Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

09 de fevereiro de 2022 | 03h00

Economia

Fracasso como ministro

Guedes, o Posto Ipiranga do Bolsonaro, reclamou que “não teve apoio para implementar a agenda liberal”, para justificar seu fracasso como ministro da Economia nesses três anos. Se fosse profissional sério e honesto, deveria ter pedido demissão do cargo, em vez de empatar a economia do País por obediência cega (ao desgoverno), usufruindo do salário e de outros benefícios.

Etelvino José H. Bechara ejhbechara@gmail.com

São Paulo

*

PEC Camicase

Não deixou de ser surpresa o apoio de membros de peso do Senado Federal (como o filho do presidente, Flávio, o líder do governo, Eduardo Gomes, além de Marcos Rogério) ao projeto do senador Carlos Fávaro (PSD-MT), apelidado por técnicos da equipe econômica como “PEC Camicase”. Caso passe no Congresso, o efeito futuro vai ser devastador e, talvez, não surta o resultado eleitoreiro desejado, assim como ocorreu com a PEC dos Precatórios. Mais uma comprovação do desespero na busca pela reeleição.

Jorge de Jesus Longato financeiro@cestadecompras.com.br

Mogi-Mirim

*

Política

Consciência necessária

Perfeito o editorial do Estadão (O Supremo – e a lei – sob ataque, 8/2, A4). Mas o que mais me entristece é a passividade da chamada classe dirigente. Do Congresso Nacional, em seu conjunto, e da maioria dos políticos, muito pouco se poderia esperar. Do atual Executivo federal, muito menos. Portanto, caso os brasileiros queiram, de verdade, melhorar o Brasil, será preciso mudar radicalmente a forma de olhar para a política e inverter quase tudo o que se fez nos últimos 15 ou 20 anos, como já disse alguém. É óbvio que os Três Poderes precisariam estar à altura dos grandes desafios nacionais neste e nos próximos anos. Mas as circunstâncias atuais me obrigam a insistir naquilo que entendo como essencial: o brasileiro compreender o quão importante é envolver-se nas discussões políticas e, sem qualquer condescendência, lutar para manter a democracia e o Estado de Direito. Sem isso, tudo ficará muito mais difícil.

Paulo Roberto Guedes prguedes51@gmail.com

São Paulo

*

Defendendo o próprio bolso

A máscara um dia cai. O Partido dos Trabalhadores (PT) propala aos quatro ventos que defende os trabalhadores. Ledo engano. Na matéria Partidos devem R$ 84 milhões aos cofres públicos (7/2, A6), esse discurso por certo se mostrou falacioso, ao ser divulgado que o referido partido deve para a Previdência Social a bagatela de R$ 16,4 milhões e outros R$ 135 mil para o FGTS. Na verdade, estão desviando numerários dos trabalhadores.

Alberto Daniel Alves Antônio albertoalvesantonio@terra.com.br

São Carlos

*

Dívidas dos partidos

Conforme divulgado pela imprensa, os partidos políticos devem R$ 84 milhões em impostos e contribuições da Previdência. São esses senhores que administram nosso dinheiro vindo de impostos e nosso país. O maior devedor é o PT, com uma divida de mais de R$ 23 milhões. O governo deveria agora descontar estes valores do Fundo Partidário, apesar de achar que o valor deste fundo é totalmente imoral.

Carlos Alberto Duarte carlosadu@yahoo.com.br

São Paulo

*

Mudanças urgentes

Os fundos partidário e eleitoral são o que podemos chamar de maior roubo contra a sociedade brasileira em todos os tempos. Fora a corrupção que domina o País. O fundo partidário forneceu cerca de R$ 1 bilhão aos partidos políticos em 2021. O fundo eleitoral deste ano é de R$ 4,9 bilhões. Esse dinheiro vem do pagamento de impostos de quem trabalha. Dinheiro legal, que poderia resolver vários problemas graves de nosso país. E com o uso pelos políticos e partidos esse dinheiro fica sem controle e vai para a ilegalidade. Serve para bancar mensalões, pagar advogados para políticos condenados, entre outras coisas. E tem gente que fica se preocupando se o presidente come farofa na rua, se vai haver parada gay ou a escalação da seleção. Sabe quem é o responsável por tudo isso? Nós, que votamos nas piores pessoas da nossa sociedade. Chegou a hora de pessoas decentes e honestas assumirem o poder e a administração pública municipal, estadual e federal.

André Coutinho arcouti@uol.com.br

Campinas

*

_________________________________________________________________________________________

Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

OPERAÇÃO LAVA JATO

Todo político bem-intencionado deste país chamado Brasil teria por obrigação moral e intelectual ser defensor da Operação Lava Jato e dos procuradores de Curitiba que lhe deram efetividade. Quem, sob qualquer circunstância e hipótese, se colocou ferreamente em total oposição à Lava Jato demonstra que, seguramente, não é um agente confiável em quem a população brasileira possa depositar suas mais sérias e profundas esperanças por um Brasil melhor. Simples assim: conhece-se da árvore por seus frutos, conhece-se das pessoas por seus interesses.

Marcelo Gomes Jorge Feres

marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com

Rio de Janeiro

*

INÚTIL BRASÍLIA

Irrelevante e inoperante, eis o quadro de tudo o que acontece, ou não acontece, em Brasília. Toda a engrenagem tem como foco os interesses deletérios da inqualificável classe política da ocasião. Em momento algum há o Brasil e sua população como interesse e propósito.

Theo J. Santos

santos_rj@uol.com.br

Brasília

*

O ANO DA TRILHA FINAL É 2022

O que mais incomoda é estar assistindo à TV como de costume e, de repente, pinta na tela a imagem escrota de um Lula fazendo cara de esperto, para comentar sobre os americanos ou sair com a promessa (?) “de que vai acabar com essa de enriquecer acionista da Petrobrás e empobrecer dona de casa”! Durante 13 anos mandou no País por meio do seu (mesmo!) PT, que deveria chamar-se Partido Lulino ou coisa parecida, e não fez na época o que promete fazer agora para enganar eleitores analfabetos que acreditam nele. Lula ainda existe graças a uma classe política comunista de bom tamanho e a uma imprensa mais esquerdista como jamais houve, mesmo esquecida do escândalo da imensa corrupção montada no governo lulista, de tamanho nunca visto no País. Interessante é que, no auge da Operação Lava Jato, a imprensa fazia a festa com seu noticiário sobre o assunto e tratava Sérgio Moro como herói nacional, mas bastou mudar a situação graças a um generoso STF petista e rapidamente voltou a bajular o Lula, e cobra ver Moro na cadeia, principalmente se os ministros petistas do STF caírem matando em cima dele. Graças ao STF petista e à imprensa esquerdista, Lula renasceu e tem cara de quem vencerá a eleição e poderá acabar de vez com o País, porque o outro lado mostra um rival que parece mais perdido que cachorro que caiu de caminhão de mudança. Do resto dos políticos não há nenhum em quem confiar. Estamos na trilha final, porque volta o que nunca deveria ter sido.

Laércio Zanini

spettro@uol.com.br

Garça

*

DIFERENÇA SUTIL

Difícil estabelecer uma diferença entre a política praticada no Brasil e em alguns países do mundo e uma latrina. A única coisa que talvez as diferencie seria que a latrina, se tiver água, pode ser limpa. Não vislumbro mais nada.

Iria de Sá Dodde

iriadodde@hotmail.com

Rio de Janeiro

*

VAMOS ASSUMIR A CULPA

Como viver sem expectativa de futuro num vasto universo de oportunidades?

Este Brasil foi destruído até agora por políticos sem formação moral, que há décadas se intitulam brasileiros, ou por nossa omissão?

Vamos tomar conta de nosso país, escolher representantes com formação e visão de médio e longo prazos. Curto prazo não resolve, só acumula problemas.

Podemos recuperar em poucos anos a dignidade dos menos favorecidos, a estabilidade da classe média, a confiança dos ricos/investidores geradores de riqueza e empregos.

A nossa omissão merece destaque.

Mauricio L. Bianchi

mauriciolbianchi@gmail.com

São Paulo

*

PARTIDOS DE ESQUERDA SE DIGLADIAM PELO BANDEIRANTES! 

Como na Roma antiga, praticamente está prestes a cair o último bastião (PSDB) do Estado de São Paulo. Talvez o correto fosse afirmar: o Estado de São Paulo está sendo entregue – ou trocado por uma vaga promessa de vice do candidato que pontua as pesquisas eleitorais – como se faz com um carro velho ou objeto indesejado. Apenas para registrar: o PSDB pegou o Estado de São Paulo após dois governos desastrosos: do falecido Orestes Quércia e do promotor de justiça Luiz Antônio Fleury. O primeiro admitiu publicamente: “Quebrei o Banespa, mas elegi o meu sucessor”. O segundo foi o único governador que entregou o governo – no final de mandato – sem pagar o 13º salário para o funcionalismo, além de outras estripulias administrativas. Os “tucanos” – apesar de nunca atenderem à ânsia dos funcionários para melhores vencimentos – mantiveram regiamente seus compromissos em dia. Numa época em que o governo federal e outros Estados produziram um sem número de escândalos, o Estado de São Paulo se firmou como exemplo administrativo e com a pujança da sua economia ajudou o País nessa difícil travessia. Então, juízo na hora de votar! Todo cuidado é pouco!

Noel Gonçalves Cerqueira

noelcerqueira@gmail.com

Jacarezinho (PR)

*

OI MÓVEL

O Ministério Público Federal (MPF) que impedir a venda da OI móvel para as concorrentes.

Gostaria de saber do MPF qual é a alternativa: deixar a oi falir e encerrar as atividades?


Renato Maia

casaviaterra@hotmail.com

Prados (MG)

*

O VELHO PT

Para refrescar a memória dos brasileiros no caso da Operadora Oi, é só verificar as notícias na imprensa das denúncias de Roberto Jefferson em 2005 envolvendo a Portugal Telecom, o então ministro da Casa Civil José Dirceu e o governo Lula. Muitas suspeitas, muito dinheiro envolvido e tudo ficou por isso mesmo. Agora vemos quem está pagando a conta.

Luiz Frid

fridluiz@gmail.com

São Paulo

*

QUADRO POLÍTICO

Teremos as mais importantes eleições gerais no País e o quadro não é tão promissor. De um lado, uma direita com má comunicação com a população e baseada num presidente falastrão e meio estabanado. De outro, uma esquerda formada por organizações criminosas e apoiada por gente corrupta e nociva. Ao centro, os partidos mercenários de sempre, esperando o próximo governo assumir e vender seu apoio. Tudo isso sob um Poder Judiciário inimigo da nação e os meios de comunicação com baixa credibilidade.

Foi isso que nossa democracia conseguiu construir nesses últimos quase 40 anos?

André Coutinho

arcouti@uol.com.br

Campinas

*

YOUTUBER MONARK

O mais impressionante de tudo isso é que não basta o tal youtuber Monark fazer uma defesa acintosa do nazismo,  é que, em tempos bolsonaristas, pessoas como ele têm voz e, pasmem, ganham mais dinheiro que muitos jornalistas excelentes.

Marcos Barbosa

micabarbosa@gmail.com

Casa Branca

*

DEMOCRACIA E NAZISMO

Informação errada ou distorção de palavras não combinam com bom jornalismo. O que o tal Monark (nem gosto do estilo dele nem de seu programa) fez foi defender que uma verdadeira  democracia, robusta e forte, não deveria ter receios nem mesmo em dar a voz a nazistas contrários a esta mesma democracia. Em momento algum ele os defendeu ou as suas ideias tortas! E ele tem razão. Lembro que nos EUA há décadas existe registrado e oficialmente funcionando um Partido Nazista da América, assim como um Partido Comunista Norte-Americano.

Aqui vige a hipocrisia de uma democracia com “d” minúsculo, paternalista da vontade popular, em      que, por exemplo, neste tema, a suástica é proibida por uma lei própria e bonitinha (como se isso fosse impedir alguém de ser nazista ou de admirar esta porcaria), mas a foice e o martelo e sua ideologia tão assassina, ditatorial estatal e de partido único quanto à do nefando nazismo, assassinou muito mais pessoas e por muitos mais anos e em muitos mais países (como até hoje na Coreia do Norte e em Cuba), do que aqueles carniceiros dos anos 30/40 que o rapaz nunca defendeu ou quis defender ao afirmar apenas que em uma democracia real não precisamos temer idiotas de nenhuma ideologia que façam uso da liberdade de expressão da qual eles mesmos são inimigos! Em seu jeito tosco, anti-intelectual, meio moleque, mas sincero, Monark entendeu tudo, vocês não! 

Paulo Boccato

pofboccato@yahoo.com.br

Taquaritinga

*

A PANDEMIA DOS NÃO VACINADOS

Levantamento do Hospital Emilio Ribas, centro de excelência de infectologia de São Paulo, revela que a cada cinco internados com covid, quatro não tomaram a vacina ou estão com doses atrasadas. Nos últimos três meses, 85% dos pacientes que ali morreram pela ação e consequências do coronavírus não tinham a vacinação completa. O hospital, integrante da rede pública paulista, registra atualmente a ocupação de 100% dos leitos destinados ao tratamento de covid. Pesquisadores da Fundação Osvaldo Cruz (Fiocruz) informam que, por causa da variante Ômicron, o quadro começou a mudar muito rapidamente em novembro, que foi o primeiro mês desde o começo da pandemia em que todos os Estados tiveram menos de 60% dos leitos ocupados. Uma importante rede de hospitais privados – que administra 60 estabelecimentos em 12 Estados – informou que no fim de dezembro havia 200 pacientes internados e hoje são 1.400. Segundo a empresa, a maioria é composta por pessoas com o ciclo vacinal incompleto, com comorbidades e idade avançada. É uma situação perversa pois, de um lado, temos as autoridades sanitárias aconselhando a vacinação e, de outro, os que rejeitam a imunização porque a droga ainda não teve a maturação do seu desenvolvimento. Em vez dessa discussão improdutiva, deveriam as duas partes, de forma civilizada e com a devida responsabilidade, se reunir e tirar uma conclusão lógica da melhor medida a aconselhar nesse momento de incertezas: vacinar-se, mesmo com a possibilidade de correr riscos de saúde no futuro, ou, não se vacinando, ficar exposto aos efeitos da covid, que podem matar. A pandemia está reaquecida. A obrigação de orientar a população sobre o que fazer é das autoridades sanitárias, que não podem se quedar à política, ao ativismo e nem ao interesse de grupos. Sempre que esses elementos entram em cena, só conseguem tumultuar o processo e prejudicar ainda mais a população.

Dirceu Cardoso Gonçalves

aspomilpm@terra.com.br

São Paulo

*

SALÁRIO MÍNIMO

Segundo a mais recente Pesquisa Nacional da Cesta Básica de Alimentos, do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), o salário mínimo ideal para atender às necessidades básicas de uma família padrão de quatro pessoas deveria ser de R$ 5.997,14 neste ano, o que cobriria as despesas com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência, tendo por base os preços da cesta básica em São Paulo, de R$ 713,86. Com o salário mínimo recentemente reajustado pelo desgoverno Bolsonaro para apenas R$ 1.212,00, dá para imaginar o malabarismo que as famílias brasileiras menos favorecidas têm de fazer diuturnamente para sobreviver com um valor quatro vezes menor. Pobre Brasil.

J. S. Decol

decoljs@gmail.com

São Paulo

*

CUBANOS COM OS CASTROS E NÓS COM POLÍTICOS

Sendo um autêntico museu vivo a céu aberto, em 2014, visitei Cuba. Coincidiu lá estar quando Dilma Rousseff se reelegeu. Quanta alegria! Felizes os cubanos comemoraram como se fosse presidente deles. Em todo canto conjuntos musicais tocavam e cantavam para aglomerações “felizes” dançando ao som de gostosos e calientes ritmos caribenhos. Pudera! Entre muitos presentes o PT lhes deu também o moderno Porto de Mariel. Encantado e triste vi lindos prédios centenários deteriorados pelo tempo. Lá não depredam como aqui. Nas praças belos bancos de mármore trabalhado e nas avenidas milhares de carros antigos levaram-me de volta aos anos 50, quando eu, jovem, ouvia músicas e assistia também a filmes cubanos. No Brasil, apesar da anarquia gerada pelos políticos, sempre eles, ainda caminhávamos para a frente; hoje, para trás! Antes de ir soube que pasta, escova de dentes e até sabonete usado os cubanos aceitariam de presente. Pobres demais, recebiam de Castro US$ 30 mensais, uma cesta básica e mais nada. A concorrência para pegar algo me comoveu. Saindo do hotel não andava 30 metros sem encontrar pedintes. Garçons, privilegiados, recebiam mais de gorjetas dos turistas que de salário. Em minha volta até roupas usadas doei. Segundo eles, em Havana, dos 2 milhões de habitantes, 50% eram agentes do governo, disfarçados à paisana. Traficantes pegavam 30 anos de prisão. Talvez por isso não vi drogados, brigas, assaltos nem vandalismo. Educados e cultos disseram-me que saúde e ensino públicos eram ótimos; o transporte, péssimo. Para longe, trabalhadores só podiam viajar de trem. Diariamente crianças uniformizadas seguiam organizadas para a escola.

Os cubanos são pobres mesmo, mas nós, com a enorme carga tributária, a passos largos seguimos na mesma direção. Lá trabalhavam para os Castros e nós, para milhões de políticos e sanguessugas nos Três Poderes. Diante da atual crise gerada por eles mesmos, mantêm seus altos salários e obscenos privilégios vivendo com conforto e luxo. Não há óleo de peroba suficiente para tantos caras de pau! Aprovando e seguindo leis imorais que os beneficiam e a todo tipo de bandido, eles conseguiram o poder que tanto queriam, mas nós, em lugar da verdadeira democracia pela qual pagamos caro, já em 2018 contávamos mais de 13 milhões de desempregados, outros 30 milhões “vivendo” de programas sociais e da caridade popular. Para escorar a economia capenga sacamos o FGTS dando adeus a uma velhice mais digna. Há décadas não nos dão direito legal à defesa, mas aos assassinos, sim! Escondem o rosto para não os identificarmos. Aqui, hoje paraíso dos safados, é tão difícil soltar inocente pobre como prender ladrão rico, que mesmo antes de chegar à cadeia já conta com habeas corpus. Que Brasil temos! Essa é a herança que nos deixaram. Por isso, humilhados, explorados e sistematicamente roubados, elegemos Bolsonaro, intempestivo, malcriado (e trapalhão?). Mas não sendo nele votaremos em quem? No Lula/Alckmin? No Ciro? Boulos? FHC? Doria? Ou em quem apoiar a antes poderosa e agora desesperada Rede Globo? Ou ainda nos governadores hipócritas e irresponsáveis que faliram seus Estados e agora pedem socorro? Com qualquer deles eleito, teremos altos salários e privilégios ao poder público, corrupção impunidade e mais miséria, e tantas obras públicas superfaturadas que nunca terminam. Embora dê náuseas, lembrem-se quem foi o relator da CPI (circo) da Covid. Em países sérios já estaria preso e por muito tempo, mas aqui, nossa “justiça” milagrosa faz bandido virar mocinho da noite pro dia. Democracia, SIM! O que temos, NÃO!

Nilson Martins Altran

nilson.altran@hotmail.com

São Caetano do Sul

*

INSTABILIDADE NA UCRÂNIA

O presidente Jair Bolsonaro apoiará Putin, Biden ou nenhum dos dois, em caso de um eventual conflito na Ucrânia? China e Rússia anunciaram parceria “sem limites” em meio a tensões com potências ocidentais. O Brasil exporta US$ 31,104 bilhões para os Estados Unidos e US$ 87,696 bilhões para a China. A Rússia já enviou mais de 100 mil soldados para a fronteira de Belarus com a Ucrânia.

Os Estados Unidos enviaram soldados à Polônia e Alemanha. É preocupante e incerta a situação entre a Rússia e a Ucrânia, diante de exercícios militares e a sobrecarregada tensão entre os seus líderes políticos. O momento é de intensificar os acordos, com o objetivo de evitar uma instabilidade jamais avaliada nos dias atuais.

José Carlos Saraiva da Costa

jcsdc@uol.com.br

Belo Horizonte

*

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.