Fórum dos Leitores

Cartas de leitores selecionadas pelo jornal O Estado de S. Paulo

Fórum dos Leitores, O Estado de S.Paulo

13 de fevereiro de 2022 | 03h00

Eleição 2022

Árdua tarefa

Inteligência e civilização nem sempre garantem ou proporcionam o bem-estar de um país ou de uma nação. Infelizmente, diversos exemplos comprovaram essa verdade, tais como a Alemanha civilizada abraçando o nazismo, a Argentina inteligente se curvando diante do peronismo e Portugal, culto e civilizado, dando votos à extrema direita. O Brasil não poderia ser uma exceção. Embora sejamos uma nação com milhões de pobres e sem acesso à educação, também somos uma nação de milhões de civilizados e bem educados, mas mesmo assim sofremos o flagelo do lulismo e dobramos os joelhos diante do bolsonarismo. O mais recente desprezo do presidente pelas vítimas das fortes chuvas em São Paulo – para ele essas pessoas não tiveram “visão de futuro” – e as propostas do ex-presidente Lula para regular a mídia e controlar os preços dos combustíveis indicam a árdua tarefa que a Nação terá nas eleições de outubro. Nem mesmo a terceira via colabora consigo mesma, porque João Doria e Sergio Moro não mostram a que vieram nem conseguem se mostrar confiáveis para uma nação sem opções.

Luciano de Oliveira e Silva Luciano.os@adv.oabsp.org.br

São Paulo

*

Falta de vacina

A força de Bolsonaro e Lula só existe pela fraqueza dos outros. É uma força viral que, como a Ômicron, acomete os debilitados e não vacinados. Quantas doses de Bolso-Lula os brasileiros precisarão tomar para se esquecerem dos dois? Tal qual negacionistas, insistem neles, apesar dos estragos visíveis empreendidos pela dupla ao longo dos recentes anos. E não é que agora Lula ressurge como o remédio salvador e seus apoiadores, confrontados com os fatos – mensalão, petrolão, etc. –, dizem que “foi apenas uma gripezinha”, emulando Bolsonaro sem a mínima vergonha? E nesta endemia de políticos-vírus, milhões de brasileiros se degradam, enquanto outros enriquecem como nunca. Alcançamos níveis desumanos de desigualdade. Quanto tempo o povo vai aguentar sem se revoltar para valer?

Sandra Maria Gonçalves sandgon46@gmail.com

São Paulo

*

São Francisco

Oportunismo

Vejam como a política brasileira é cheia de oportunistas. Lula, na tentativa de se firmar como salvador da Pátria, quer ser o pai da transposição do Rio São Francisco, mas, como Jair Bolsonaro terminou a obra, Lula não quer que o atual presidente seja reconhecido pela população como quem levou água ao povo do Nordeste. Vamos combinar, quando uma obra é iniciada, qualquer cidadão pagador de impostos quer ver o fim desta obra, e quanto mais rápido ela se concretiza, mais o povo é beneficiado. Não cabe ser o pai desta ou daquela obra, mas finalizá-la, o que tanto impacta a vida do cidadão. Como sabido, a maioria das obras governamentais não acaba e o objetivo não é concluí-las, mas arrastá-las pelo máximo de tempo possível, dando tempo para a corrupção. Cansamos de ver esse filme.

Izabel Avallone izabelavallone@gmail.com

São Paulo

*

Semana de Arte Moderna

100 anos

Cumprimento o Estadão pela excelente retrospectiva dos 100 anos da Semana de Arte Moderna (1922-2022) no Caderno C2 especial (11/2). Os textos de Ubiratan Brasil, Antonio Gonçalves Filho, Marisa Lajolo, João Marcos Coelho e Matheus Lopes Quirino são de leitura muito agradável e trazem conhecimento crítico sobre este evento que mudou os rumos da cultura brasileira. Informações valiosas e muito interessantes. A listagem dos 15 lançamentos de livros citados completa a melhor edição jornalística atual sobre a Semana.

Cristiano A. F. Zerbini criszerb@uol.com.br

São Paulo

*

Pandemia

Dois carnavais

Quer dizer que neste ano teremos dois feriados de carnaval, um oficial e outro, aproveitando e feriado prolongado de Tiradentes? Realmente, o Brasil precisa ser estudado. O País precisando trabalhar para sair da draga em que está, com milhões de desempregados e muitos passando fome, e os mestres do pensamento no País preocupados com a festa popular nos clubes e nas ruas. Para que fazer os desfiles? Para que promover bailes nos clubes, se o que se pede no momento é distanciamento social, uso de máscaras e vacinação? Será que dá para pôr um pouco a mão na consciência?

José Claudio Canato jccanato@yahoo.com.br

Porto Ferreira

*


Cartas selecionadas para o Fórum dos Leitores do portal estadao.com.br

A FESTA DA CORRUPÇÃO

Quando o assunto é corrupção não existe oposição, são todos situação! É inacreditável que, diante das acachapantes evidências de desvio de dinheiro público do orçamento secreto, das emendas de relator, não exista um único político em Brasília disposto a comprar essa briga. Lula e o PT, que outrora faziam oposição cega contra tudo e contra todos, agora estão na moita, aprenderam a jogar o jogo, estão contando o dinheiro do fundo partidário e a sua parcela nas emendas secretas. Como nada é tão ruim que não possa piorar, os pastores evangélicos estão participando ativamente da esbórnia das emendas parlamentares. O Ministério Público e o STF não se manifestam se não forem provocados, e nenhuma alma em Brasília vai querer acabar com a festa da corrupção, ninguém vai querer mexer no vespeiro das emendas secretas, pois sabe que vai sobrar ferroada para todo mundo.

Mário Barilá Filho 

mariobarila@yahoo.com.br

São Paulo

*

FIM DO ESTADO LAICO

Agora é fato. Todos já sabíamos do poder das igrejas evangélicas sobre o governo Bolsonaro, mas agora escancarou de vez. O pastor da Assembleia de Deus no Brasil José Wellington Bezerra da Costa admitiu que a igreja fez intermediação do pagamento de emendas parlamentares para eleger três de seus filhos em São Paulo, além de proibir o apoio de pastores a candidatos que não sejam “ungidos” pelos evangélicos. Ou seja, o Congresso também está nas mãos dessas organizações. O Estado laico foi sepultado de vez. Nada de bom pode se esperar disso. 

Jane Araújo 

janeandrade48@gmail.com

Brasília

*

‘TODOS’ QUEREM LULA

Tenho visto muitas manifestações fechadas sobre a volta de Lula. Não se esqueçam de levar em consideração que 57 milhões o rejeitaram em 2018. O candidato era um poste, mas tinha o aval de Lula. Aval que serviu a Dilma. Por que o rejeitaram? Basicamente pela corrupção desenfreada. Ninguém se esqueceu e não se sabe ainda se mudaram de ideia, apesar das bolsonaradas. Então não há nada definido. Lula não anda pelas ruas. Tem medo. Os demais candidatos, por ora sem chances, só atrapalham, à exceção de Moro, de quem Lula e Bolsonaro têm verdadeiro pavor.

Paulo Henrique Coimbra de Oliveira

phcoimbraoliveira@gmail.com

Rio de Janeiro

INDIGNAÇÃO

O nordestino está indignado com o Lula! Conscientizou-se de que esse insano zombou de suas dignidades com fins eleitoreiros e corruptos.

Eugênio José Alati

eugenioalati13@gmail.com

Campinas

*

INTERESSE COMUM

É triste vermos a maioria dos nossos políticos escolhendo Lula e não Sérgio Moro para enfrentar Bolsonaro, já no primeiro turno das eleições, frustrando a Terceira Via e alegando variadas razões. Mas o que os une nessa escolha é o receio de perder privilégios, que, entre outras coisas, lhes garantem imunidade.

Luiz Ribeiro Pinto

brasilcat@uol.com.br

Ribeirão Preto

*

SORO ANTIOFÍDICO

Lula da Silva, discursando em comemoração aos 42 anos de aniversário do PT, admitiu que sua agremiação cometeu alguns equívocos, nas entrelinhas criticando seu “poste”, mas que o legado deixado é muito maior que os erros. Na sequência de sua fala, elogiou Dilma como a primeira mulher a governar o Brasil e que sofreu golpe de Estado. Quanto ao mensalão, petrolão, fundos de pensão, Correios, Banco do Brasil, nenhuma menção. O “jararaca” está voltando e se preparando para dar outro bote.

J. A. Muller

Josealcidesmuller@hotmail.com

Avaré

*

KIM E MONARK FORAM TORTURADOS

Apoiadores do Partido dos Trabalhadores e bolsonaristas, certamente com viés mais de vingança do que contrários ao nazismo propriamente, passaram o último dia 9 julgando e cancelando o deputado Kim Kataguiri e o host do Flow Podcast Monark, por fala infeliz no programa. Kim e Monark são críticos desta parceria bolsolulista em prol da impunidade, tiveram suas falas ecoadas pelos grupos. O cancelamento virtual tem a tortura como espelho. Mesmo que errados – e estão bastante – nossa Constituição Federal e todo o ordenamento normativo sobre direitos humanos proíbem qualquer prática de tortura.

Ronan Wielewski Botelho

ronanwbotelho@gmail.com

Londrina (PR)

*

KIM

Seria cômico, risível até, se não tivesse sérias consequências, assistir a denúncias de que Kim Kataguiri manifestou apoio ao nazismo. 

Kim, um liberal até a raiz dos cabelos, combate ditaduras e ditadores. Já muitos de seus acusadores apoiam, até financeiramente, ditaduras cruéis e assassinas, como as de Cuba, Venezuela e Nicarágua, além de idolatrarem o stalinismo e o maoísmo, responsáveis por dezenas de milhões de mortes.

Marcos Lefevre

lefevre.part@hotmail.com

Curitiba

*

FAMIGERADO IMPOSTO SINDICAL

A arrecadação dos sindicatos despencou, foi o fim do dinheiro fácil, após a reforma trabalhista acabar com a contribuição obrigatória. O ex-presidente candidato, se reeleito, pretende detonar a reforma. Seria para recuperar os sindicatos que sempre foram braços do partido?

Paulo Tarso J. Santos

ptjsantos@yahoo.com.br

São Paulo

*

LÍDER

Ao ver esse imbróglio bélico na Ucrânia, penso que o mundo carece de um grande líder, com a bandeira da diplomacia e da paz, neste momento perigoso e turbulento. Angela Merkel já faz falta.

Elisabeth Migliavacca

São Paulo

*

BOLSONARO NA RÚSSIA

Enquanto o presidente americano, Joe Biden, orienta americanos a deixar a Ucrânia com urgência, onde se vislumbra uma iminente invasão russa, Jair Bolsonaro vai ao encontro de Vladimir Putin, no Kremlin. Como nosso “estadista” não tem o que dizer, só resta convidar Putin para uma motociata na neve. Os brasileiros de bem torcem para que não seja mais uma vergonha nacional. 

Júlio Roberto Ayres Brisola

jrobrisola@uol.com.br

São Paulo

*

CONTROLE SANITÁRIO RUSSO

O governo da Rússia exigiu que o presidente Jair Bolsonaro e sua comitiva se submetam a um rígido controle sanitário para se aproximar do presidente russo, Vladimir Putin, durante viagem oficial a Moscou. Bolsonaro e os membros da comitiva que se aproximarão de Putin terão de fazer até cinco exames do tipo PCR para a detecção de covid-19. Bolsonaro, nada de mimimi, viu? Faça todos os testes e mostre ao mundo que o presidente do Brasil não tem medo de testes de detecção da covid-19, e que só tem medo, mesmo, de reconhecer seus erros e de se desculpar, mas isso é outra história, do tipo em casa sou machão, mas fora de casa não sou tão bravo assim.

Marcelo Gomes Jorge Feres

marcelo.gomes.jorge.feres@gmail.com

Rio de Janeiro

*

EUA X RÚSSIA

Na entrevista à NBC há dias, o presidente dos EUA, Joe Biden, conclamou sem meias palavras que os cidadãos americanos na Ucrânia deixem imediatamente o país porque “estamos lidando com um dos maiores Exércitos do mundo e não com uma organização terrorista”. É uma situação muito diferente, e as coisas podem sair do controle rapidamente. Quando os americanos e russos começam a atirar um contra o outro é guerra mundial. Diante da gravíssima ameaça de uma 3ª Guerra Mundial atômica entre as duas maiores potências nucleares do planeta, cabe à humanidade evocar John Lennon com sua célebre canção Give Peace a Chance. Oremos, antes que seja tarde demais.

J. S. Decol

decoljs@gmail.com

São Paulo

*

A AMAZÔNIA

A abordagem sobre a Amazônia no artigo do senador e economista José Serra (Amazônia: desafios e oportunidades, A4, 10/2) é oportuna. Foi brilhante ao dizer que aquele bioma é o mais gritante símbolo da crise que hoje corrói o País. De fato, considerada uma das armas mais importantes para o combate ao aquecimento global, a Amazônia vem sendo destruída, por um número cada vez maior de bandoleiros, que roubam nossa madeira e nosso ouro. E o fazem com importante colaboração de Bolsonaro, que desarticulou as inspeções e a vigilância sobre aquela região, de tal maneira que se pode dizer que é um programa de governo. Quando a imprensa e os críticos, como Serra, abordam a roubalheira desenfreada como ilegais, não só dos madeireiros, como das mineradoras, com suas máquinas possantes, não transmitem à população, a real gravidade da situação. São quadrilhas poderosas saqueando as nossas riquezas, com a cumplicidade do presidente da República, justamente quem deveria zelar por elas. No mês de janeiro houve outro recorde de desmatamento naquele bioma, pois, é o ano do fim da festa. Serra, como não poderia de deixar de ser, aponta outro crime do atual governo. Ao contrariar a ciência, negando o aquecimento global, indiscutível, para quem sabe que o nosso planeta é um sistema termodinâmico fechado, contraria também os líderes das demais nações e já estamos sofrendo represálias comerciais por isso. Por essas e por muitas outras, Bolsonaro não pode continuar governando até o fim do seu mandato. Os parlamentares do Centrão estão tomando verbas do governo como nunca o fizeram. O País não tem como manter tal situação. Bolsonaro tem de sofrer impeachment, nem que Lira, que prevaricando segura mais de cem pedidos sobre ele, caia junto.

Gilberto Pacini

benetazzos@bol.com.br

São Paulo

*

AUMENTO PARA PROFESSORES

Já perdi a esperança de as pessoas entenderem que o problema é a diferença salarial entre o menor e o maior salário. Quando aumentam o salário mínimo, digamos, em 10%, o aumento dos demais cargos públicos é sempre muito maior que esses 10%, aumentando a diferença abissal entre o mínimo e o máximo salário público, somando-se, ainda, os penduricalhos e mordomias indecentes. Há salários 300 vezes maior que o mínimo, conforme algumas reportagens que saem na imprensa (incluindo-se todos os agentes políticos).

 Victor Raposo

victor-raposo@uol.com.br

São Paulo

*

SEMANA DE 22

Foi o integralista Plínio Salgado que pagou do próprio bolso a Tarsila do Amaral e Pagu, financiando o grosso das despesas para a realização da Semana de 22, quando as duas estavam arrecadando fundos com políticos para realizarem o evento! Isso ninguém fala nestes tempos de politicamente correto seletivo, lacrador e cancelador!? Aliás, a essência artística do fascismo (ao contrário do nazismo que a repugnava por ser “decadente”) era o modernismo de vanguarda, especialmente a arquitetura, tendo Benito Mussolini construído oito “Brasílias” nos anos 30, inspirando arquitetos por todo o mundo, inclusive Le Corbusier e seu mais famoso copiador, o medíocre Niemeyer, criador dos vagos e feios caixotes de concreto. Sem a bolada aceita sem contestações do “fascista” Plínio Salgado será que haveria a Semana de 22?

Paulo Boccato

pofboccato@yahoo.com.br

Taquaritinga

*

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.