de 5 a 11 anos. Mesmo a vacina já tendo sido liberada por um comitê da própria casa e pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Justamente num momento em que já registramos uma morte a cada dois dias dessa faixa etária.

Abel Pires​ Rodrigues

abel@knn.com.br

Rio de Janeiro 

*

POLITICAGEM

Para serem vacinadas, as crianças não precisam de atestado. Comprovado está  que o ministro não tem vergonha na cara.

Ademir Fernandes

standyball@hotmail.com

São Paulo

*

MARCA NA HISTÓRIA

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, declarou que não vê emergência em relação aos óbitos de crianças por covid-19, porém, em 21 meses de pandemia de coronavírus, 301 crianças morreram no Brasil em decorrência do vírus. E, assim, creditemos aos engavetadores oficiais de pedidos de impeachment contra o presidente Bolsonaro e de investigações contra o seu governo, Arthur Lira e Augusto Aras, todos os males advindos da manutenção desse estado de coisas grotescas em nosso País. E que a história jamais os esqueça, e que os defensores das vidas e das justiças devidas jamais os olvidem, de mesmo modo como os caçadores de nazistas jamais se esqueceram dos seus algozes.

Marcelo Gomes Jorge Feres

marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com

Rio de Janeiro

*

ELEIÇÕES 2022

Lula e Bolsonaro estão certíssimos. Uma raridade! Nem Bolsonaro, nem Dória, nem Lula, nem Haddad.

Oscar Thompson

OscarThompson@hotmail.com

Santana de Parnaíba

 

 

*

DUPLAS

Devido à caricata, cômica, grotesca chapa Lula/Alckmin, os petistas estão sondando FHC.

Eugênio José Alati, 

eugenioalati13@gmail.com

São Paulo

*

SÉRGIO MORO 

A recusa do ex- juiz e candidato à Presidência da República, Sérgio Moro, em debater com o também candidato Ciro Gomes, por sua “postura ofensiva e agressiva”, foi prontamente respondida pelo ex-governador de forma não menos ofensiva e agressiva: “ele [Moro] é um corrupto mentiroso”. Não é por acaso que a candidatura de Gomes está derretendo, antes mesmo do início da campanha e o motivo pode ser auspicioso: o brasileiro equilibrado e de bom senso está cansado de assistir a trocas de acusações entre candidatos. Ele quer ouvir os projetos que os postulantes têm para o Brasil e assistir a embates construtivos em torno de ideias. É bem possível - tomara - que o modelo de gritos e contendas esteja com os dias contados. 

Luciano Harary

lharary@hotmail.com

São Paulo

 

*

POBRES BANCAM FESTA DE RICOS

Para conseguir dar R$ 400 mensais aos mais vulneráveis, Bolsonaro aumentou o teto da gastança a singelos R$ 113 bilhões para 2022, tudo à custa do calote dos precatórios. Na verdade, são os pobres bancando a festa dos ricos, como já dizia aquela senhorinha de Taubaté. Afinal, esse é o estadista tupiniquim e suas sofríveis soluções!

Júlio Roberto Ayres Brisola

jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

FUNDO ELEITORAL

Não bastasse o orçamento secreto, que privilegia interesses pessoais em detrimento às reais necessidades do País, temos agora que aceitar o absurdo montante de quase 5 bilhões de reais, aprovado como Fundo Eleitoral para 2022. Intragável, revoltante. Apenas como comparação, com muitos sendo obrigados a voltar a utilizar lenha para preparar seus alimentos, o valor aprovado para o Auxílio Gás foi 16 vezes menor, de 300 milhões de reais. O melhor a fazer por parte dos eleitores conscientes é não votar em quem aprovou esse absurdo. Que seja a última farra com o dinheiro público e  que faz falta para tanta gente. 

Marcos Lefevre 

lefevre.part@hotmail.com

São Paulo

*

TURISTAS DESRESPEITADOS

Para quem pensa que só a Itapemirim está endoidecendo os clientes, saiba que a distinta American Airlines está aprontando também. O voo Nova York- São Paulo 951, de  23 de dezembro, segundo o aviso da companhia aérea aos passageiros já na sala de espera, iria atrasar 45 minutos. Algum tempo depois, os passageiros foram avisados de que o voo fora cancelado, porque não havia piloto disponível (só então a respeitável empresa descobriu que faltava piloto? Na hora do embarque?) Marcaram o voo para o dia seguinte, às 13h30. Mas os passageiros, já na sala de espera, foram avisados da  nova mudança de planos: iriam embarcar num voo para Miami e de lá pegariam conexão para São Paulo. Embarcaram e chegou um novo aviso. Todo mundo fora, para aguardar um voo à noite, 21 horas, direto para São Paulo. Parece piada? O CEO da empresa saiu de férias com toda a equipe?

Mirna Gleich

mirnasg@uol.com.br

São Paulo

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.